Opinião: A humilhante despedida de Martin Schulz | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 09.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Opinião: A humilhante despedida de Martin Schulz

Após embate público com Sigmar Gabriel, Schulz se viu obrigado a renunciar ao pretendido cargo de ministro do Exterior. Tal teatro mancha tanto a reputação do SPD quanto a da política como um todo, opina Katharina Kroll.

Martin Schulz

Após renunciar à presidência do SPD, Martin Schulz abriu mão de um futuro cargo de ministro do Exterior

Que montanha-russa! Ainda nesta quarta-feira (07/02), Martin Schulz tinha ares de vencedor. Ele havia tirado o máximo das negociações de coalizão com a União Democrata Cristã (CDU) e a União Social Cristã (CSU) para o seu Partido Social-Democrata (SPD): os ministérios do Trabalho, das Finanças e – não menos importante  – o do Exterior, e este para si mesmo. Agora ele está de mãos vazias. Presidência do partido? Se foi. Ministério do Exterior? Também se foi. O que levou a essa situação dramática?

Katharina Kroll

Katharina Kroll é editora de política da DW

Schulz exigiu reviravoltas demais do SPD e cometeu erros estratégicos demais. Ele próprio reconheceu isso, e queria se salvar no cargo de ministro do Exterior, renunciando, ao mesmo tempo, à presidência do partido.

Só que Schulz não combinou tudo isso antes com Sigmar Gabriel. Este é popular como nenhum outro político do alto escalão na Alemanha e queria continuar no cargo de ministro do Exterior.

Gabriel comunicou ao mundo sua irritação e seu desprezo em relação àquele que um dia ele chamou de amigo numa entrevista. "Minha filha pequena, Marie, me disse hoje de manhã: 'Pai, você não precisa ficar triste, agora você vai ter mais tempo para nós. Isso é bem melhor do que com aquele homem de rosto peludo'." 

Nesta sexta-feira, a frase estava em todas as rodas em Berlim. O ministro interino do Exterior e ex-presidente do SPD deixou a filha falar por ele. Um teatro lamentável. E como essa frase deixa transparecer o que ocorre nos bastidores do mais antigo partido da Alemanha! Não apenas a reputação do SPD é prejudicada com isso, mas também a da política como um todo.

Schulz sabe que não tem mais como se recuperar desse golpe. Humilhado, ele renunciou. Com isso, quer prestar um último serviço ao partido. Ele espera, "solicitamente", que as discussões sobre cargos no SPD tenham um fim. E quer, assim, levar os filiados a aprovar o acordo de coalizão com os conservadores liderados pela chanceler federal Angela Merkel. Pois a decisão dos membros do partido é a próxima barreira para a formação de um governo. Com sua partida, Schulz talvez consiga acalmar os ânimos dentro do SPD por enquanto. Mas o resultado da votação dos filiados segue em aberto.

Schulz não pôde mais contar com o seu partido, o mesmo que há cerca de um ano o elegera presidente com 100% dos votos. Ao fim, o SPD dá a impressão de estar numa pane total. Tirá-lo logo dela é agora a árdua tarefa para o que restou da liderança partidária. A questão é se isso pode ser feito até 4 de março, o dia decisivo para o voto dos filiados. Do contrário, não só o SPD se verá diante de um monte de cacos, mas também Merkel.

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais