Beira em alerta com aproximação de tempestade tropical Chalane | Moçambique | DW | 29.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Beira em alerta com aproximação de tempestade tropical Chalane

As zonas centro e sul poderão ser assoladas pela tempestade tropical Chalane, que está a caminho da costa moçambicana. Instituto de Meteorologia alerta que porta de entrada deverá ser a cidade da Beira, na quarta-feira.

Mais uma vez a província central de Sofala poderá ser assolada por um ciclone. O fenómeno deverá afetar as regiões centro e sul de Moçambique. Segundo as previsões meteorológicas, a tempestade topical Chalane poderá escalar a costa moçambicana esta quarta-feira (30.12).

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (INAM), o vendaval deixou Madagáscar na tarde desta segunda-feira (28.12) e está já em direção ao Canal de Moçambique. 

As sequelas do ciclone Idai, que assolou a cidade em 2019, ainda prevalecem nas memórias dos beirenses. E uma das preocupações é que muitos ainda não conseguiram reabilitar as suas residências. Ainda assim, afirmam que estão minimamente preparados para enfrentar o Chalane.

Idai deixou memórias amargas

Mas também há quem não esconda o medo. "Eu não sei o que vai acontecer na minha casa, porque a minha própria casa ainda não está em condições e estou a tentar batalhar para a recompor", conta Carlitos Armando, residente da Beira.

Assistir ao vídeo 02:21

Moçambique: O destino da vila de Búzi pós-Idai

Outro que está receoso é Benjamim Joaquim, que diz não estar preparado para enfrentar mais uma catástrofe depois dos danos causados pelo Idai. "Até hoje não está a ser fácil conseguir recuperar aquilo que já perdemos. Não sei como vamos nos virar mesmo porque a situação não está bem, não está nada bem", lamenta.

A diretora geral do Instituto de Gestão de Calamidades (INGC), Luísa Meque, está na Beira desde segunda-feira (28.12) para liderar uma vasta equipa de comités locais de gestão de riscos e desastres naturais. "Aqui na cidade da Beira quando se fala de ciclone não é novidade. Já sabem quais são os danos que podem ser causados pelo ciclone", lembra.

"Não estamos a dizer que a cidade da Beira tem de estar indiferente com todos os preparativos que estamos a fazer para não sermos apanhados de surpresa. Quando a informação chegar, retirem-se por favor para zonas seguras", apela ainda Luísa Meque.

A 14 de março de 2019, o ciclone tropical Idai matou mais de 600 pessoas na província de Sofala e devastou diversas infraestruturas públicas e privadas.

Leia mais