No fecho da campanha na Zambézia, Manuel de Araújo apela à ″vigilância″ do eleitor | Moçambique | DW | 13.10.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

No fecho da campanha na Zambézia, Manuel de Araújo apela à "vigilância" do eleitor

Foi com as habituais promessas eleitorais e acusações ao Governo do dia que a RENAMO terminou a campanha eleitoral na província central da Zambézia, este sábado (12.10). Clima de festa e euforia caracterizou o momento.

Wahlkampagne RENAMO

Último evento de campanha da RENAMO em Quelimane

Os membros e apoiantes da RENAMO cantavam a sua palavra de ordem na recepção ao seu candidato a governador na província da Zambézia. "Apaquea" é uma expressão na língua Chwabo que quer dizer "os ladrões estão encurralados", numa clara referência à FRELIMO, partido no poder, seu principal adversário.

Vindo de quatro distritos, Manuel de Araújo encerrou a sua campanha ao Governo da Zambézia no campo de Chirangano, em Quelmane, no final da tarde deste sábado (12.10), fazendo um comício para centenas de pessoas.

Wahlkampagne RENAMO

Manuel de Araújo a falar a seus apoiadores

"Hoje vocês vieram testemunhar a abertura na história de Moçambique. Em 1975, nós tivemos aquilo que deveria ser a nossa libertação política, mas um grupo de ladrões, bandidos e assassinos roubou a independência do povo. Então, no dia 15, o povo de Moçambique, o povo da Zambézia, vai abrir uma nova página, a segunda independência de Mocambique," disparou.

Promessas ao professor

E "o puto mais fofo da Zambézia", como ele próprio se intitula, aproveitou o 12 de outubro, dia do professor, para fazer mais promessas eleitorais e para acusar implicitamente a FRELIMO de ser responsável pela violência.

"A minha mãe, a professora Inês, aquela a quem eles queimaram a casa, também é professora," disse à multidão.

"Tenho seis irmãos, dos quais quatro somos professores, por isso, hoje quero homenagear a todos os professores da República de Mocambique," acrescentou.

"Nas eleições do ano passado, eles trouxeram professores do Chinde, de Mopeia e de Nicoadala. Os professores votaram neles, ou votaram na RENAMO? Na RENAMO! O Governo da RENAMO vai privilegiar a melhoria das condições de trabalho dos nossos professores," prometeu o candidato do maior partido da oposição.

Marcha por Quelimane

Depois do comício, quando o sol já se punha, Manuel de Araújo, acompanhado de uma multidão efusiva, deixou o campo para fazer uma passeata pelas artérias da cidade e dos bairros periféricos de Quelimane, como Brandão e Inchope.

Ouvir o áudio 05:43

No fecho da campanha na Zambézia, Manuel de Araújo apela à "vigilância" do eleitor

Muitos dos apoiantes, montados nas suas bicicletas, marca da cidade e do próprio candidato, cantavam incessantemente.

"Aqui quem manda? É RENAMO", diziam.

A passeata contou com a proteção da Polícia, que é vista como servidora dos interesses do Governo do dia, violenta e pouco profissional, principalmente em época eleitoral. A estes "o puto mais fofo da Zambézia" deixa um recado.

"Mas também temos aqueles nossos irmãos que costumam bater-nos nas eleições. Nós queremos dizer aos nossos irmãos polícias que a luta da RENAMO é para libertar o próprio polícia. Vamos aumentar o salário do polícia, porque uma pessoa quando está com fome gosta de bater o outro ou não? O salário do polícia dá para comprar bicicleta? Dá para comprar mota? A RENAMO vai melhorar os salários dos polícias," prometeu.

E o apelo mais forte feito pelo candidato da RENAMO foi para que os eleitores não abandonem os postos de votação, após terem votado, no sentido de serem vigilantes, o objetivo é evitar fraudes eleitorais. Entretanto, as autoridades já alertaram para que se faça justamente o contrário, sob risco de serem penalizados.

Leia mais