Parlamento alemão aprova envio de armas pesadas à Ucrânia | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 28.04.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Parlamento alemão aprova envio de armas pesadas à Ucrânia

Numa votação histórica, o Parlamento alemão aprovou o fornecimento de "armas pesadas" à Ucrânia. A ajuda militar foi apoiada pela coligação do Governo e pelo maior partido da oposição.

O Parlamento alemão aprovou esta quinta-feira (28.04) por maioria esmagadora uma petição de apoio à Ucrânia para o envio de armas a Kiev, incluindo "armas pesadas", a fim de ajudar no combate contra as tropas russas.

"A par do amplo isolamento económico e da dissociação da Rússia dos mercados internacionais, o meio mais importante e eficaz para impedir a invasão russa é intensificar e acelerar a entrega de armas eficazes e sistemas complexos, incluindo armas pesadas", lê-se no documento.

A petição foi apoiada tanto pelos três partidos da coligação governamental como pelos conservadores da oposição, tendo passado com 586 votos a favor, 100 contra e sete abstenções, segundo o vice-presidente do Bundestag, Wolfgang Kubicki.

Deutschland | Debatte | Bundestagsabstimmung zur Impfpflicht

Parlamento alemão, em Berlim

Esta semana, o Ministério da Defesa alemão anunciou o envio de tanques "Gepard" a Kiev. Na semana passada, o chanceler Olaf Scholz já havia adiantado que Berlim mandaria "armas pesadas" para os soldados ucranianos.

A Alemanha também destacará mais soldados para reforçar a presença da NATO no leste europeu, e encorajará os soldados russos a deporem as armas e a procurarem asilo na Alemanha e na UE.

Críticas ao apoio alemão

O partido da extrema-direita AfD opôs-se à iniciativa aprovada hoje no Parlamento, afirmando que se sentia próxima de uma declaração de guerra.

A petição iria prolongar os combates na Ucrânia e "poderia fazer-nos parte de uma guerra nuclear", disse o deputado mais antigo do Bundestag, Tino Chrupalla, da AfD.

O Partido de Esquerda (Die Linke) também foi contra a iniciativa, apontando para declarações anteriores do chanceler Olaf Scholz sobre como as entregas de armas pesadas aumentam o risco de uma escalada nuclear.

Assistir ao vídeo 04:46

Ucrânia: Chanceler alemão sob pressão para mais apoio militar

Vários deputados, incluindo o chefe da CDU, Friedrich Merz, criticaram severamente Scholz por se ter ausentado numa visita diplomática ao Japão enquanto o Bundestag discutia o assunto.

Balanço da guerra

A ONU confirmou a morte de 2.787 civis desde 24 de fevereiro, mas tem alertado para a probabilidade de o número real ser consideravelmente superior.

O conflito levou mais de 5,3 milhões de pessoas a fugir da Ucrânia, na pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia, segundo a ONU. 

O secretário-geral da ONU, António Guterres, está hoje em Kiev, onde se reunirá com o Zelensky e também com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Dmytro Kuleba. 

Assistir ao vídeo 05:35

Ucrânia: ONU alerta para os efeitos nefastos da guerra em países em desenvolvimento

Leia mais