Moçambique: ″Intervenção multilateral estrangeira é crucial para acabar com violência″, dizem analistas | NOTÍCIAS | DW | 10.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Moçambique: "Intervenção multilateral estrangeira é crucial para acabar com violência", dizem analistas

Analistas do Instituto de Estudos de Segurança da África do Sul consideram que a violência no norte de Moçambique será impossível resolver sem uma intervenção multilateral estrangeira, o que coloca a região num dilema.

Mosambik I Schnellinterventionseinheit UIR der mosambikanischen Polizei

A Unidade de Intervenção Rápida (UIR) de Moçambique, conhecida por combater os terroristas na província norte de Cabo Delgado, juntamente com o exército (foto de arquivo).

"A Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC, sigla em inglês) está num dilema. Por um lado, tem de responder à catástrofe humanitária em Moçambique - que condena como terrorismo - mas, por outro lado, procura proteger a soberania de Moçambique e não intervirá a não ser que isso seja pedido pelo Governo", escreve a equipa de analistas da África Austral numa análise conjunta publicada no site do instituto.

Num artigo com o título "Terrorismo em Moçambique precisa de soluções africanas", os analistas lamentam que os presidentes da África do Sul, Botsuana, Zimbabué e o vice-presidente da Tanzânia, convocados por Moçambique para debater a insegurança, "não tenham acordado num papel específico para a SADC e tenham apenas agendado uma cimeira extraordinária para janeiro".

Mosambik | Provinz Cabo Delgado | Bernardino Rafael

As Forças Armadas de Defesa de Moçambique em Cabo Delgado.

"Falta um plano concreto"

A falta de um plano concreto, acrescentam, "é sintomática da resistência moçambicana a qualquer tipo de apoio externo que possa levar a uma intervenção estrangeira multilateral no país". Esta, defendem, "não é uma crise que um país consiga resolver sozinho", por isso "a SADC tem de liderar uma resposta regional".

A crise de segurança e humanitária no norte do país não pode receber os mesmos remédios que estão a ser aplicados nas regiões do Sahel, onde o terrorismo ameaça diariamente a vida das pessoas: "Alguns dos maiores problemas do Mali e da Nigéria incluem a falta de uma estratégia abrangente nacional e regional, recursos limitados e um foco na ação militar à custa dos direitos humanos e de soluções de desenvolvimento", argumentam.

"Moçambique e a SADC parecem estar a ir pelo mesmo caminho", alertam, lembrando que num primeiro momento o Governo moçambicano classificou os ataques como simples crimes e contratou mercenários russos e sul-africanos em vez de negociar apoio coletivo dos países vizinhos.

Mosambik | Provinz Cabo Delgado | Vertriebene Kinder Opfer von Terrorismus

A violência armada em Cabo Delgado está a provocar uma crise humanitária, com mais de duas mil mortes e 560 mil deslocados.

"Futuro do terrorismo na região"

Para os analistas do ISS, "a maneira como a SADC e Moçambique lidarem com a crise vai determinar o futuro do terrorismo na região, já que uma resposta pouco decidida pode consolidar o califado do Estado Islámico na África Austral, tornando uma intervenção externa essencial".

Com Moçambique a admitir o envolvimento da SADC na crise, esta organização "tem de calibrar cuidadosamente a sua resposta, já que a segurança a longo prazo na região depende do sucesso da ação coletiva", concluem os analistas.

A violência armada em Cabo Delgado, onde se desenvolve o maior investimento multinacional privado de África, para a exploração de gás natural, começou há três anos e está a provocar uma crise humanitária com mais de duas mil mortes e 560 mil deslocados, sem habitação, nem alimentos, concentrando-se sobretudo na capital provincial, Pemba. 

Algumas das incursões passaram a ser reivindicadas pelo grupo 'jihadista' Estado Islámico desde 2019.

Assistir ao vídeo 03:00

Cabo Delgado: Governo moçambicano realoja deslocados internos