Morreu Evaristo Carvalho, ex-Presidente de São Tomé e Príncipe | São Tomé e Príncipe | DW | 29.05.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

São Tomé e Príncipe

Morreu Evaristo Carvalho, ex-Presidente de São Tomé e Príncipe

Ex-Presidente de São Tomé e Príncipe Evaristo Carvalho morreu neste sábado (28.05), aos 80 anos, em Lisboa, vítima de doença prolongada, segundo fonte familiar.

Evaristo Carvalho | ehemaliger Präsident von Sao Tome und Principe

Evaristo Carvalho (foto de arquivo).

O antigo chefe de Estado são-tomense (2016-2021) estava internado num hospital em Lisboa e faleceu cerca das 22h deste sábado (hora local). Eleito Presidente de São Tomé e Príncipe em 18 de julho de 2016, Carvalho exerceu o mandato até 02 de outubro de 2021, quando foi sucedido por Carlos Vila Nova. 

Pai de 25 filhos, o ex-estadista foi um histórico da política são-tomense, tendo sido, por duas ocasiões, primeiro-ministro em governos de iniciativa presidencial. Foi também presidente da Assembleia Nacional, ministro e deputado.

O Presidente da República da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, lamentou neste domingo (29.05) a morte do ex-chefe de Estado de São Tomé e Príncipe Evaristo Carvalho, no sábado em Lisboa, classificando-o como "grande estadista e destacado são-tomense".

"Foi com profundo pesar que a Presidência da República [da Guiné-Bissau] tomou conhecimento do desaparecimento físico do ex-chefe de Estado de São Tomé e Príncipe Sr. Evaristo Carvalho, um grande estadista e destacado são-tomense, amigo pessoal do Presidente Umaro Sissoco Embaló", lê-se num 'post' publicado na conta oficial da rede social Facebook.

Evaristo Carvalho | ehemaliger Präsident von Sao Tome und Principe

Evaristo Carvalho em discurso da ONU, em setembro de 2019.

Carreira

Técnico de agricultura, Evaristo Carvalho começou por ser um quadro do partido único - Movimento para a Libertação de São Tomé e Príncipe - Partido Social Democrata (MLSTP-PSD) - após a independência e até ao início do multipartidarismo, na década de 1990.

Foi chefe de gabinete de Miguel Trovoada quando este foi Presidente da República e aderiu ao Ação Democrática Independente (ADI), partido hoje liderado pelo filho daquele e antigo primeiro-ministro, Patrice Trovoada. 

Pouco antes das presidenciais do ano passado, justificou que decidiu não se recandidatar por pretender passar o testemunho aos mais jovens e disse esperar do seu sucessor "mais dinamismo e iniciativas".

Na votação da segunda volta das presidenciais, em 05 de setembro passado, recordou que estava prestes a cumprir 80 anos e "pouco mais de 60 de trabalho na vida laboral", quase todos no aparelho de Estado.

Afirmando-se "feliz" e "orgulhoso" com o seu percurso profissional, disse acreditar ter merecido uma "boa nota" pelo desempenho. "Sinto-me cansado, por isso não continuei a marcha", comentou na ocasião.

"Já assegurei a governação por duas vezes e sempre fazendo o trabalho de bombeiro para contribuir para ultrapassar grandes desafios e grandes crises políticas", referiu.

Evaristo Carvalho é o primeiro ex-chefe de Estado são-tomense eleito após a independência (1975) a falecer.

São Tomé: Presidente alerta contra compra de votos

Leia mais