UE concorda em continuar com aprovação do Brexit | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 20.10.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

UE concorda em continuar com aprovação do Brexit

Os 27 Estados-Membros da União Europeia vão prosseguir com os preparativos para validar o acordo de saída do Reino Unido do bloco, mesmo com um pedido de adiamento feito pelo Governo britânico.

Ativistas erguem bandeiras da UE em protesto contra o Brexit em frente ao Parlamento britânico

Ativistas erguem bandeiras da UE em protesto contra o Brexit em frente ao Parlamento britânico

Os embaixadores dos países da União Europeia (UE) concordaram este domingo (20.10) em continuar com o processo de aprovação do acordo do Brexit. A decisão foi tomada depois do pedido por carta do primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, de prorrogação da saída do país do bloco.

"Os embaixadores tomaram nota dos últimos desenvolvimentos, incluindo a receção da carta [enviada sábado à noite pelo primeiro-ministro Boris Johnson] a pedir um prolongamento do prazo", disseram à agência de notícias EFE fontes europeias.

Großbritannien Brexit Boris Johnson

Boris Johnson foi forçado a enviar uma carta à UE devido à emenda aprovada pelo Parlamento britânico

As mesmas fontes apontaram que, na reunião dos embaixadores dos Estados-Membros da UE, que durou "um pouco menos" de 15 minutos, ficou acordado que os 27 países da UE vão prosseguir com os preparativos para validar o acordo de saída alcançado entre Londres e Bruxelas. Os diplomatas enviaram o acordo para aprovação no Parlamento Europeu, que se reúne em Estrasburgo na próxima semana.

Boris Johnson foi obrigado a enviar uma carta à UE com a solicitação de adiamento do Brexit depois de o Parlamento britânico ter aprovado no sábado (19.10) uma emenda com essa exigência.

Devido à aprovação da medida, o Governo decidiu suspender a votação do acordo, que estava prevista para o mesmo dia. Junto à carta que pede o adiamento e que não foi assinada, Boris Johnsno enviou uma segunda carta assinada, na qual diz não acreditar que seja benéfico adiar o Brexit para depois de 31 de outubro.

Lei de Benn

Numa sessão extraordinária na Câmara dos Comuns, os deputados britânicos aprovaram no sábado uma emenda  solicitando um adiamento do Brexit, o que levou o governo de Boris Johnson a retirar a votação planeada do acordo. A chamada Lei Benn determina um adiamento da saída do Reino Unido do bloco a 31 de janeiro.

Impulsionada pelo deputado ex-conservador e agora independente Oliver Letwin, a emenda foi aprovada por 322 votos a favor e 306 contra em uma sessão extraordinária na Câmara dos Comuns, a câmara baixa do Parlamento britânico.

A alteração adotada pretende funcionar como uma salvaguarda de segurança, caso o procedimento parlamentar não fique concluído até ao dia 31, impedindo, assim, o Reino Unido de sair da UE sem nenhum acordo com o bloco.

No entanto, o número dois do governo britânico, Michael Gove, reiterou este domingo o compromisso de executar o Brexit no dia 31 de outubro. "Sabemos que a UE quer a nossa saída, sabemos que temos um acordo que nos permite sair. Vamos sair em 31 de outubro. Temos os meios e a capacidade para fazê-lo", disse Michael Gove à emissora "Sky News". 

Assistir ao vídeo 03:42

UE e Reino Unido chegam a novo acordo para o Brexit

Leia mais