Polícia moçambicana detém membros ″perigosos″ de grupos armados | Moçambique | DW | 05.02.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Polícia moçambicana detém membros "perigosos" de grupos armados

Comandante-Geral da Polícia da República de Moçambique, Bernardino Rafael, anunciou a detenção de vários membros de grupos que desestabilizam a província de Cabo Delgado, no norte do país.

"Apresentámos recentemente, em Nampula, três malfeitores ugandeses" e outros detidos indiciados por recrutar elementos e "matar naqueles distritos" da província de Cabo Delgado, referiu o dirigente, apontando os nomes de cada um e detalhando as operações.

Bernardino Rafael falava na segunda-feira (04.02) durante uma parada policial, em Nampula, norte de Moçambique.

Segundo o Comandante-Geral da Polícia, citado pela Agência de Informação de Moçambique (AIM), os detidos são elementos "perigosos" que se encarregavam de receção e logística de jovens aliciados em distritos da província de Nampula - a sul de Cabo Delgado, onde acontecem os ataques.

Facas, catanas, explosivos

"A missão era receber os recrutados e potenciar os ataques às comunidades em Cabo Delgado" e, além disso, compravam "facas, catanas e machados que os criminosos usam para esquartejar moçambicanos inocentes", descreveu.

Um dos suspeitos estaria encarregue de transferir dinheiro, e ainda encomendar "farinha da África do Sul", na qual "metia munições e explosivos caseiros" que passavam por Nampula. 

Assistir ao vídeo 03:03

Moçambique: Paralegais defendem comunidades perante gigantes do gás natural

"Encontrámos isso num carro de uma transportadora", explicou, dizendo que esse suspeito tinha ligações "com o sul-africano falecido" - numa alusão a Andre Hanekom.

O empresário sul-africano morreu em janeiro, enquanto detido pela polícia, em Pemba, capital provincial de Cabo Delgado, em circunstâncias classificadas como suspeitas pela família e pela ONG Human Rights Watch.

"Imagine-se ugandeses virem assassinar em Moçambique. O seu interesse é perturbar a ordem, abrir brechas para que a nossa economia retarde", ou seja, travar o desenvolvimento, denunciou Bernardino Rafael.

"Segurança reforçada"

Ao mesmo tempo que o comandante-geral das PRM discursava em Nampula, as forças de defesa e segurança anunciavam ter neutralizado mais quatro suspeitos de recrutamento e logística de apoio aos ataques.

Os quatro, todos moçambicanos, foram detidos nos distritos de Mocímboa da Praia e Macomia e ainda na cidade de Pemba.

Desde outubro de 2017, já terão morrido cerca de 150 pessoas, entre residentes, supostos agressores e elementos das forças de segurança.

A onda de violência em Cabo Delgado (2.000 quilómetros a norte de Maputo, no extremo norte de Moçambique, junto à Tanzânia) eclodiu após um ataque armado a postos de polícia de Mocímboa da Praia por um grupo com origem numa mesquita local que pregava a insurgência contra o Estado e cujos hábitos motivavam atritos com os residentes desde há dois anos.

Depois de Mocímboa da Praia, têm ocorrido vários ataques que se suspeita estarem relacionados com o mesmo tipo de grupo, sempre longe do asfalto e fora da zona de implantação da fábrica e outras infraestruturas das empresas petrolíferas que vão explorar gás natural.

No entanto, a proximidade dos mais recentes ataques tem feito com que as obras estejam a decorrer com "segurança reforçada", disse à agência de notícias Lusa a petrolífera Anadarko, que coordena os trabalhos na península de Afungi, distrito de Palma, Cabo Delgado.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados