Refugiados em Hamburgo fazem rádio para refugiados | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 28.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Refugiados em Hamburgo fazem rádio para refugiados

Em Hamburgo um grupo de pessoas juntou-se para ajudar requerentes a asilo. O objetivo é dar-lhes informação. Há um ano opera, naquela cidade no norte da Alemanha, uma rádio comunitária com notícias para os refugiados.

Nos últimos dois anos chegou à Alemanha mais de um milhão de requerentes a asilo. E continuam a chegar mais refugiados na esperança de construirem uma nova vida longe de casa. A maioria não fala alemão  por isso têm dificuldades em obter informação e notícias. É a essas pessoas que se dirige a "Refugee Radio Network" (RNN).

"Vozes dos Refugiados" dá voz aos refugiados

Flyer Refugee Radio Network Flüchtlinge Hamburg RRN

Pela Liberdade, Direitos Humanos e Justiça: os repórters são refugiados e fazem rádio "para refugiados"

Numa terça-feira à tarde Larry Macaulay está sentado ao microfone no estúdio da Rádio FSK em Hamburgo, a apresentar a emissão "Refugee Voices" ou seja: "Vozes dos Refugiados". 

Trata-se do programa mais popular do Refugee Radio Network, uma estação de rádio de refugiados para refugiados. O nigeriano Macaulay, fundador e diretor da estação, explica à DW que o seu programa é um magazine de uma hora de duração sobre os refugiados, as suas vidas, "com histórias e entrevistas pelo meio". E adianta: "Distribuimos os sessenta minutos que produzimos por rádios livres e comunitárias em toda a Alemanha. Somos retransmitidos em Berlim, Marburgo, Estugarda e Munique". 
 
Para além deste programa mensal, a RRN tem uma presença contínua de 24 horas na Internet. A língua mais utilizada é o inglês, mas há produções em vários outros idiomas, diz Macaulay: "Temos bolsas de contacto, programas ao vivo de poesia, de cozinha, e também lemos cartas que recebemos de todo o mundo."

"Chegaram há poucos meses e já fazem rádio"

No dia da reportagem da DW, está a ser emitido um programa com quatro convidados: refugiados afegãos que chegaram à Alemanha há poucos meses e já estão a preparar um programa para a RRN. A entrevista é feita em vários idiomas, reflectindo a vasta variedade no grupo de refugiados neste país. Nesta rádio, as barreiras linguísticas são facilmente superadas. 

Ouvir o áudio 03:36
Ao vivo agora
03:36 min

Refugiados em Hamburgo fazem rádio para refugiados

Larry Macaulay criou a RRN em finais de 2014 juntamente com outros dois refugiados. Todos são oriundos da Nigéria, mas estavam a trabalhar na Líbia quando uma coligação militar liderada pela NATO começou a bombardear as tropas do antigo dirigente líbio Muamar Khadafi em 2011. Com a líbia mergulhada no caos, os três decidiram arriscar a vida numa travessia do Mediterrâneo. Acabaram por dar à costa da ilha italiana de Lampedusa. As autoridades italianas não conseguriam lidar com a chegada de tanta gente, e deixaram muitos refugiados seguir viagem para o norte da Europa. No início de 2014, os três chegaram à Alemanha. A experiência de refugiado na Europa inspirou Macaulay a fazer rádio.

"Queremos dar aos refugiados meios de defesa"

Macaulay explica: "Como refugiado sou diariamente confrontado com estereótipos e casos de discriminação. Vejo a marginalização na sociedade e estou a usar este meio de comunicação para agir e dar aos outros refugiados meios de acção."

A RRN é financiada através de donativos de amigos e apoiantes, e também por várias organizações, como a igreja protestante. Macaulay e os seus dois co-fundadores operam a estação com o apoio de 14 voluntários oriundos de sete países, incluindo o Sudão, a Síria, o Afeganistão e o Mali.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados