Moçambique: Priorizar políticos ″aumentaria″ confiança na vacina | Moçambique | DW | 12.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Priorizar políticos "aumentaria" confiança na vacina

Especialista em saúde pública Hélder Martins questiona critérios usados na definição dos grupos prioritários da vacinação contra a Covid-19. Dificuldades logísticas serão desafio à implementação do plano em Moçambique.

Hélder Martins, ex-membro da Comissão Técnico-Científica para a gestão da pandemia da Covid-19 em Moçambique, classificou esta sexta-feira (12.03) o plano de vacinação do país como "bom". No entanto, aponta críticas. 

"Os dirigentes do Estado não aparecem nos planos e deviam aparecer. Isto leva a interrogações, a suspeitas, a boatos… Porque os dirigentes do Estado não vão ter um nível de prioridade? De certeza que têm, do qual não sei, mas essa prioridade devia ser conhecida", defende.

O fundador do Sistema Nacional de Saúde de Moçambique explica que a vacinação dos dirigentes deveria ser do conhecimento público para não levantar suspeitas sobre a segurança da vacina.

Mosambik | Coronavirus | Impfkampagne

Campanha de vacinação começou no dia 8 de março em Moçambique

Incongruências

campanha de vacinação em Moçambique arrancou no dia 8 de março e prevê quatro fases.

As primeiras doses estão destinadas a profissionais de saúde, Forças de Defesa e Segurança (FDS), idosos a viver em lares e alguns pacientes com diabetes; numa segunda fase, a vacinação prossegue em pacientes com diabetes, além de serem vacinados reclusos e residentes com mais de 50 anos em zonas urbanas; na terceira fase dar-se-á prioridade a residentes com mais de 50 anos em comunidades rurais; na última fase a vacinação é alargada à restante população.

Para o especialista em saúde pública Hélder Martins, o plano apresenta várias incongruências desde logo porque "os idosos não estão em maior risco que os diabéticos".

"Também não percebo porque foi dada prioridade mais baixa aos idosos fora dos lares. Depois, criou-se o grupo dos mais de 50 anos, mas não, esse grupo deveria ser dos mais de 65 anos", criticou.

Falando num debate sobre a vacinação contra a Covid-19, organizado pela MTTV, uma plataforma de comunicação que congrega várias organizações não-governamentais (ONG), Hélder Martins disse também não entender por que motivo as FDS foram misturadas com os diabéticos nas prioridades.

"Os diabéticos estão divididos em dois grupos: os que estão inscritos na associação e os outros... Acho que isto é anticontitucional, acho que ser ou não ser membro de uma associação não pode ser critério de prioridade de saúde pública", frisou.

Desafios logísticos

Mauro Colombo, microbiologista da Universidade Eduardo Mondlane, a maior instituição do Ensino Superior no país, lembra que a vacinação pode enfrentar problemas na logística, sobretudo nas zonas rurais.

Mosambik Maputo Covid-19 Impfstoff

Cerimónia de receção das primeiras vacinas contra a Covid-19 em Moçamique a 24 de fevereiro

"Conhecemos as dificuldades do nosso país, como é complicada a nossa logística...", recordou. "Conhecemos os problemas das nossas estradas, todos esses fatores de segurança. Uma coisa é fazer um plano e outra é a capacidade logística de praticar o plano", adverte.

O Governo moçambicano prevê receber cerca de 1,7 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 até maio. Desde o início da pandemia, há um ano, Moçambique registou 711 mortes associadas à Covid-19, entre os 63.645 casos diagnosticados. Desses, 76% já se encontram recuperados.

Data visualization COVID-19 New Cases Per Capita – 2021-03-10 – Africa - Portuguese (Africa)

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados