Centro Nadeem para Vítimas de Tortura no Egipto premiado pela AI | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 16.04.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Centro Nadeem para Vítimas de Tortura no Egipto premiado pela AI

Centro Nadeem para Reabilitação das Vítimas de Tortura recebeu neste segunda-feira (16.04.) em Berlim o prémio dos direitos humanos da Amnistia Internacional. Fundadora Aida Seif al-Dawla falou sobre trabalho do Centro.

Logo da Amnistia Internacional

Logo da Amnistia Internacional

Há 25 anos a ativista egípcia dos direitos humanos Aida Seif al-Dawla juntamente com duas mulheres do Cairo fundaram o Centro Nadeem. Desde então o encontro com as vítimas de tortura tem estado no centro das suas vidas.

"Nunca antes a tortura e violência foram tão brutais no Egito como desde 2013. O que vimos desde então ultrapassa a imaginação. É violência pela violência e brutalidade por causa da brutalidade", denuncia Aida Seif al-Dawla. 

Tortura e abusos aconteceram sempre, tanto sob o regime do ex-Presidente Hosni Mubarak como no de Muhammed Mursi, presidentes islamistas e da Irmandade Muçulmana. Em 2013 o Presidente Abdel-Fattah al-Sisi e o exército tomaram o poder. Governam o país com mão de ferro - até nas esquadras e cadeias.

Aida Seif al-Dawla revela que "as agressões começam com socos e pontapés. Isso é tão comum que já ninguém fala sobre isso. E depois seguem-se os choques elétricos, dão choques aos prisioneiros na língua, dedos dos pés e órgãos genitais. E outros são estuprados."

As represálias das forças de defesa e segurança são contra supostos terroristas ou membros da Irmandade Muçulmana, mas afetam também críticos do regime, ativistas e dissidentes.

Ägypten | Aida Seif el-Dawla, Suzan Fayyad, Magda Adly

Ativista Aida Seif el-Dawla (esq.)

A procura de um ouvido estranho

A defensora dos direitos humanos conta ainda que "os presos políticos são vendados por vários dias até não saberem se é dia ou noite. Não podem falar com outros presos, não podem usar os seus nomes, perderam os nomes e agora são identificados através de números. Essa perda de identidade muitas vezes causa traumas de longa duração."

Desde 1993 que os médicos do Centro Nadeem para a reabilitação das vítimas de tortura cuidam das vítimas, incluindo atendimento de psicoterapia. Aida Seif al-Dawla: "Quem nos procura quer, acima de tudo, contar toda a sua história a um estranho. Ele pode contar tudo sem se envergonhar, num lugar longe da família onde pode soltar a sua raiva e ansiedade."

Ninguém sabe se foram centenas ou milhares as pessoas torturadas nos últimos anos. Os defensores dos direitos humanos publicaram números que representam apenas casos documentados ou estimativas.

Governo prefere o termo "uso excessivo de força"

Ouvir o áudio 03:36

Centro Nadeem para Vítimas de Tortura no Egipto premiado pela AI

O regime reage às alegações de tortura dizendo que "estes casos são isolados" como esclareceu o jovem Omar Marwan, ministro dos assuntos Parlamentares. Nos últimos quatro anos houve denúncias de torturas e maus tratos contra 72 polícias. 31 deles foram levados à justiça. "A violência não faz parte da política", disse o ministro, no Egito a tortura não é usada de forma sistemática.

Mas Aida Seif al-Dawla contesta: "Quando oiço os mesmos relatos das vítimas que não se conhecem, de diferentes partes do país, então sei que não se tratam de casos isolados."

Um problema é também a definição. Oficialmente o Estado considera a tortura como a única forma de obter declarações/confissões. Todos os outros maus tratos, mesmo que a vítima morra, não são classificados como tortura, mas sim "uso excessivo da força".

Leia mais