Grupo dissidente assalta centro de saúde no centro de Moçambique | Moçambique | DW | 15.07.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Grupo dissidente assalta centro de saúde no centro de Moçambique

Homens armados, que a polícia moçambicana suspeita pertencerem à Junta Militar da RENAMO, assaltaram esta terça-feira um centro de saúde no distrito de Gondola, na província central de Manica, onde roubaram medicamentos.

A autoproclamada Junta Militar da RENAMO é liderada por Mariano Nhongo

A autoproclamada Junta Militar da RENAMO é liderada por Mariano Nhongo

O assalto ocorreu durante a madrugada no posto administrativo de Chipindaumue e o grupo terá saqueado medicamentos diversos, depois de ameaçar os profissionais de saúde que se encontravam no local, disse à Lusa Mário Arnança, porta-voz da Polícia da República de Moçambique em Manica.

"Reforçámos a segurança no local e há uma equipa da polícia ainda a trabalhar", disse a mesma fonte oficial, avançando que não houve registo de vítimas.

A autoproclamada Junta Militar da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) é liderada por Mariano Nhongo, ex-dirigente da guerrilha, e é acusada de protagonizar ataques visando forças de segurança e civis em aldeias e nalguns troços de estrada da região centro, tendo causado, pelo menos, 24 mortos desde agosto do ano passado.

O enviado pessoal do secretário-geral da Organização das Nações Unidas a Moçambique, Mirko Manzoni, disse, em junho, que já tentou conversar com Mariano Nhongo, mas não teve sucesso. 

Assistir ao vídeo 02:52

Moçambique: Desmobilizados da RENAMO vivem com medo

"Mariano Nhongo é inflexível e todas as aproximações com vista a um entendimento fracassaram", disse na altura Mirko Manzoni, numa entrevista ao canal televisivo STV.

Entre várias revindicações, Nhongo exige a demissão do atual presidente da RENAMO, Ossufo Momade, acusando-o de ter desviado as negociações de paz dos ideais do seu antecessor, Afonso Dhlakama, líder histórico do partido que morreu em maio de 2018.

A RENAMO, principal partido de oposição de Moçambique, demarca-se das ações do grupo de Mariano Nhongo, classificando-o como um desertor e reiterando o seu compromisso com o acordo de paz assinado em agosto de 2019. 

O processo de desmilitarização, desarmamento e reintegração do braço armado da RENAMO foi retomado em junho e vai envolver cerca de 5.000 membros do braço armado do maior partido da oposição no país.

Leia mais