França anuncia morte de chefe militar terrorista no Mali | NOTÍCIAS | DW | 13.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

França anuncia morte de chefe militar terrorista no Mali

No dia do quinto aniversário do ataque terrorista à sala de concertos Bataclan, em Paris, o Governo francês anunciou a morte de um terrorista ligado à Al Qaeda no Mali. No entanto, a ameaça continua, comenta analista.

A intervenção envolveu helicópteros e tropas terrestres

A intervenção envolveu helicópteros e tropas terrestres

A ministra da Defesa de França anunciou esta sexta-feira (13.11) que Bah ag Moussa, chefe militar do Grupo de Apoio ao Islão e aos Muçulmanos (JNIM), filiado na Al Qaeda no Mali, foi morto pelo exército francês na região maliana de Ménaka.

A intervenção ocorreu a 10 de novembro graças a "importantes meios de inteligência e um dispositivo de intervenção composto de helicópteros e tropas terrestres", disse Florence Parly, em comunicado. 

"Felicito os militares franceses envolvidos nesta operação e todos aqueles que contribuíram em matéria de inteligência. É um grande sucesso na luta contra o terrorismo que a França desenvolve ao lado dos seus parceiros no Sahel", acrescentou Parly.

Russland: Florence Parly und Jean-Yves Le Drian in Moskau

Florence Parly, ministra da Defesa de França

"A neutralização de um alto funcionário da Al Qaeda reforça a nossa determinação coletiva e o sentido de nosso compromisso", acrescentou a ministra.

Quem é Moussa?

Bah ah Moussa, ex-militar das forças do Mali que desertou em 2012, é um dos líderes históricos do jihadismo no Sahel. É considerado responsável por vários ataques contra forças malianas e internacionais e um dos principais líderes militares jihadistas no Mali, onde se ocupou da formação de novos recrutas.

De acordo com o Projeto Contra Extremismo (CEP), em 2017, Moussa tornou-se o chefe operacional do grupo terrorista JNIM, liderado por Iyad Ag Ghaly.

Iyad Ag Ghaly

Iyad Ag Ghaly, líder do grupo JNIM, afiliado da Al Qaeda

À DW, Ousmane Kornio, especialista em assuntos de segurança no Mali, diz que a morte de Bah ag Moussa, é certamente um duro golpe para o movimento. Mas não acredita que o grupo cesse as suas ativistas terroristas.

"O terrorismo nesta área é uma cobra com muitas cabeças. Se uma cabeça é cortada, cresce outra no seu lugar. Para as pessoas comuns no Mali, isto é um não-evento, porque o grupo terrorista continuará ativo, talvez se torne até mais forte. Enquanto Iyad Ag Ghaly estiver vivo, não acredito que as coisas mudem", comenta o especialista.

O anúncio da morte de Bah ah Moussa foi feito simbolicamente no dia do quinto aniversário do ataque terrorista à sala de concertos Bataclan e a outros espaços no centro da cidade Paris, onde 130 pessoas morreram e mais de 450 ficaram feridas.

Em junho, o Exército francês anunciou a morte do líder da Al Qaeda no Magrebe, o argelino Abdelmalek Droukdal, noutra operação militar.

Assistir ao vídeo 04:18

Maliano regressado de França luta pelo seu sonho

Leia mais