Professores angolanos avançam para greve nacional | NOTÍCIAS | DW | 18.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Professores angolanos avançam para greve nacional

Sindicato Nacional de Professores do Ensino e Trabalhadores do Ensino não Universitário (Sinptenu) anunciou que avançará para greve nacional para exigir "melhores condições laborais e promoções".

Angola | Coronavirus | Schule in Bengo

Uma instituição de ensino em Angola (foto de arquivo).

A primeira fase da greve nacional irá decorrer entre 22 e 27 de abril, enquanto a segunda fase irá realizar-se entre 24 e 27 de maio e a terceira fase de 14 de junho a 02 de julho. A informação foi avançada pelas agências de notícias na noite deste sábado (17.04).

Segundo o Sinptenu, a declaração da greve nacional foi aprovada ontem (17.04), na sequência de uma assembleia representativa dos trabalhadores do ensino não universitário, em Luanda, que analisou o caderno reivindicativo remetido à entidade empregadora.

A "falta de uma resposta satisfatória" por parte de entidade patronal, que "tão pouco considerou os problemas que afligem os trabalhadores do setor da Educação" motivou a declaração de greve, refere o sindicato.

Outros motivos para a greve, acrescentam, são a "não-promoção de categorias e a não fixação de um prazo para a atualização da tabela salarial, num altura em que o poder de compra dos salários já desceu mais de 40%.

O sindicato exige também a criação de meios mais eficientes e constantes para a proteção dos agentes da educação contra a Covid-19, além da implementação do transporte para professores ou o respetivo subsídio.

O estabelecimento de convénios com instituições bancárias para concessão de créditos, com instituições de saúde para emissão de seguro de saúde e a atribuição de uma carteira profissional constam ainda do caderno reivindicativo enviado ao Ministério da Educação no passado dia 24 de fevereiro. 

Assistir ao vídeo 02:12

"Nova Educação": Angolano cria app de ensino à distância

Leia mais