1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Deslocados Cabo Delgado Moçambique
Deslocados de Cabo DelgadoFoto: Delfim Anacleto/DW

Regresso às "zonas libertadas" do terrorismo em Cabo Delgado

Delfim Anacleto
24 de março de 2022

O Governo moçambicano diz estar a preparar condições em "zonas libertadas" do terrorismo em Cabo Delgado. Organizações da sociedade civil reclamam a inclusão pelo executivo na implementação do plano de reconstrução.

https://p.dw.com/p/48y9l

As autoridades iniciaram, no ano passado, o processo de reconstrução de alguns distritos de Cabo Delgado afetados pelo extremismo violento.

O plano consiste, entre outros aspetos, na reabertura de vias de acesso, recolocação da corrente elétrica, água potável e outros serviços essenciais, para permitir o regresso condigno dos deslocados internos às zonas de origem.

No terreno já estão funcionários públicos para acelerar a reinstalação dos principais serviços, explica o governador da província de Cabo Delgado, Valige Taubo. "Neste momento, nós temos membros do governo em Mocímboa da Praia. Já estão lá a criar condições para que a população seja depois informada. E as condições básicas que eram necessárias já estão lá", afirma o governador.

Algumas pessoas têm optado por retornar às áreas de origem, mas o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) disse esta semana que considera prematuro incentivar o regresso, porque "a segurança continua frágil" nalgumas partes da província de Cabo Delgado.

É preciso "aprimorar a segurança"

Margarida Talapa, ministra do Trabalho e Segurança Social de Moçambique, reconhece que é preciso aprimorar a segurança nos distritos "libertados" do terrorismo.

Margarida Talapa
Margarida TalapaFoto: Delfim Anacleto/DW

"O que nós percebemos é que as populações já se encontram nos distritos, algumas estão a voltar. Há uma segurança estável, mas naturalmente é preciso que todos os dias se aprimorem estes aspetos de segurança porque é primordial para que as populações possam estar nestes distritos", explica Talapa.

Uma delegação do Conselho de Ministros esteve há dias em Cabo Delgado para monitorizar de perto a implementação do Plano de Reconstrução.

Os membros do governo central escalaram os distritos de Palma, Mocímboa da Praia, Muidumbe, Nangade, Macomia e Quissanga, que já foram palco de confrontos.

Governo "pouco inclusivo"

O Fórum das Organizações da Sociedade Civil em Cabo Delgado (FOCADE) entende que o governo tem sido pouco inclusivo no processo de reconstrução. Frederico João é o presidente deste fórum e exige mais transparência ao governo.

Instituto Agrário de Bilibiza segue em frente após ataque

"Há um sentimento nosso de falta de envolvimento da sociedade civil no plano de reconstrução da província de Cabo Delgado. Por isso, o nosso objetivo é de garantir o seu envolvimento no processo e esperamos que os atores do desenvolvimento sejam mais sensibilizados sobre os desafios deste mesmo plano", afirma.

Frederico João falava numa mesa-redonda realizada esta quarta-feira, em Pemba, onde foi expresso o sentimento das organizações. O encontro juntou, para além do governo, os parceiros de cooperação internacional, membros da sociedade civil e lideranças comunitárias e religiosas.

Menos vulnerabilidade social

Hermenegildo Mulhovo do Instituto para a Democracia Multipartidária sugeriu ações que contribuam para a eliminação de fatores de vulnerabilidade da população.

Hermenegildo Mulhovo
Hermenegildo MulhovoFoto: Delfim Anacleto/DW

"O Plano de Reconstrução de Cabo Delgado tem de olhar com muita atenção para os aspetos relacionados, por exemplo a elementos que garantam a coesão entre as pessoas, que nos permitam atacar fatores de vulnerabilidade social que nos dividem e permitem que exista conflito nessas regiões afetadas", diz Mulhovo

Entretanto, depois de um grupo armado ter atacado recentemente a ilha de Matemo, no arquipélago das Quirimbas, as forças governamentais anunciaram o abate de 18 terroristas durante confrontos, além da reposição da segurança.

As autoridades anunciaram o reforço do efetivo policial na ilha, que inclui a força canina para desmantelar possíveis esconderijos de material bélico dos rebeldes.

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado