África: Não se avistam grandes mudanças nas eleições do próximo ano | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 30.12.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

África: Não se avistam grandes mudanças nas eleições do próximo ano

África do Sul, Nigéria e Moçambique são três dos países africanos que vão a votos em 2019. Mas analistas não anteveem mudanças. O mais provável é que movimentos de libertação que governam há muito se mantenham no poder.

Em 2019 realizam-se eleições em dois dos países mais poderosos no continente africano: a África do Sul e a Nigéria. Mas os analistas não acreditam em grandes mudanças nestes e noutros países africanos, cujos cidadãos vão igualmente às urnas no próximo ano.

Para os especialistas ouvidos pela DW não há, à partida na Nigéria, um vencedor claro entre os dois principais candidatos às eleições de fevreiro: o Presidente Muhammadi Buhari e Atika Abubakar. Caso ganhe, Buhari, de 75 anos e marcado pela doença seria presidente por mais quatro anos. Abubakar, o ex-vice presidente e íntimo de Buhari tem 71 anos, e é suspeito de corrupção.

Sophia Moestrup, diretora regional da organização não-governamental NDI, explica que, no país, Buhari tem sido criticado. "Há um aumento de violência que indica claramente que Buhari não cumpriu a promessa de estabilização dada antes das últimas eleições", afirma Sophia Moestrup, acrescentando que o actual Governo negligenciou a juventude, ou seja, dois terços da população.

Nigeria Präsident Muhammadu Buhari bei Militär in Maiduguri (Getty Images/AFP/A. Marte)

Muhammadu Buhari é um dos favoritos à vitória do próximo ano na Nigéria

A falta de formação, o desemprego elevado e uma vida sem perspetivas, facilita o recrutamento de jovens pelo grupo terrorista Boko Haram. Os mais novos sentem que os seus governantes, um grupo de homens velhos, não entendem as suas necessidades.

No país vizinho, o Senegal, a situação é considerada estável. Também aqui, há eleições na próxima primavera, havendo "poucas dúvidas sobre a reeleição do presidente Macky Sall", diz Sophia Moestrup.

Oposições fracas

No sul do continente estão igualmente previstas várias eleições. Mas os observadores não contam com mudanças também nesta parte de África. O mais provável é que os antigos movimentos de libertação que governam há décadas se mantenham no poder. Paul Graham, da organização de defesa dos direitos humanos Freedom House, explica que o "facto de não haver verdadeiros movimentos de oposição política é um grande desafio para a região". Segundo Paul Graham , "os movimentos de libertação são grandes partidos que cobrem todo o espectro político da esquerda, passando pelo conservadorismo centrista, ao nacionalismo e à ideologia de mercado livre. O colapso destes partidos devido à corrupção ou a ineficácia deixaria um vácuo, não havendo alternativa que represente os valores social-democratas ou liberais".

Ouvir o áudio 04:04

África: Não se avistam grandes mudanças nas eleições do próximo ano

É o caso da África do Sul, que ainda não tem data marcada para as eleições parlamentares e presidenciais em 2019. Muitos analistas acreditam que o Congresso Nacional Africano (ANC) se vai manter no poder, se bem que enfraquecido. O novo presidente do país e do ANC, Cyril Ramaphosa tenta estancar a perda de popularidade.

Apesar de algum progresso na luta contra a corrupção instalada sob a presidência do seu predecessor, Jacob Zuma, Ramaphosa tem que lidar com grande resistência dentro do seu partido. E a promessa de uma reforma agrária não parece inspirar a grande maioria dos sul-africanos, que concordam com a sua necessidade, mas estão mais preocupados com a falta de emprego, a segurança e a saúde, indicam vários estudos.

Em entrevista à DW, Jakkie Cilliers, diretor do Instituto de Pesquisa ISS, em Pretória, afirma que „os observadores internacionais estão mais preocupados com a reforma agrária". No entanto, clarifica, "não se trata de uma grande mudança, porque a reforma já está na Constituição". Por isso, olhos deste investigador, trata-se de "mais uma tentativa do Governo de travar o partido radical EFF, que explorou a questão em seu benefício. Ramaphosa quer ser visto como tomando a iniciativa".

Moçambique também preocupa

Mosambik, Macomia: Mucojo village had houses destroyed by armed groups
(Privat)

Aldeia de Mucojo, distrito de Macomia, incendiada pelos atacantes, em junho de 2018

Outro país da África Austral que preocupa os observadores é Moçambique. O país, considerado entre os mais pobres, tem uma dívida de Estado incomportável e está cada vez mais ameaçado de ataques terroristas.

Segundo Cillliers, grupos islamitas lutam pelo poder no norte. Também a oposição militante da RENAMO tem aqui a sua base e é muito popular entre os mais pobres. O Presidente Filipe Nyusi candidata-se a um segundo mandato nas eleições de outubro de 2019. A popularidade do líder da RENAMO Ossufo Momade aumenta, mas os analistas dizem que "não se avistam mudanças na paisagem política".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados