Guiné-Bissau: ″CEDEAO perdeu a capacidade para resolver a crise″ | Guiné-Bissau | DW | 06.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: "CEDEAO perdeu a capacidade para resolver a crise"

Missão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) deverá chegar à Guiné-Bissau na segunda-feira para ajudar a resolver crise política. Mas analista diz que a organização "está comprometida".

A missão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) chega a Bissau na segunda-feira e vai permanecer até sexta-feira, 13. Será composta por peritos constitucionais, que vão manter contactos com a Comissão Nacional de Eleições (CNE) e o Supremo Tribunal de Justiça.

O representante especial da CEDEAO na Guiné-Bissau disse num comunicado publicado esta sexta-feira que o propósito da missão é ajudar a alcançar "uma resolução rápida do contencioso eleitoral criado após a divulgação dos resultados da segunda volta das presidenciais", realizada a 29 de dezembro.

Assistir ao vídeo 01:41

À revelia do Parlamento, Sissoco toma posse

No seu último comunicado, de 2 de março, a CEDEAO disse que "não pode reconhecer organismos criados e instalados fora dos quadros constitucionais e legais".

Mas os partidos e personalidades políticas que apoiaram a candidatura de Umaro Sissoco Embaló à Presidência discordam da organização sub-regional.

"Não conseguimos entender", frisou Vítor Pereira, que falou em nome do coletivo durante uma conferência de imprensa, na quinta-feira (05.03). "Não é possível que uma organização idónea tenha dois pesos e duas medidas e se pronuncie de forma diferente. Não conseguimos entender isso".

Tensão política aumenta

Desde quarta-feira, polícias e militares têm recuperado as viaturas que estavam a ser utilizadas por membros do Governo de Aristides Gomes, demitidos por Umaro Sissoco Embaló. Em alguns casos, de acordo com as testemunhas, a operação não foi pacífica, existindo pontualmente trocas de palavras entre os elementos das forças de defesa e segurança e familiares dos visados na recuperação dos carros.

Esta sexta-feira, a DW pôde constatar que os militares já não ocupam o Palácio da Justiça, onde também funciona o Supremo Tribunal de Justiça. As instalações estão a ser guardadas pela polícia de ordem pública e elementos da Ecomib, a força militar da CEDEAO no país.

Ouvir o áudio 02:35

Bissau: "CEDEAO perdeu a capacidade para resolver a crise"

Na quinta-feira, o Conselho de Segurança das Nações Unidas expressou "profunda preocupação" com a crise pós-eleitoral na Guiné-Bissau.

Para o comentador político Jamel Handem, o que se vive neste momento na Guiné-Bissau "não é democracia".

"Nós tentamos fazer a democracia com as eleições, convencemo-nos de que as eleições iriam resolver o problema. Aqui está tudo claro: há um grupo que assumiu o poder pela força das armas e há outro grupo que está submetido", afirma.

Em vésperas da chegada da missão da CEDEAO ao país, Handem acredita que a organização "está comprometida e perdeu as capacidades para a resolução do conflito na Guiné-Bissau".

O analista aponta uma solução: "Se o Conselho de Segurança das Nações Unidas quiser resolver o problema da Guiné-Bissau tem que constituir uma missão de alto nível que integre todas as organizações internacionais interessadas para virem cá resolver o problema. Mandar só uma dessas organizações é a mesma coisa que condenar a Guiné-Bissau à morte", avisa.

Leia mais