França condena 14 por ataques a Charlie Hebdo e mercado judeu em 2015 | Notícias internacionais e análises | DW | 16.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

França condena 14 por ataques a Charlie Hebdo e mercado judeu em 2015

Justiça conclui que eles oferecerem apoio logístico e armas aos terroristas. Veredito reforça liberdade de expressão, mas é proferido em meio a novos atentados no país europeu.

Registro artístico do julgamento que puniu cúmplices dos irmãos Kouachi e de Amedy Coulibaly

Registro artístico do julgamento que puniu cúmplices dos irmãos Kouachi e de Amedy Coulibaly

Uma corte de Paris decidiu nesta quarta-feira (16/12) condenar, com sentenças que variam de quatro anos de prisão à pena perpétua, 14 pessoas que agiram como cúmplices de três islamistas radicais armados que massacraram cartunistas do jornal satírico Charlie Hebdo e clientes de um supermercado judeu no início de 2015.

A Justiça francesa concluiu que eles ofereceram apoio logístico e armas aos irmãos Said e Cherif Kouachi, que realizaram o massacre no periódico, e a Amedy Coulibaly, que matou quatro homens judeus no supermercado kosher. Os três acabaram mortos por policiais franceses após os ataques.

Hayat Boumeddiene, viúva de um dos terroristas, foi condenada a 30 anos de prisão, em um julgamento à revelia. Ela fugiu para a Síria e ainda é dada como viva. Dois homens que a ajudaram a fugir da França também foram julgados à revelia, mas são dados como mortos na Síria. Um deles, Mohamed Belhoucine, recebeu uma sentença de prisão perpétua.

Os outros 11 réus estavam presentes no julgamento. Entre eles Ali Riza Polat, considerado pelos promotores o braço direito de Coulibaly e que foi condenado a 30 anos de prisão. A corte rejeitou algumas denúncias relacionadas a terrorismo apresentadas pelos promotores contra alguns dos réus. As condenações foram divulgadas pela imprensa francesa.

Os ataques

Dezessete pessoas foram mortas durante os três dias de ataques em janeiro de 2015. Primeiro, os irmãos Kouachi massacraram 12 pessoas na sede do Charlie Hebdo, que havia publicado cartuns sobre o profeta Mohammed.

No dia seguinte, Coulibaly matou uma policial francesa, após não ter conseguido atacar um centro comunitário judeu no subúrbio de Montrouge, e depois invadiu o supermercado Hyper Cacher e assassinou quatro homens judeus.

Os irmãos Kouachi afirmaram que estavam agindo em nome da Al Qaeda, e Coulibaly havia jurado lealdade ao grupo Estado Islâmico.

Os ataques foram seguidos por uma série de atrocidades cometidas por islamistas radicais que deixaram mais de 230 mortos na França em 2015 e 2016.

Traumas

O julgamento, que durou três meses devido a interrupções por causa da covid-19, trouxe novamente à tona o horror dos ataques de 2015.

"O ciclo de violência, que começou na redação do Charlie Hebdo, será finalmente fechado”, escreveu em um editorial o editor-chefe da publicação, Laurent "Riss" Sourisseau, que foi gravemente ferido durante o massacre.

"Pelo menos sob a perspectiva da lei penal, porque sob a perspectiva humana as consequências nunca serão apagadas, como o depoimento das vítimas no julgamento demonstrou", afirmou.

Zarie Sibony, que trabalhava como caixa no Hyper Cacher, descreveu como teve que andar sobre corpos nos corredores do supermercado durante as quatro horas de confronto entre Coulibaly e a polícia.

Entre os mortos no ataque ao Charlie Hebdo estavam alguns dos mais celebrados cartunistas franceses, como Jean Cabut, conhecido com Cabu, de 76 anos, Georges Wolinski, de 80 anos, e Stephane "Charb" Charbonnier, de 47 anos.

Liberdade de expressão

Christophe Deloire, chefe do grupo que defende a liberdade de expressão Repórteres Sem Fronteiras, considerou o resultado do julgamento positivo. "É uma prova de que extremistas violentos não têm a última palavra. Graças à Justiça, é a liberdade que tem a última palavra", ele escreveu no Twitter.

Para marcar o início do julgamento, em 2 de setembro, o Charlie Hebdo republicou os cartuns do profeta que enfureceram muçulmanos em 2015. E, na capa da edição para registrar as condenações, a publicação, em seu estilo provocativo, publicou uma imagem de Deus sendo conduzido em uma viatura policial sob o título "Deus é colocado em seu lugar".

Atentados recentes

O julgamento encerrado nesta quarta-feira ocorreu em um momento no qual a França vem enfrentando mais uma vez ataques atribuídos a islamistas radicais.

Três semanas após o início do julgamento, um homem esfaqueou duas pessoas do lado de fora da antiga redação do periódico.

Em 16 de outubro, um refugiado de nacionalidade tchetchena de 18 anos decapitou o professor Samuel Paty, que havia mostrado algumas das caricaturas para os alunos. Ele foi morto em seguida pela polícia, e seis pessoas foram acusadas de cumplicidade no crime.

Em 29 de outubro, três pessoas foram mortas, entre elas uma brasileira, quando um jovem tunisiano, recém-chegado à Europa, saiu esfaqueando pessoas na Basílica Notre-Dame, na cidade de Nice.

O governo do presidente Emmanuel Macron recentemente aprovou uma nova lei para enfrentar a atividade de islamistas radicais na França, que provocou ira em alguns países muçulmanos.

BL/ap/dpa/afp