Dois mortos em ataques com carro-bomba em Mogadíscio | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 14.07.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Dois mortos em ataques com carro-bomba em Mogadíscio

Duas grandes explosões seguidas de tiros foram ouvidas, este sábado (14.07), perto do palácio presidencial na capital da Somália. A polícia confirmou as duas mortes, incluindo a de um atacante.

Somalia Anschlag in Mogadischu (Reuters/F. Omar)

No passaso 7 de julho, explosão de carro-bomba destruiu área próxima ao palácio presidencial

As explosões aconteceram por volta do meio-dia e uma semana depois que um ataque similar ao complexo do Ministério do Interior, também na capital, matou pelo menos nove pessoas.

O capitão da polícia, Mohamed Hussein, confirmou à agência de notícias Associated Press as duas mortes neste novo ataque. Segundo Hussein, um carro-bomba detonou perto de um posto de controle nas imediações do palácio presidencial, depois que as forças de segurança dispararam contra o veículo.

À agência Reuters, Hussein disse que "a polícia suspeitou do carro em alta velocidade, disparou contra ele e, então, o carro explodiu do lado de fora dos hotéis, perto do palácio presidencial".

Pouco depois, a explosão de um segundo carro-bomba ocorreu na mesma área.

Somalien Al-Shabab-Kämpfer (Getty Images/AFP/M. Abdiwahab)

Militantes da Al-Shabab

Ameaça constante

O grupo extremista Al-Shabab, um braço da Al-Qaeda sediado na Somália, frequentemente tem como alvo lugares de destaque na capital do país. O grupo reivindicou a responsabilidade pelo ataque deste sábado, dizendo que seus combatentes estavam realizando uma "grande operação" ao redor do palácio e próximo ao Hotel SYL.

A Al-Shabab foi acusada também de ser responsável pelo atentado a bomba, em outubro em Mogadíscio, que matou mais de 500 pessoas - o mais mortífero da história do país.

A ameaça do que se tornou o mais mortal grupo extremista islâmico na África Subsaariana prejudicou os esforços para fortalecer o Governo frágil da Somália e estabilizar a caótica nação do Corno de África.

Os Estados Unidos sob o Governo de Donald Trump intensificaram os esforços militares na Somália, incluindo dezenas de ataques com drones, contra a Al-Shabab e uma pequena presença de combatentes ligados ao grupo do Estado Islâmico. Pelo menos dois militares dos EUA foram morto.

Os militares dos EUA e outros membros da comunidade internacional expressaram preocupação com o plano para as forças de segurança da Somália assumirem a segurança do país nos próximos anos – atualmente garantida por uma força multinacional da União Africana - dizendo que as tropas locais ainda não estão prontas.

Leia mais