Rede alerta para quebra de ajuda alimentar em Cabo Delgado | Moçambique | DW | 31.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Rede alerta para quebra de ajuda alimentar em Cabo Delgado

A Rede de Alerta Antecipado de Fome prevê para agosto uma quebra na ajuda alimentar aos 714 mil deslocados de Cabo Delgado, norte de Moçambique, e respetivas famílias de acolhimento.

"Uma quebra antecipada no fornecimento de assistência alimentar em agosto pode vir a reduzir as quantidades distribuídas, agravando a insegurança alimentar se não foram aplicados recursos adicionais", lê-se no documento.

"Atualmente, o Programa Alimentar Mundial (PAM) dispõe de recursos para prestar assistência alimentar até julho de 2021", sublinha.

Em causa está o facto de "a situação humanitária em Cabo Delgado estar a agravar-se, nomeadamente em áreas ainda inacessíveis às organizações humanitárias", nota a rede. 

Por outro lado, em áreas mais seguras, "a contínua chegada de deslocados está a sobrecarregar cada vez mais as famílias de acolhimento e a capacidade da resposta humanitária". 

Assistir ao vídeo 02:18

Cabo Delgado: Pemba espera por mais deslocados de Palma

Mais de 60.000 deslocados

O total de deslocados após o ataque a Palma, vila junto ao projeto de gás natural, a 24 de março, ultrapassou na quinta-feira os 60.000, segundo dados da Organização Internacional das Migrações (OIM).

Segundo dados de abril, o PAM prestou assistência durante aquele mês a 548.091 deslocados do conflito no norte, que sem encontram em diferentes distritos das províncias de Cabo Delgado e Nampula.

A Rede de Sistemas de Alerta Antecipado de Fome (Fews) agrega organizações norte-americanas e serve como ferramenta de auxílio à ação humanitária.

Grupos armados aterrorizam Cabo Delgado desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo jihadista Estado Islâmico, numa onda de violência que já provocou mais de 2.800 mortes segundo o projeto de registo de conflitos ACLED e 714.000 deslocados de acordo com o Governo moçambicano.

Leia mais