Como ficaria uma eleição sem Lula? | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 28.01.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Como ficaria uma eleição sem Lula?

Mais candidatos, eleitorado pulverizado, quadro similar ao de 1989, Bolsonaro perdendo parte do apelo antipetista: alguns cenários diante de uma eventual ausência do ex-presidente na corrida ao Planalto.

Protesto contra o ex-presidente Lula em São Paulo, no dia da decisão que confirmou sua condenação

Protesto contra o ex-presidente Lula em São Paulo, no dia da decisão que confirmou sua condenação

Luiz Inácio Lula da Silva viu suas chances de disputar novamente a Presidência diminuírem após a confirmação unânime da sua condenação por corrupção e lavagem de dinheiro. O ex-presidente arrisca se tornar definitivamente um "ficha suja" e ficar fora do pleito.

O exercício especulativo de uma eleição sem Lula representa um desafio até mesmo no mundo político. "No cenário político brasileiro de hoje, você fazer uma análise para daqui a 24 horas está difícil. Imagina para outubro então, parece quase impossível”, disse na quinta-feira (25/01) o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Leia também: O tempo está se esgotando para Lula

Leia também: "Hoje, Lula é inelegível"

Especialistas ouvidos pela DW Brasil apontam que é difícil apontar quem seria decisivamente beneficiado por uma eventual ausência de Lula e qual nome tem agora mais chances de vencer a corrida presidencial. É possível apontar, no entanto, alguns dos efeitos sobre o processo. Um deles seria a entrada de novos candidatos.

"Com Lula de fora, novos nomes podem acabar entrando na eleição, tornando tudo mais imprevisível", afirma o cientista político David Fleischer, da Universidade Nacional de Brasília (UnB). Alguns deles seriam outsiders ao estilo do apresentador Luciano Huck que podem pipocar para tentar abocanhar o vazio deixado pelo petista.

Fleischer ainda diz que nomes como o do governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), continuam pouco competitivos, mesmo sem Lula na disputa, e que qualquer plano B do PT que considere a transferência de votos para outro candidato da sigla não deve prosperar.

"Lula já não tem mais a mesma força como cabo eleitoral. Basta ver o que aconteceu com o PT em 2016. O partido deve encolher ainda mais neste ano", opina.

Pulverização

O analista Oliver Stuenkel, da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP), também aponta que, com Lula fora da disputa, a tendência é um cenário de pulverização, com muitas candidaturas dividindo entre si fatias largas do eleitorado, repetindo o que ocorreu em 1989.

Ele aponta, no entanto, que a entrada de aventureiros ainda não será decisiva e que o velho establishment político, mesmo acossado pela Lava Jato, ainda demonstra força para influenciar a disputa. Dessa forma, mesmo sem Lula, ainda não haveria vez para radicais como Jair Bolsonaro e eventuais outsiders fora do universo político.

"O dinheiro, a influência e a presença nos Estados e municípios ainda são fundamentais em uma disputa nacional. Não é a vez dos paraquedistas", diz.

Transferência de votos

Ricardo Ismael, do Departamento de Ciências Sociais da PUC-Rio, aponta que alguns candidatos como Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede) podem num primeiro momento pegar alguns dos votos de Lula, mas que a tendência é que o eleitorado do petista se pulverize.

Ele também duvida da capacidade de Lula de transferir votos para um candidato do próprio PT. "Fernando Haddad seria o candidato mais forte para tomar o lugar, mas o Lula atual não é o de 2010, aquele com a máquina e imagem com menos rejeição", diz. "Ao insistir em Lula até as últimas consequências, sem garantia de que ele será candidato, o PT sabota a chance de formar alianças, que são decisivas em uma eleição."

O cientista político Carlos Pereira, da FGV-Rio, aponta que, sem Lula, a tendência é que o segundo turno inclua dois candidatos de centro, sem a presença da esquerda (petista ou não).

Segundo ele, é provável que um desses candidatos seja do PSDB e o outro do próprio governo Michel Temer, que deve recuperar a influência no processo por causa da melhora da economia. "Sem Lula, a esquerda vai perder espaço", completa.

Já Ismael, da PUC-Rio, afirma que com Lula ou sem Lula, dificilmente o governo Temer terá forças para promover um candidato próprio. Mas o governo pode pelo menos influenciar o processo.

"Temer não é nem Sarney - um presidente que chegou ao fim sem influência - ou um Itamar - que teve força decisiva para influenciar o pleito seguinte -, mas uma melhora da economia pode ajudar candidatos que defendam a continuidade das suas políticas", comenta.

Bolsonaro

No início de dezembro, o instituto Datafolha traçou os primeiros cenários sem Lula na disputa. Neles, o populista de direita Jair Bolsonaro (PSL) assumiria a liderança ficando com pelo menos 21% dos votos. Nos cenários ainda com Lula, o candidato direitista apareceu com 17% e 19% dos votos.

Só que segundo Carlos Pereira, da FGV-Rio, Bolsonaro paradoxalmente deve perder espaço em uma disputa sem Lula. "Ele vai esvaziar por não fazer parte de um partido com capilaridade no país e porque seu apelo depende muito de se apresentar como um anti-Lula”, assegura.

O cientista político Rodrigo Prando, da Universidade Presbiteriana Mackenzie, concorda, mas faz uma ressalva: "Bolsonaro também vai murchar, mas não vai estar totalmente fora porque suas bandeiras de lei e ordem e família ainda têm apelo junto a uma fatia do eleitorado", diz.

Divisão

O Datafolha também mostrou que, sem Lula, muitos votos vão ser transferidos para outros candidatos, muitas vezes de perfil completamente diferente. "Isso mostra que o eleitorado é do Lula, e não do PT. É um eleitorado heterogêneo", diz Ismael, da PUC-Rio.

Um dos maiores beneficiários da saída de Lula seria o ex-ministro Ciro Gomes, que ideologicamente é mais próximo de Lula. Sem o petista, Ciro passa de entre 6% e 7% para 12% e 13% das intenções, dependendo de quem são seus adversários.

A ex-ministra Marina Silva, uma veterana de disputas presidenciais, também ganha competitividade. Aparecendo com até 11% das intenções de voto em um dos cenários ainda com o petista, ela passa para até 17% na hipótese de Lula ficar de fora.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, é outro que, segundo a pesquisa, obtém vantagem. Com no máximo 9% das intenções de voto nos cenários com o petista, ele passaria para até 12%.

Para outros pré-candidatos ou possíveis candidatos, como Álvaro Dias (Podemos), João Dória (PSDB) e Manuela D'ávila (PCdoB) e Meirelles, a saída do petista também pode significar um incremento de votos, embora com menos impacto do que com outros candidatos. Nenhum deles passa de 6% das intenções de voto sem Lula até o momento.

Mais chamativo é o fato de que, sem Lula, o número de votos em branco e nulos dispara. Nas simulações com o petista, entre 12% e 14% afirmam que não pretendem votar em ninguém. Sem Lula, esse percentual sobe para 25% a 30%, o que sugere que muitos votos não vão migrar automaticamente para alguma outra figura e que todos os pré-candidatos têm bastante campo para tentar ampliar seu apelo junto ao eleitorado.

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais