Caíto Teixeira é o novo presidente da Federação de Futebol da Guiné-Bissau | Guiné-Bissau | DW | 30.09.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Caíto Teixeira é o novo presidente da Federação de Futebol da Guiné-Bissau

Caíto Teixeira foi eleito presidente da Federação de Futebol da Guiné-Bissau em congresso extraordinário, depois da polémica à volta do processo. Promete muito trabalho e colaboração com as instituições parceiras. 

G

Ex-internacional fez parte da geração de futebolistas guineenses dos anos 90

A escolha do novo presidente da Federação de Futebol foi assegurada por 36 dos 48 clubes e associações desportivas guineenses. Concorreram para a presidência do órgão quatro candidatos, depois da desistência de dois outros. 

Carlos Alberto Mendes Teixeira, mais conhecido como Caíto Teixeira, superou, de longe, o adversário mais próximo, Fernando Tavares (Bené), com uma diferença de 12 votos (36 contra 12).

O ex-jogador de 48 anos vai substituir Manuel de Nascimento Lopes (Manelinho), impedido de renovar o mandato na presidência da federação depois de ser suspenso pela Federação Internacional de Futebol (FIFA) por um período de dez anos "devido a conduta imprópria".

Em curtas declarações aos jornalistas, o agora eleito presidente da Federação de Futebol da Guiné-Bissau promete trabalhar arduamente: "Clubes e associados, contem comigo. Quando falo de mim, falo da minha direção, vamos estar 24 horas a trabalhar para vós."

Orientação da FIFA revela "desconfiança"

O ato de votação e a escolha do presidente do órgão que rege o futebol guineense foram acompanhados por vídeo pela FIFA. Para o jornalista desportivo Olívio Mendonça, isso é sinal de desconfiança e é a tarefa do novo líder da Federação mudar a imagem da instituição junto dos parceiros.

Assistir ao vídeo 06:04

Catió Baldé quer educação de base para jogadores guineenses na Europa

"A orientação da FIFA para a colocação de um televisor plasma na sala onde decorreu este congresso simboliza alguma desconfiança", afirma o jornalista. "Essa desconfiança tem de ser tratada e trabalhada, para que a FIFA, tal como a CAF [Confederação Africana de Futebol], passem, efetivamente, a ver a Federação de Futebol da Guiné-Bissau com bons olhos, como se diz na gíria futebolística. Por isso, [o novo presidente] tem de trabalhar seriamente", recomenda Olívio Mendonça.

Irmã Turé, editor de desporto da Rádio Nacional da Guiné-Bissau, não espera tarefa fácil para Caíto Teixeira. "Nós temos de começar a pensar no futebol doméstico, criar os jogadores locais para competir localmente e depois começar a dar passos gigantescos", defende.

Mas o que está a ser feito é precisamente o contrário, critica o editor. "Criar jovens de 12 e 13 anos, levá-los para a Europa, ter outra cultura e voltar a jogar para a seleção nacional. Isso também não vai ajudar e penso que Caíto tem tarefas dificílimas para resolver."

O ex-futebolista Caíto Teixeira foi presidente do Clube Estrela Negra de Bissau. O antigo internacional guineense fez parte da geração de futebolistas guineenses dos anos 90.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados