Guerra aberta abala FRELIMO em Quelimane | Moçambique | DW | 16.01.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Guerra aberta abala FRELIMO em Quelimane

Em Quelimane, centro de Moçambique, 38 membros da FRELIMO culpam o secretariado local pelas derrotas nas três últimas eleições autárquicas e pedem mudanças. A situação apanhou de surpresa muitos simpatizantes do partido.

Ainda se sentem os ecos das eleições autárquicas de outubro passado, em Quelimane. Instalou-se uma guerra no seio da FRELIMO, com vários membros a responsabilizar o secretariado do partido na cidade pelas derrotas nas autárquicas de 2011, 2013 e 2018. Acusam ainda o secretariado de má gestão dos recursos financeiros e humanos da FRELIMO.

Os membros do comité da cidade fizeram um abaixo-assinado por causa da atual situação política de Quelimane. "Trinta e oito membros do comité propõem que o secretariado cesse funções e que se crie uma comissão, de modo a chegar à realização da sessão extraordinária para a eleição do novo órgão do comité da cidade, que venha trabalhar e trazer sucessos no comité da cidade", declarou Armando Juma, um dos membros contestatários.

Ouvir o áudio 02:26
Ao vivo agora
02:26 min

Guerra aberta na FRELIMO em Quelimane

"Os membros sentem-se estrangulados com os resultados de 2011, 2013 e 2018. Também o comportamento do atual secretariado não compactua com aquilo que é a situação política na cidade", critica Juma.

Quem dirige Quelimane desde as eleições intercalares de 2011 é Manuel de Araújo, que pertenceu ao MDM e que, entretanto, se filiou na RENAMO.

Apoiantes apanhados de surpresa

Pita Meque, secretário da FRELIMO na cidade de Quelimane, não prestou qualquer informação à imprensa sobre a guerra interna no partido. O porta-voz do comité da FRELIMO, Santos Emílio, também se recusou a falar sobre o assunto.

Mosambik Quelimane Politologe Carlos Victorino

Carlos Victorino: "É preciso renovar as massas"

Esta situação apanhou de surpresa muitos simpatizantes do partido na Zambézia. O analista político Carlos Victorino refere que a FRELIMO em Quelimane terá agora de tomar uma decisão fundamental: se opta, ou não, pela renovação.

"Aqui na cidade e na província da Zambézia, há um dilema muito grande. Quando se estraga uma coisa, não conseguem repor, temos de discutir e perceber onde é que está o erro", desafia Carlos Victorino, que é sobretudo apologista da ideia de "renovar as massas".

Os membros contestatários da FRELIMO em Quelimane aguardam a realização de uma reunião, para que o secretário da cidade e o seu coletivo cessem funções. No entanto, a reunião ainda não tem data marcada, segundo apurou a DW África junto do comité da FRELIMO em Quelimane.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados