Chuva castiga Nampula e Cabo Delgado | Moçambique | DW | 28.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Chuva castiga Nampula e Cabo Delgado

Em Nampula, casas foram destruídas, zonas de risco evacuadas e duas pessoas são dadas como desaparecidas. A forte precipitação deste final de semana provocou alagamentos em Pemba e principal estrada está cortada.

Mosambik - Überschwemmung in Pemba (Getty Images/AFP/Stringer)

Cidadãos atravessam área alagada, em Pemba

Duas pessoas são dadas como desaparecidas, desde a noite de sábado (27.04), no distrito de Memba, na província moçambicana de Nampula, na sequência das chuvas que estão a fustigar a região depois da passagem do ciclone tropical Kenneth, segundo relataram alguns cidadãos.

Ainda naquele distrito costeiro, centenas de casas foram total ou parcialmente destruídas. A ponte sobre rio Muetaze, no Posto Administrativo de Mazua, desabou.

O delegado provincial do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) em Nampula, Alberto Armando, não confirmou o desaparecimento das pessoas, mas adiantou que as chuvas causaram destruição de muitas casas e que "há uma equipa no terreno que está a fazer o levantamento dos danos".

Mosambik - Nationale Institut für Katastrophenmanagement (DW/S. Lutxeque)

Prédio do INGC em Nampula

Armando, que faltava ao telefone com o correspondente da DW África em Nampula, Sitói Lutxeque, disse que uma embarcação está a evacuar as pessoas nas zonas de riscos para locais considerados seguros.

Além de Memba, o distrito de Eráti está, igualmente, a ser severamente fustigado pelas chuvas.

Segundo o delegado do INGC, foram evacuadas, na manhã deste domingo ,um total de 45 famílias para uma escola local, que está a servir para reassentamento das famílias. 

As pessoas acomodadas, refira-se, residiam nas proximidades do rio Namapa que está a transbordar, e as suas residências foram, também, destruídas.

As autoridades ainda não avançaram dados gerais da situação na província de Nampula. Recorde-se que a província esteve calma desde a passagem do ciclone Idai, mas agora a situação mudou drasticamente: chove fortemente em quase toda a província, inclusive na capital Nampula. Não há eletricidade, mas às autoridades emitiram um comunicado afirmando que a corrente elétrica seria restabelecida ainda este domingo.

Mosambik, Moroni: Tropensturm Kenneth (Getty Images/AFP/Stringer)

Chuvas castigaram várias regiões no norte de Moçambique

Alagamentos em Pemba

Alguns bairros de Pemba, capital provincial de Cabo Delgado, Norte de Moçambique, estão inundados devido à chuva forte que cai desde a madrugada, três dias depois do ciclone Kenneth atingir a região.

Nalguns bairros "há água até à cintura", disse uma fonte das equipas de socorro das Nações Unidas que a par do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) dirigiram-se para alguns dos bairros mais precários da cidade, tais como Paquite, Ingonane e Hinos.

É necessário "prestar auxílio" a residentes em perigo, disse um dos elementos à Lusa.

Algumas das principais artérias da cidade estão submersas sendo quase impossível circular nalguns locais.

Assistir ao vídeo 01:38

Kenneth provoca alagamentos em Pemba

Estrada cortada

A principal estrada de ligação de Pemba ao resto de Moçambique está cortada depois de as cheias na região, após o ciclone Kenneth, terem criado uma corrente que cobre quase um quilómetro da via.

A chuva forte da madrugada e manhã deste domingo (28.04) na região da capital provincial de Cabo Delgado, norte do país, encheu rapidamente uma zona baixa de três hectares de pastagens ao lado da Estrada Nacional 1 (EN1), a cerca de 15 quilómetros da cidade.

O lago que ali se criou transbordou por cima da via para um campo mais baixo que se situa do outro lado do asfalto. O pavimento da estrada permanece intacto, apesar de sinais de erosão do talude que o sustenta. A corrente que cobriu a estrada formou-se pela manhã e tem estado a abrandar durante a tarde.

Do lado a leste, à saída de Pemba, a polícia impede que, por prevenção, os carros se aproximem da zona coberta pela água, mas do lado oeste os veículos que querem entrar na capital provincial tentam a sua sorte.

"Já tinha visto isso assim antes, em 2002", recorda Armando Amade, que se desloca para Pemba porque um filho tem a casa inundada, no bairro de Natite.

A cidade também foi palco de cheias repentinas nas zonas ciclicamente mais afetadas após a chuva da manhã de hoje.

As previsões apontam para um abrandamento da precipitação em Pemba e fonte ligada às autoridades disse à Lusa que se espera que a corrente que está a submergir a EN1 desapareça nas próximas horas, assim que os níveis pluviométricos foram reestabelecidos.

O ciclone Kenneth dissipou-se no sábado, mas semeou chuva com intensidade em diversas zonas das províncias de Cabo Delgado e Nampula que ainda deverão prolongar-se pelos próximos dias e com alertas para as bacias de vários rios da região.

Mosambik Zyklon Kenneth Verwüstungen (picture-alliance/AP Photo/S. Abreu)

Ciclone Kenneth deixou rastro de destruição na ilha do Ibo

Ilha do Ibo bastante afetada

A fortaleza de São João Baptista, na ilha do Ibo, Norte de Moçambique, construída por Portugal no século XVIII, foi transformada num dos locais de acolhimento de desalojados pelo ciclone Kenneth.

"Para cima de 4.000 casas foram abaixo na ilha" afetando 3.000 famílias, anunciou Issa Tarmamade, administrador do Ibo, no sábado (27.04), durante uma vista da diretora do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) de Moçambique, Augusta Maíta.

Aquela responsável passou pela fortaleza, um dos pontos de abrigo para muitas famílias, que viveram um momento de "aflição", retratou Issa Tarmamade, num vídeo sobre a visita divulgado pelo INGC nas redes sociais.

A ilha foi uma das zonas mais atingidas pelo ciclone e onde ainda é difícil chegar, devido às condições do mar, mas também por dificuldade de acesso, por terra, aos cais de partida dos barcos, no continente.

No Ibo, não há eletricidade e as redes móveis de comunicações não funcionam. 

As fotografias divulgadas pelo INGC mostram casas parcialmente destruídas, tanto as mais precárias como as de alvenaria, muitos muros tombados e ruas cobertas de árvores caídas.

Assistir ao vídeo 02:04

Ciclone Kenneth: Estragos no norte de Moçambique

Números mais recentes

O Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) estima em 168.219 o número de pessoas afetadas pelo ciclone Kenneth, na província moçambicana de Cabo Delgado, segundo os últimos dados hoje disponibilizados, que mantêm cinco vítimas mortais.

 As famílias afetadas são 35.290, segundo o ponto de situação que usa dados preliminares de sábado.

 Quanto a danos, o INCG atualiza as casas totalmente destruídas para 3.895 e as parcialmente destruídas para 31.305.

 Sofreram ainda danos 75 salas de aula, afetando 3.909 alunos, cinco unidades sanitárias, duas pontes e 22 postes de média tensão e 34 postes de baixa tensão.

 Sobre a assistência humanitária, a INGC diz que há 4.284 pessoas vulneráveis nos centros de acomodação.

 Quanto aos meios alocados, há 230 especialistas humanitários, três helicópteros, 10 barcos, 15 camiões, uma avioneta, 15 telefones satélite e três drones.

O ciclone Kenneth provocou cinco mortos, segundo número oficiais e numa altura em que ainda decorrem levantamentos em zonas mais remotas.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados