Corrupção aumenta preço dos combustíveis em Moçambique | Moçambique | DW | 13.02.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Corrupção aumenta preço dos combustíveis em Moçambique

Metade do que os moçambicanos pagam por combustíveis destina-se a despesas de distribuição, taxas e impostos, revela o CIP. ONG fala em crime organizado e revela ilícitos nos quais estiveram envolvidas elites políticas.

default

Campanha anti-corrupção da Eletricidade de Moçambique

Num relatório intitulado "Corrupção e más práticas nos setores dos combustíveis e de energia eléctrica - Seus efeitos para o orçamento das famílias moçambicanas", publicado esta terça-feira (12.02), o Centro de Integridade Pública (CIP) denuncia corrupção e más práticas nos setores dos combustíveis e energia.

A ONG, que trabalha em prol da transparência em Moçambique, revela, por exemplo, que apenas cerca de metade do preço que o consumidor paga pelo gasóleo, gasolina e gás de cozinha nos postos de venda ao público é referente ao custo real do produto.

A DW África entrevistou a pesquisadora da ONG Inocência Mapisse, que fala na existência de uma rede criminosa bem organizada, que terá certos "privilégios" informativos e que "opera num sistema de fraca monitoria e fiscalização".

Inocência Mapisse Investigadora CIP

Inocência Mapisse, investigadora do CIP

DW África: Segundo o relatório do CIP, metade do que o consumidor paga pelos combustíveis é para despesas como compensação aos distribuidores, despesas de distribuição, taxas e impostos. Essas despesas foram propositadamente criadas para alimentar um sistema corrupto ou não restava alternativa ao setor se não pagar tudo isso?

Inocência Mapisse (IM): Alternativas existem sempre. O que aconteceu aqui é que foi criado um sistema tal de venda, importação, distribuição de combustíveis líquidos que acabou culminando com esta situação, em que o consumidor final acaba arcando com grande parte das despesas. Isso significa que o consumidor final acaba financiando a arquitetura que foi desenhada para importação de combustíveis. Alternativas diferentes destas com certeza existem e podiam ter sido estudadas para que, no final das contas, o consumidor final saísse beneficiado.

DW África: O relatório diz que uma parte do combustível em trânsito em Moçambique permanece ilegalmente no território, lesando o Estado. Presume-se que, para isso, seja necessário um sistema ilícito bem montado. O CIP sabe como ele opera e quem seriam os cabeças?

IM: Trata-se mesmo de crime organizado e que opera num sistema de fraca monitoria e fiscalização. Se houvesse uma monitoria mais detalhada em relação aos combustíveis que devem ser enviados para países vizinhos, que têm como destino esses países, esta situação seria minimizada. Trata-se de gente que talvez tenha privilégios em termos de informação e que acaba usando estes privilégios para realizar estas atividades não legais.

Ouvir o áudio 08:54
Ao vivo agora
08:54 min

Corrupção aumenta preço dos combustíveis em Moçambique

DW África: No relatório, o CIP diz que a Petromoc faliu por causa de corrupção. Em que medida a falência técnica desta empresa é lesiva para o consumidor?

IM: Sendo a Petromoc uma das distribuidoras e importadoras também de combustíveis dentro do país, a sua situação financeira tem um grande impacto nos custos de importação dos combustíveis. Há um tempo atrás, as gasolineiras necessitavam de garantias bancárias para entregar à importadora, que é a Imopetro, para terem o financiamento necessário para a importação de combustíveis. Mas na verdade o que acabava acontecendo é que, pelo facto de a Petromoc se encontrar em falência técnica, as garantias bancárias acabavam demorando. E já foi citado mesmo pela própria Imopetro que isto acabou custando muito à Imopetro no processo de importação.

DW África: Segundo o documento, no setor da energia, a "engenharia da corrupção" parece ser mais sofisticada. A Eletricidade de Moçambique (EDM) compra energia a produtores independentes de energia elétrica a preços três a quatro vezes mais altos que a Hidroelétrica de Cahora Bassa (HCB), que por sua vez exporta mais do que deixa para o país. Isso é baseado nalgum regulamento ou modelo de mercado implementado em Moçambique?

IM: A EDM compra energia a estes produtores independentes sem sequer poder negociar. Portanto, não existe nenhum modelo que garanta que o preço vendido pelos produtores independentes é o preço que deve ser. E pelas constatações que nós fizemos, é um preço três a quatro vezes acima do preço vendido pela Hidroelétrica de Cahora Bassa, que é tida como nossa e que produz o suficiente para alimentar o mercado nacional. Não existe nenhuma arquitetura que seja fiável, que diga que estes preços na verdade fazem algum sentido, para que a EDMA incorra nestes custos de 21 mil milhões em compra de energia e que, na verdade, poderiam ter sido poupados caso a EDM comprasse a energia à Hidroelétrica de Cahora Bassa.

Leia mais

Links externos

Áudios e vídeos relacionados