Covid-19: Robôs na linha de frente no Ruanda | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 21.06.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Covid-19: Robôs na linha de frente no Ruanda

Ruanda introduziu pequena equipa de autómatos nos centros de tratamento de doentes com Covid-19 para minimizar contato entre profissionais de saúde e pacientes à medida em que flexibiliza medidas restritivas.

Afrika Ruanda Coronavirus Roboter Patienten

Equipa de autómatos do Ruadna é composta por cinco robôs

Na sua apresentação, o próprio robô já diz a que veio.

"Estou pronto para começar o meu novo trabalho aqui no centro de tratamento, juntamente com os meus quatro irmãos, para ajudar a mitigar a contaminação cruzada da Covid-19 e reduzir o risco para os profissionais de saúde na linha de frente da luta contra o Covid-19", fala o robô.

A equipa de autómatos adquirida pelo Ruanda e composta por cinco unidades tem a função de monitorizar os sinais vitais dos doentes nos centros de tratamento de doentes com Covid-19. Dados como temperatura, ritmo cardíaco e níveis de oxigénio são transmitidos aos médicos e enfermeiros que trabalham à distância.

Testar e tratar rápido

De acordo com o Ministério da Saúde do Ruanda, um robô pode medir as temperaturas de 200 pacientes em apenas um minuto. Isso acelera o processo de testes e o tratamento. Mas a tecnologia não é barata: cada robô custa cerca de 30.000 dólares.

Ouvir o áudio 03:41

Ruanda aposta em autómatos para tratar e conter a Covid-19

O ministro da Saúde do Ruanda, Daniel Ngamije, espera reforçar a prontidão e a eficiência no combate à pandemia do coronavírus.

"Estes robôs vão facilitar o nosso trabalho, ajudando os médicos, enfermeiros e outros prestadores de serviços nos centros de tratamento onde os doentes com Covid-19 estão a ser tratados", garante.

A introdução dos robôs ocorre numa altura em que o Ruanda está a levantar parcialmente as medidas restritivas. Espera-se que o país flexibilize ainda mais as medidas ao tentar encontrar um equilíbrio entre a economia e a saúde dos cidadãos.

Ao longo deste processo, o setor da saúde do país poderá precisar de mais trabalhadores na linha de frente para fazer face a um eventual aumento do número de casos de Covid-19. Os robôs prestarão uma assistência valiosa, considera o ministro.

"Há certas tarefas que vinham sendo asseguradas pelos prestadores de cuidados de saúde, como a verificação da temperatura e outros testes de saúde, e que serão realizadas por estas máquinas, fazendo com que os profissionais de saúde se concentrem noutras tarefas, como a monitorização da forma como um doente está a recuperar-se", descreve o ministro Daniel Ngamije.

Ruanda Kigali City

Vista parcial de Kigali

Aceitação popular

Muitos ruandeses estão otimistas com a realização do trabalho pelos robôs. Charles Ndushabandi é um morador de Kigali.

"Penso que é uma decisão muito boa, porque estes profissionais de saúde, uma vez que pegam a Covid-19, podem facilmente transmití-la à população. Mas agora que são os robôs a fazer o trabalho, a população também está mais segura", avalia.

O Ruanda foi o primeiro país da África Oriental a registar casos de infeção pelo coronavírus. Desde então, tomou medidas rigorosas para travar a propagação do vírus. Charles diz que devem ser utilizados todos os meios necessários para que o país se veja livre da Covid-19.

"Neste caso é como na guerra, tens que usar todas as ferramentas à sua disposição. Assim, o Governo fê-lo no interesse de salvaguardar a população e também no combate à doença muito rapidamente, para que as pessoas possam voltar ao seu trabalho", considera.

Embora a economia do Ruanda tenha sido atingida pela pandemia do coronavírus, os números do Ministério da Saúde mostram que o país ainda não registou quaisquer mortes devido à Covid-19.

Assistir ao vídeo 04:01

Esta é a minha cidade: Kigali

Leia mais