Ébola na RDC: Número de mortes ultrapassa mil | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 04.05.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Ébola na RDC: Número de mortes ultrapassa mil

Este surto, que foi declarado no leste do país em agosto, é já considerado o segundo mais letal da história da RDC e as tentativas de o controlar têm sido dificultadas pela desconfiança das comunidades.

O mais recente balanço da Organização Mundial de Saúde (OMS) dá conta que o número de mortes devido ao surto de Ébola na Repúbica Democrática do Congo ultrapasse as mil.

O anúncio foi feito pelo diretor de emergências da OMS, Michael Ryan, numa conferência de imprensa em Genebra, esta sexta-feira (03.04). O surto, que foi declarado no leste do país em agosto, já é considerado o segundo mais letal da história e as tentativas de o controlar têm sido dificultadas devido à situação de segurança "volátil" e desconfiança das comunidades.

Michael Ryan Geschäftsführer WHO

Michael Ryan, OMS

Os centros de tratamento do Ébola têm sido sucessivamente atacados e um epidemiologista camaronês que colaborava com a OMS foi morto no mês passado. Michael Ryan adiantou que, na quinta-feira passada (02.05), uma nova tentativa de ataque, na cidade de Butembo, foi repelida pelas forças de segurança, sem causar feridos.

Maior risco de contágio

De acordo com os dados do Ministério da Saúde da RDC, a maioria das novas mortes (15) ocorreu fora do meio hospitalar, o que aumenta as hipóteses de contágio da infeção.

Um total de 411 pessoas conseguiu superar a doença.

O Governo congolês também publicou os resultados de investigações realizadas nos últimos anos que revelam que dois em cada 10 sobreviventes do Ébola desenvolvem problemas oculares de diferentes tipos - desde inflamação dos olhos até a perda total da visão. Problemas que ocorrem devido aos efeitos colaterais do tratamento experimental que não tem a aprovação oficial das autoridades de saúde, mas que está a ter bons resultados nos últimos surtos da doença.

Neste sentido, o Ministério da Saúde, em conjunto com a OMS, instalou centros oftalmológicos nas cidades de Beni e Butembo para fazer exames médicos aos sobreviventes.

O Ministério da Saúde da RDCongo admitiu que a epidemia de Ébola, nas províncias de Kivu Norte e Ituri, é já a maior da história do país relativamente ao número de contágios.

Assistir ao vídeo 02:31

Saúde em África: Como se pode proteger do ébola

Leia mais