Alemanha alerta cidadãos para possível escassez de gás | NOTÍCIAS | DW | 02.07.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Alemanha alerta cidadãos para possível escassez de gás

Presidente da Agência Federal de Redes da Alemanha pede a proprietários de casas que ajustem caldeiras a gás e radiadores para maximizar eficiência. Alerta vem após Rússia decidir reduzir gás para países europeus.

Deutschland | Pipeline Nord Stream 1

Nord Stream 1.

Segundo o Presidente da Agência Federal de Redes da Alemanha, Klaus Mueller, em declarações aos media alemães, "a manutenção pode reduzir o consumo de gás em 10% a 15%" disse.

O presidente do referido órgão alemão aconselhou os moradores e proprietários a aproveitarem as 12 semanas antes de o frio chegar para se prepararem. 

Ele referiu ainda que as famílias devem começar agora a avaliar "se cada quarto precisa de ser ajustado na sua temperatura normal no inverno ou se alguns quartos podem ser um pouco mais frios".

O apelo do presidente da Agência Federal de Redes surge após a Rússia ter decidido, no início deste mês, reduzir os fluxos de gás para a Alemanha, Itália, Áustria, Chéquia e Eslováquia.

Bundesnetzagentur - Klaus Müller

Klaus Mueller.

"Justificativa russa"

A empresa estatal russa de energia Gazprom justificou a redução do gás natural que flui através do Nord Stream 1, um gasoduto que corre sob o Mar Báltico da Rússia à Alemanha, com um problema técnico, acrescentando que o equipamento que está a ser restaurado no Canadá ficou preso no país por causa das sanções ocidentais sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Os líderes alemães rejeitaram essa explicação e consideraram que as reduções dos fluxos de gás são um movimento político em reação às sanções da União Europeia contra a Rússia devido à invasão à Ucrânia.

O vice-chanceler alemão, Robert Habeck, que também é ministro da Economia e do Clima e responsável pela energia, alertou que um "bloqueio" do gasoduto é possível a partir de 11 de julho, quando os trabalhos regulares de manutenção devem começar, lembrando que, nos verões anteriores, a intervenção envolveu o encerramento do Nord Stream 1 por cerca de 10 dias.

O chefe da agência reguladora de energia da Alemanha disse que a questão é se a próxima manutenção regular do gasoduto Nord Stream 1 se transformará "numa manutenção política mais duradoura".

Se o fluxo de gás da Rússia for "reduzido por um longo período de tempo, teremos que falar mais seriamente sobre economia", avisou Klaus Mueller, assegurando que, em caso de paralisação do fornecimento de gás, as residências particulares serão especialmente protegidas, assim como os hospitais ou asilos.

Infografik Gaspipelines von Russland nach Europa PT

"Faremos tudo o que pudermos"

"Posso prometer que faremos tudo o que pudermos para evitar que residências particulares fiquem sem gás", reforçou o presidente da Agência Federal de Redes.

"Aprendemos com a crise do coronavírus que não devemos fazer promessas se não tivermos a certeza de que podemos mantê-las", acresce

Mueller referiu ainda que a agência reguladora de energia alemã "não vê um cenário em que não haja mais gás a chegar à Alemanha".

A empresa alemã de produtos químicos e de consumo Henkel também informou hoje que está a considerar incentivar os funcionários a trabalharem em casa no inverno como resposta a uma possível escassez de oferta, medida que permitirá "reduzir bastante a temperatura nos escritórios"

No início deste mês, o ministro da Economia, Robert Habeck, ativou a segunda fase do plano de emergência de três etapas da Alemanha para o fornecimento de gás natural, alertando que a maior economia da Europa enfrentava uma "crise" e as metas de armazenamento para o inverno estavam em risco.

Pode surgir de África a solução para a crise do gás na Europa?

Leia mais