Angola: Quem foi José Patrocínio, o ″grande combatente pelos direitos humanos″? | Angola | DW | 01.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: Quem foi José Patrocínio, o "grande combatente pelos direitos humanos"?

Sociedade angolana e ativistas cívicos definem o ativista José Patrocínio como um "grande combatente pelos direitos humanos" e dizem que "deixa um legado pela tolerância". Morreu por doença, este sábado (01.06).

José Patrocínio nasceu a 26 de dezembro de 1962, no Lobito, província de Benguela. Morreu este sábado, vítima de doença, aos 57 anos e deixa um filho.

Nas redes sociais, pessoas próximas ao ativista dos direitos humanos e fundador da organização não governamental OMUNGA e indivíduos de vários estratos sociais continuam a lamentar a sua morte.

É o caso de Alexandra Simeão, presidente da ONG Handeka, uma associação cívica que tem lutado para dirimir os principais constrangimentos que inibem o pleno exercício da cidadania no país, como, por exemplo, o acesso ao ensino primário. Alexandra falou à DW África, este sábado.

"Foi com bastante tristeza que tomei conhecimento da partida de José Patrocínio, um querido amigo, um grande combatente pelos direitos humanos, um homem que sempre esteve ao lado dos que tinham menos, das minorias, dos pobres. Daquele povo que ainda não tem país e que sofre injustiça todos os dias", declarou.

"Nunca olhou para os constrangimentos nem para as dificuldades, ele era sempre o primeiro, estava sempre na linha da frente. Onde houvesse desgraça, onde houvesse insuficiência, onde houvesse alguma coisa que tinha que ser resolvida, uma injustiça que tinha que ser sanada, José patrocínio estava lá," acrescentou.

Jose Patrocinio- Omunga

José Patrocínio (de braços abertos) diante da sede da Justiça em Benguela (2012)

Uma vida pelos direitos humanos

Apesar de ser um engenheiro agrónomo, Patrocínio dedicou a sua vida aos direitos humanos. A sua última batalha foi o impedimento de construção de uma fábrica de fertilizantes no bairro da Graça, no Lobito, sua terra natal.

Sob o lema "Não à Desgraça na Graça", o ativista levou a cabo uma petição na internet muito aderida por diferentes personalidades. No dia 17 deste mês, o líder da OMUNGA liderou uma marcha pelas ruas de Benguela que terminou no local onde está a ser erguida a fábrica, entretanto já embargada pelo Governo central.

Na altura, o ativista lamentava: "A nossa insatisfação é o silêncio do governador, quando as obras, perante uma garantia destas da ministras, as obras continuam até em ritmo acelerado," disparou.

"Zé Tô" ou "Cabeçudo", como era carinhosamente chamado pelos mais próximos, nunca se calou perante as injustiças. Em dezembro de 2010, lançou o filme "Não Partam a Minha Casa", um documentário que denuncia o drama de milhares de angolanos vítimas das demolições e desalojamentos forçados por quase todo o país.

Angola Marsch am Internationalen Tag der Menschenrechte in Benguela

Marcha no Dia Internacional dos Direitos Humanos, organizada pela OMUNGA, em 2017

Solidariedade e respeito à Constituição

O jornalista e ativista angolano José Gama, não tem dúvidas: José Patrocínio deixou um grande legado. "Um legado de defesa dos mais desfavorecidos, mas, sobretudo, um legado de pregação pela tolerância. Foi um ser bastante moderado, procurava sempre abordar os assuntos de associativismo dentro dos marcos da lei", considera.

"Patrocínio apenas fazia aquilo que era permitido por lei, por isso é que era um defensor da ordem constitucional. Ao defender a Constituição, foi várias vezes mal interpretado pelas forças de segurança que o agrediram", recorda.

José Patrocínio foi o fundador da OMUNGA, uma palavra de origem na língua Umbundo que significa "Solidariedade". A associação é de âmbito nacional e foi fundada a 16 de junho de 2005. Com sede no Bairro da Luz, no Lobito, a OMUNGA desenvolve ações de promoção e proteção dos direitos da infância e juventude.

Alexandra Simeão espera que todos dêem continuidade ao trabalho deixado pelo "Zé Tô". "Desejo, sinceramente, que o exemplo dele tenha contagiado não só as pessoas que o seguiam, com quem trabalhava em Benguela para continuar a obra da OMUNGA, mas que se mantenha em nós presente e vivo para podermos, do seu exemplo, enquanto ativista e enquanto defensor da humanidade, conservar essa mensagem de vida e que possamos, ao mesmo tempo, honrá-lo pelas batalhas e pelos todos os combates que travou em nome da pátria," finaliza.

Leia mais