Moçambique: TotalEnergies quer retomar projeto de gás este ano | Moçambique | DW | 31.01.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: TotalEnergies quer retomar projeto de gás este ano

A TotalEnergies pretende retomar este ano o projeto de gás natural em Cabo Delgado, norte de Moçambique, suspenso em março de 2021 após um ataque armado, disse o presidente executivo da empresa, Patrick Pouyanné.

"O meu objetivo é que [o projeto] recomece em 2022, mas não estou sozinho. Nós estamos prontos", referiu no edifício da Presidência da República em Maputo, após um encontro com o chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi.

A construção da fábrica de liquefação de gás, extraído do fundo do mar (cerca de 40 quilómetros ao largo) é o maior investimento privado financiado atualmente em África e foi suspenso em março de 2021.

Mosambik Pemba | Filipe Nyusi

Filipe Nyusi, Presidente moçambicano

Um ataque armado à vila de Palma, que acolhia as empresas subempreiteiras e muitos dos trabalhadores do projeto, fez com que fosse invocada "force majeure" (termo contratual para 'força maior', em que nenhuma das partes pode ser responsabilizada) para travar todos os trabalhos em curso.

"Estou otimista", disse Pouyanné, sobre a retoma dos trabalhos, embora sem compromissos.

O CEO da TotalEnergies disse que quando voltar a Moçambique quer poder ir "a Palma, Mocímboa da Praia e Mueda: quando vir que a vida está de volta ao normal, com serviços do Estado e população, aí o projeto pode recomeçar", referiu.

Patrick Pouyanné disse que "muitos progressos já foram feitos e quero dar os parabéns às autoridades moçambicanas que juntamente com o Ruanda e SADC [Comunidade de Desenvolvimento da África Austral] conseguiram que muita coisa fosse feita".

Sítios seguros

Uma força militar conjunta tem combatido os grupos insurgentes na região. Pouyanné fez referência a dois pontos cruciais, Mocímboa da Praia e Palma, apontando-os agora como sítios seguros. "Mas há ainda algum progresso por fazer para termos uma segurança sustentada. Queremos ver a população e as vilas a voltar as suas vidas normais", destacou.

Pouyanné assinou com as autoridades moçambicanas um acordo para ações de formação de 2.500 jovens de Cabo Delgado, com vista a criar oportunidades de trabalho decorrentes dos investimentos em curso. Um tema que, referiu, está ligado às questões de segurança.

 "A normalização da vida social é parte da segurança, não é só um assunto das forças armadas", referiu.

O Presidente moçambicano disse que a petrolífera "não saiu porque quis". De igual modo, a população "saiu porque foi atacada, mas vai voltar", à medida que a normalidade for retomada, referiu, recordando um pedido que lhe foi feito durante uma visita a Palma: ser possível viajar tranquilamente na província.

Satisfeito com o avanço militar sobre a insurgência, o chefe de Estado espera ver essa tranquilidade reinar em toda a província, em breve. "Não é por cantar vitórias, mas estamos a trabalhar e a gostar do trabalho que os jovens [militares] estão a fazer", sublinhou.

Mosambik Ärzte ohne Grenzen in Cabo Delgado

Conflito em Cabo Delgado já provocou mais de 3.100 mortes e 817 mil deslocados

"Trazer a tranquilidade à vida"

Sobre a presença de Pouyanné em Maputo, Nyusi comentou que "esta visita foi importante para se avaliar o que está a acontecer" e prometeu trabalho conjunto. "Uma das coisas que vamos fazer rapidamente, juntos, é tentar trazer a tranquilidade à vida" de Cabo Delgado, disse o Presidente aos jornalistas no final do encontro com o líder da TotalEnergies.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada desde 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, de acordo com as autoridades moçambicanas.

Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda a que se juntou depois a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas onde havia presença de rebeldes, nomeadamente a vila de Mocímboa da Praia, que estava ocupada desde agosto de 2020.

Moçambique: Cooperativa ajuda mulheres deslocadas de Cabo Delgado

Leia mais