Não será fácil Moçambique recuperar dinheiro das dívidas ocultas | Moçambique | DW | 17.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Não será fácil Moçambique recuperar dinheiro das dívidas ocultas

O Fórum de Monitoria do Orçamento, plataforma da sociedade civil moçambicana que atua na área da gestão de finanças públicas, reconhece que não será fácil recuperar os ativos e o dinheiro das dívidas ocultas.

Reunião do Fórum de Monitoria do Orçamento

Reunião do Fórum de Monitoria do Orçamento

Não há perspetivas de Moçambique recuperar todos os ativos e dinheiros relacionados com as dívidas ocultas, calculadas em mais de dois mil milhões de dólares. O aviso chega dos membros da sociedade civil.

Apesar da recuperação de mais de 10 milhões de dólares, por parte Procuradoria-Geral da República (PGR) moçambicana, o caminho para que o país recupere de volta o valor na sua totalidade é sinuoso, acrescentam.

Credit Swiss deve ser "condenado e responsabilizado"

O diretor-executivo do Centro para a Democracia e Desenvolvimento (CDD), Adriano Nuvunga, reconhece que este processo é complexo, mas atira as culpas para o banco Credit Swiss.

"A nossa expetativa é que o Credit Swiss seja condenado e a responsabilização em termos da Credit Swiss é de ressarcir Moçambique, porque claramente, este dinheiro foi contraído em clara contradição às regras e não obedeceu ao ordenamento jurídico moçambicano", sublinha.

Prof. Adriano Nuvunga

Adriano Nuvunga, diretor-executivo do CDD

O diretor-executivo do Observatório do Cidadão para a Saúde, Jorge Matine, afirma que a expetativa era de Moçambique recuperar todo o dinheiro. Mas, Matine alerta para o fato de Moçambique poder sofrer consequências por causa deste caso.

"Eu penso que os processos que estão aqui (Moçambique) e os que estão em Londres, esperamos que tenham resultados positivos a favor de Moçambique. Mas o país pode perder este processo. Nesse caso, Moçambique terá de indemnizar as empresas que estão a pôr o país nos tribunais, porque acham que agiu de má-fé. É um processo muito difícil neste momento", diz.

Recuperar dinheiro gasto em surbornos

O cenário dos tribunais pode ter outra face da moeda. Quem o diz é o pesquisador do Centro de Integridade Pública (CIP), Borges Nhamire, que acredita que, o país pode recuperar pelo menos, 200 milhões de dólares.

[No title]

Borges Nhamire, pesquisador do Centro de Integridade Publica

"É dinheiro que terá sido gasto em subornos. Esse suborno foi pago aos colaboradores da Credit Swiss, que facilitaram a contratação das dívidas e já confessaram em tribunal e a alguns funcionários moçambicanos. Então, tudo somado, esse valor de suborno chegou a 200 milhões de dólares", conclui.

O jurista Vicente Manjate refere que não basta a condenação e nem a recuperação de ativos. O mais importante, argumenta, é prevenir que estes casos não voltem a acontecer.

"Será que esta recuperação de ativos vai compensar-nos? Nós é que temos de definir o que queremos com esses processos. O que está em causa aqui. São os arguidos? É a qualidade deles? Ou são factos em si que nos levaram a esta situação", questiona, em jeito de conclusão.

 

Leia mais