Centenas de milhares em fuga na RDCongo | NOTÍCIAS | DW | 21.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Centenas de milhares em fuga na RDCongo

Confrontos entre os grupos étnicos Hema e Lendu na província congolesa de Ituri atravessam nova fase de violência. A população sente-se cada vez mais abandonada pelas autoridades neste conflito de 20 anos.

Testemunhas oculares relatam a ocorrência de tiroteios, raptos, violações e mutilações na província de Ituri, no nordeste da República Democrática do Congo (RDC). Centenas de milhares de pessoas fugiram dos combates entre os grupos étnicos rivais Hema e Lendu. Pelo menos 240 pessoas já morreram nesta nova onda de violência.

Tal como muitos outros, Esther Nzale teve que fugir da sua aldeia de Kpatsi: "Os Lendu chegaram na segunda-feira ao meio-dia", disse Nzale à agência de notícias Reuters. "Estávamos no campo quando nos avisaram. Corremos para as nossas casas que tinham sido incendiadas." Os aldeões viram pessoas queimadas vivas ou mortas com catanas. O marido de Nzale foi morto no ataque. Ela diz que não sabe o que aconteceu com os corpos das vítimas, se foram enterrados ou não.

Grupos de autodefesa e assassinatos por vingança

Segundo Babar Baloch, porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), 300 mil pessoas fugiram dos conflitos no nordeste da RDC desde o início do mês. Na semana passada, a situação na província de Ituri agravou-se. "A população está a fugir dos ataques e contra-ataques na região de Djugu", disse Baloch. De acordo com relatos, ambas as comunidades formaram grupos de autodefesa e cometeram assassinatos por vingança.

Demokratische Republik Kong | Hema-Angehörige Esther Nzale berichtet Reuters TV von ihrer Flucht aus ihrem Heimatdorf Kpatsi

Esther Nzale perdeu o marido no conflito

Os conflitos entre Hemas e Lendus remontam ao final dos anos 90. O novo surto de violência foi desencadeado pelo assassinato de um comerciante Lendu na semana passada. Seguiram-se represálias, diz Dieudonné Paluku, que vive na capital da província de Buna. Paluki coordena as atividades grupos da sociedade civil na província de Ituri. A fazenda dos seus pais na cidade de Kilo foi atacada. Os agressores procuravam a mãe, que é Hema. "Quando não encontraram ninguém, só pilharam a nossa propriedade", conta Paluku, que explica que o conflito tem várias causas. Há desacordos sobre a propriedade de terras que remontam à época colonial. "Algumas fronteiras entre as duas comunidades não foram bem traçadas", diz Paluku. Por último, há o aspeto socioeconómico do conflito.

Mulheres pela paz

Para Jacqueline Dz'Ju Malosi, o conflito atual é resultado do fracasso de resolver os contenciosos no passado. Malosi trabalha para "Pamoja Inawezenaka", um projeto que reúne várias organizações de mulheres empenhadas em restaurar a paz. "Mobilizamos as comunidades para que possam defender-se e apoiamo-las na criação de estruturas que lhes permitam cuidar de si mesmas". Mas a ativista questiona o papel das autoridades, que, diz, não fazem o suficiente.

Ouvir o áudio 03:36

Centenas de milhares em fuga na RDCongo

Jean Bamanisa Saidi, governador da província de Ituri, diz que uma das chaves para resolver o conflito é o desenvolvimento económico da região. Além disso, o Governo de Kinshasa tem de se envolver mais. "Uma maior presença do Exército poderia garantir a proteção da população", disse Saidi à DW. O governador está agora a apelar ao Governo para dar mais apoio nas áreas da educação, emprego e construção de estradas. Além disso, é necessário que haja uma maior presença da autoridade estatal nas áreas em conflito de Djugu e Irumu, diz Saidi.

Governo ausente

Ntumba Lwaba, professor na Universidade de Kinshasa e antigo ministro dos Direitos Humanos do Congo, confirma que este é, de facto, um dos problemas fundamentais da região. "Nunca lá conseguimos estabelecer plenamente a autoridade do Estado. Ou seja, o Exército, a polícia, a administração". Um dos motivos é o interesse na situação de alguns poucos que enriquecem graças aos recursos naturais da província. Segundo Lwaba: "A autoridade pública deve ser promovida em todo o território da província de Ituri. As fronteiras devem ser mais bem guardadas".

Mas primeiro tem de haver paz na região. A missão de paz da ONU na região, MONUSCO, anunciou recentemente o reforço da presença nas áreas em conflito. Segundo Florence Marchal, porta-voz da missão, foram enviados para a região três batalhões - dois para Djugu e um para Mahagi. "Estamos a criar sistemas de alerta nas comunidades para proteger a população civil. Quando constatamos uma crise iminente, analisamos a situação e podemos então enviar tropas para essas áreas difíceis para apoiar a população", disse Marchal à DW.

Demokratische Republik Kongo | Ebola

A crise de refugiados ameaça agravar o surto de ébola

Ébola agrava a situação

Mas a confiança da população na MONUSCO não é muito grande. E o ACNUR reconhece a sua incapacidade de abastecer a população de forma adequada. Sobretudo faltam abrigos e alimentos. Muitos refugiados tentam chegar a Bunia, a capital da província de Ituri. Outros optam por fugir para o Uganda através do Lago Alberto. Mas a sua fuga é por vezes impedida por gangues de jovens das etnias Hema e Lendu.

O último grande conflito entre milícias Lendu e Hema ocorreu de 1999 a 2003 e custou a vida a cerca de 50.000 pessoas.

O surto atual da doença viral altamente contagiosa do ébola na província agrava ainda mais a situação. A Organização Mundial da Saúde (OMS) avisa que a presença de numerosas pessoas em campos de refugiados estreitos impossibilitará as autoridades de precaver contágios. A epidemia que começou há cerca de um ano na RDC infetou mais de 2.200 pessoas e matou já 1.450. Segundo a OMS em Genebra, cerca de dez por cento dos casos foram registados na província de Ituri.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados