Brexit: Theresa May enfrenta moção de censura | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 16.01.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Brexit: Theresa May enfrenta moção de censura

Primeira-ministra britânica Theresa May sofreu duro golpe com "não" do Parlamento a acordo de saída da União Europeia. Esta quarta-feira, enfrenta um novo obstáculo.

432 deputados votaram, na terça-feira (15.01), contra o acordo do Brexit. No final da votação, a primeira-ministra britânica Theresa May reconheceu a derrota, que foi alavancada em parte pelo seu partido, uma vez que 118 dos votos contra foram de deputados conservadores.

"O Governo ouviu o que os deputados nos disseram hoje, no entanto, peço a todas as alas da assembleia para que escutem o povo britânico, que deseja que esta questão seja resolvida, e que trabalhem com o Governo para o fazer", afirmou May.

Esta foi a maior derrota de sempre de um Governo no Parlamento do Reino Unido.

Großbritannien London - Jeremy Corbyn zu Parlamentsabstimmung

Jeremy Corbyn: "Os resultados desta votação são uma derrota catastrófica"

Afastamento de May?

Nas primeiras horas desta quarta-feira, a primeira-ministra britânica deverá reunir-se com os seus ministros, um encontro no qual poderá ser aconselhada a renunciar devido à expressão da derrota na Câmara dos Comuns.

No entanto, se May se mantiver à frente do Governo britânico, terá de enfrentar, ainda esta quarta-feira, uma moção de censura que o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, apresentou poucos minutos após o anúncio dos resultados da votação sobre o acordo do Brexit.

"Os resultados desta votação são uma derrota catastrófica para este Governo", salientou Corbyn. "Fico satisfeito por a moção de censura que apresentei ser debatida amanhã [quarta-feira]. Assim, a Câmara [dos Comuns] poderá dar o seu veredito sobre a incompetência deste Governo, votando a seu favor."

Großbritannien London - Anti-Brexit Proteste

Manifestantes contra e a favor da saída do Reino Unido da União Europeia protestaram em frente ao Parlamento britânico

Para ser bem-sucedida, a moção de censura precisa de pelo menos 320 votos a favor. No entanto, a oposição conta apenas com 308 dos 650 lugares que compõem a Câmara dos Comuns. Jeremy Corbyn precisaria, por exemplo, dos votos do Partido Democrata Unionista da Irlanda do Norte. Mas este partido, que é aliado do partido Conservador, já garantiu que, apesar de estar descontente com o acordo para o Brexit, não votará a favor da saída de Theresa May.

Plano B

Caso a moção de censura não passe, a primeira-ministra tem três dias para apresentar um plano alternativo. O mais provável, dizem os analistas, é que depois de reunir com outros partidos, Theresa May volte a Bruxelas em busca de mais garantias.

Ouvir o áudio 03:38
Ao vivo agora
03:38 min

Brexit: Theresa May enfrenta moção de censura

O coordenador do Parlamento Europeu para o Brexit, Guy Verhofstadt, disse que "este resultado é a consequência do sistema político britânico, da luta entre a esquerda e a direita, entre o Partido Trabalhista e o Partido Conservador."

"Não queremos que esta disputa seja transferida para a política europeia", frisou. "Por isso, vamos tentar encontrar uma solução antes das eleições europeias", marcadas para maio deste ano.

Consequências para a União Europeia

A rejeição do acordo no Parlamento britânico deixa o processo com um futuro incerto, o que não agrada à maioria dos líderes da União Europeia.

Através da rede social Twitter, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, postou um comunicado onde escreve, por exemplo, que o "risco de uma saída desordenada do Reino Unido aumentou com a votação desta terça-feira". Juncker apela ainda ao Reino Unido para "clarificar tão cedo quanto possível as suas intenções."

O Presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou que "a pressão está agora do lado" de Londres, enquanto o ministro das Finanças alemão, o social-democrata Olaf Scholz, classificou esta terça-feira como "um dia amargo para a Europa".

Está previsto que o Reino Unido deixasse a União Europeia a 29 de março deste ano. No entanto, o calendário começa a ficar apertado.

O analista político Anand Menon alerta que é hora de tomar decisões. "Acho que esta derrota expressiva significa que a UE vai pensar seriamente sobre se vale a pena oferecer mais garantias, dado o número de parlamentares que a primeira-ministra tem de convencer", comenta.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados