Governo de Moçambique admite que número de deslocados não pára de crescer | Moçambique | DW | 18.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Governo de Moçambique admite que número de deslocados não pára de crescer

Ataques em Cabo Delgado já levaram cerca de 500 mil pessoas a fugir, admitiu o primeiro-ministro no Parlamento. Governo foi responder às questões dos deputados e temas como o terrorismo e a Covid-19 causaram discórdia.

Em Moçambique, o número de deslocados internos devido aos ataques dos alegados jihadistas na província nortenha de Cabo Delgado atinge já cerca de 500 mil, revela o primeiro-ministro, Carlos Agostinho do Rosário.

O chefe do Governo falava no Parlamento, esta quarta-feira (18.11), dia em que o seu Executivo foi chamado a responder a um total de 15 questões colocadas pelas três bancadas parlamentares.

Cabo Delgado localiza-se no extremo norte de Moçambique, mas os deslocados já estão espalhados em sete das 10 províncias nas regioes norte, centro e sul do país.

Segundo o primeiro ministro, o Governo está no terreno a garantir assistência humanitária às pessoas afetadas.

"Como consequência das ações terroristas até este momento cerca de meio milhão de pessoas, nossos compatriotas, foram forçados a abandonar as suas zonas de origem e refugiarem-se em locais nas províncias de Cabo Delgado, Niassa, Nampula, Zambézia, Manica, Sofala  e Inhambane", informa Rosário.

Jaime Neto

Jaime Neto, ministro da Defesa

As Forças de Defesa e Segurança (FDS) têm garantido a proteção dos deslocados, na sua movimentação das zonas atingidas pelos ataques para locais seguros, referiu o ministro da Defesa, Jaime Neto.

A violência armada no centro do país, protagonizada pela autoproclamada Junta Militar da RENAMO, constituiu, igualmente, tema de debate, tendo a bancada da FRELIMO denunciado o registo de mais dois ataques esta terça-feira (17.11), na província central de Manica.

Quanto deve Moçambique à China?

O Governo foi também questionado acerca da dívida pública de Moçambique, em particular com a China, que, segundo a RENAMO, não só é assustadora, como também cria um futuro incerto para as próximas gerações.

A atual dívida pública é de 12 mil milhões de dólares, o que representa 87% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019, segundo informou o ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleiane.  

Este valor não inclui as garantias passadas a favor das empresas ProIndicus, num montante de 622 milhões de dólares, e da Mozambique Asset Manangement (MAM), de 535 milhões de dólares.

As chamadas "dívidas ocultas", concedidas sem o conhecimento do Parlamento e dos credores do país, levaram os parceiros internacionais a suspender a ajuda direta ao Orçamento do Estado moçambicano.

Produzenten von Timbila Mosambik Instrument

Adraino Maleiane, ministro da Economia e Finanças

No entanto, o ministro da Economia e Finanças aponta para uma boa relação com os doadores: "O país está bem com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Também o investimento direto estrangeiro está a entrar em média de dois mil milhões de dólares por ano, os empréstimos continuamos a ter não só da China, mas muito mais, de todas as instituições",garantiu Maleiane.

A dívida de Moçambique com a China é de dois mil milhões de dólares. Maleiane esclareceu que este financiamento é feito através de doações, da dívida entre países sem juros, e uma terceira janela virada para a atividade económica através do EXIM Bank.

"Destes dois mil milhões de dólares, 1.97 mil milhões é com o EXIM Bank e 50 milhões de dólares com o Governo", explicou o ministro da Economia e Finanças. "Nós vamos buscar à China empréstimos para financiar infraestruturas que são importantes e o Governo está a criar todas as condições para que elas paguem a si próprias".

Desafios da Saúde em tempos de Covid-19

Por seu turno, o ministro da Saúde, Armindo Tiago, falou das medidas em curso para conter o impacto da Covid-19 no seu setor, tendo afirmado que, com a abertura das fronteiras em curso, o país espera passar a ter um stock suficiente de medicamentos para seis meses contra os atuais três.

Armindo Tiago disse também que neste mês de novembro e nos subsequentes será iniciado o pagamento dos quatro subsídios em falta para os profissionais da saúde e que tem suscitado contestação.   

Mosambik Armindo Tiago, Gesundheitsminister

Armindo Tiago, ministro da Saúde

As bancadas parlamentares divergiram na apreciação das respostas do Governo.

Para o porta voz da FRELIMO, Feliz Silvia, "o Governo trouxe respostas convincentes, bem estruturadas" e a bancada parlamentar da FRELIMO dá-se por satisfeita pelo seu desempenho.

Queixas da oposição

Já a RENAMO, maior partido da oposição, dá nota negativa às respostas do Executivo. O porta-voz Arnaldo Chalaua exemplifica: "Estamos numa situação de um Estado capturado pelo crime organizado, por sequestros e isto tira sono a todos os cidadãos moçambicanos".

O MDM, segunda maior força da oposição, também faz uma apreciação negativa das informações do Governo. Não concorda com a estratégia para a retoma normal das aulas no próximo ano, afirmando que não vai permitir o distanciamento dos alunos.   

Fernando Bismarque, porta voz da bancada do MDM, destaca a questão de Cabo Delgado: "O senhor ministro da Defesa disse que tem havido escoltas, mas, na prática, temos assistido ao desaparecimento de muitas famílias, à travessia ao deserto para chegar a zonas mais seguras".

O Governo volta ao Parlamento esta quinta-feira (19.11) para responder às perguntas de insistência dos deputados.

Assistir ao vídeo 02:16

Moçambique: Autoridades evacuam deslocados de Pemba

Leia mais