Cabo Verde pede maior presença da Greenpeace no país para controlo de águas | Cabo Verde | DW | 27.02.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cabo Verde

Cabo Verde pede maior presença da Greenpeace no país para controlo de águas

O ministro da Agricultura e Ambiente de Cabo Verde entende que a organização não-governamental pode ajudar a reforçar a monitorização das águas e a exploração dos recursos de pesca do arquipélago.

O ministro da Agricultura e Ambiente de Cabo Verde, Gilberto Silva, pediu, esta segunda-feira (27.02) uma maior presença da organização não-governamental (ONG) Greenpeace no país no sentido de ajudar a reforçar a monitorização das águas e a exploração dos recursos de pesca do arquipélago.

"Cabo Verde tem uma Zona Económica Exclusiva (ZEE) que é cerca de 180 vezes mais extensa do que a parte terrestre, o que significa que precisamos de ter uma atitude responsável e monitorizar as nossas águas", afirmou o governante, que falava a bordo do navio Esperanza da organização ambientalista Greenpeace, que está em Cabo Verde, pela primeira vez, no âmbito de uma campanha para promover a pesca sustentável na costa Ocidental Africana.

Para Gilberto Silva, "a atuação da Greenpeace e de outras organizações, em parceria com entidades públicas, seria uma boa coisa para o controlo das nossas águas e para exploração dos recursos".

O barco da Greenpeace está atracado no porto da cidade da Praia desde a semana passada, tendo recebido esta segunda-feira entidades governamentais, organizações ligadas à pesca e à gestão dos portos cabo-verdianos, pescadores, peixeiras e estudantes. O objetivo é sensibilizar para as questões ambientais, como as más práticas pesqueiras, pesca ilegal e impacto das mudanças climáticas. 

Schiffslärm stört Buckelwale bei der Nahrungssuche (picture-alliance/dpa/Greenpeace)

Navio Esperanza numa missão perto da Antártica, em 2008

Salientando a importância desta "boa iniciativa", o ministro cabo-verdiano lembrou que a Greenpeace é uma organização que "tem feito muitas lutas em prol do ambiente no planeta e tem contribuído de forma substancial para a elevação da consciência ambiental no mundo".

"Para nós, é um motivo de regozijo estarem aqui com um projeto desta natureza", enfatizou o governante, que pediu ainda à Greenpeace que coopere mais com as organizações não-governamentais do país e reforce a educação ambiental das pessoas. "Com a globalização, os problemas são globais e as soluções devem ser globais, daí a importância da cooperação entre os países e organizações, no sentido de salvaguardar aquilo que temos de maior valor, que é mar", afirmou. 

Greenpeace incentiva a solução conjunta

O gestor da campanha "Oceanos" da Greenpeace África, Ibrahima Cisse, alerta para a dimensão da sobrepesca e da pesca ilegal na zona da África Ocidental e defende uma abordagem regional que envolva seis países da região – Cabo Verde, Mauritânia, Guiné Bissau, Guine Conacri, Serra Leoa e Senegal – , locais por onde o barco irá passar durante as 11 semanas previstas para esta missão.

"Estamos aqui para reforçar uma abordagem regional e para ajudar os países a trabalharem em conjunto, porque alguns têm zonas económicas exclusivas enormes e não têm capacidade para as vigiar. Se pusermos estes países a trabalharem juntos, podemos melhorar a gestão das pescas, tendo em mente que a forma como se pesca, as mudanças climáticas e a poluição terão um impacto direto nas populações", explicou o responsável, acrescentando que  "a pesca em excesso e a pesca ilegal nas águas oeste africanas constitui uma ameaça à segurança alimentar, às reservas de peixe e à saúde dos oceanos".

O navio Esperanza, o maior de três da Greenpeace, visitará quarta-feira (01.03) a Mauritânia. Segue depois para a Guiné-Bissau, Guine Conacri, Serra Leoa e Senegal.

Leia mais