++ Minuto a Minuto: Eleições na Guiné-Bissau ++ | Guiné-Bissau | DW | 24.11.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

++ Minuto a Minuto: Eleições na Guiné-Bissau ++

Mais de 760 mil eleitores são, este domingo (24.11), chamados a votar nas eleições presidenciais na Guiné-Bissau para escolher, entre 12 candidatos, quem irá suceder a José Mário Vaz, que se recandidata ao cargo.

Guinea-Bissau | Wahlen (DW/B. Darame)

Contagem dos votos, no círculo 24, distrito 27, em Bissau

Todas as atualizações na hora de Bissau

 

++ Minuto a Minuto: Contagem de votos na Guiné-Bissau ++

+ Minuto a Minuto: Resultados das eleições na Guiné-Bissau +

 

22:30 Fica por aqui o minuto a minuto do dia de eleições na Guiné-Bissau. A partir das 07h00 de segunda-feira (25.11), continue a acompanhar na DW África o processo de contagem de votos.

22:22 O Governo português saúda e felicita o povo guineense pela forma "pacífica e ordeira" como decorreram as eleições presidenciais de hoje. As primeiras indicações apontam para uma significativa participação dos eleitores, lê-se num comunicado do Governo português sobre presidenciais guineenses. "Os guineenses expressaram livremente as suas preferências, à semelhança do que sucedeu nas legislativas de março último". Demonstraram, assim, o seu profundo empenho na consolidação democrática do país. Portugal aguarda o apuramento dos resultados e apela a todos os intervenientes para que seja garantido o respeito integral pela vontade popular, no quadro da Constituição e das leis. Portugal reitera o seu forte compromisso com este novo ciclo de esperança na vida do país irmão Guiné Bissau. 

Augusto Santos Silva (DW/J. Carlos)

Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal

22:12  Em entrevista exclusiva à DW África, a porta-voz da CNE, Felisberta Moura Vaz faz balanço do dia da votação na Guiné-Bissau. Segundo Felisberta Vaz, a assembleia de voto que fechou mais tarde foi no círculo 12, em Djabicunda, na região de Bafatá, onde foi registado um incidente, que acabou por ser ultrapassado.

A votação numa mesa daquele círculo eleitoral esteve interrompida depois de um fiscal de um partido considerar irregular a colocação nas urnas de votos antecipados e por essa razão foi a última a encerrar.

Ouvir o áudio 02:40

Guiné-Bissau: Resultados provisórios conhecidos até Quarta-feira

20:26 A Comissão Nacional de Eleições deverá divulgar na quarta-feira, dia 27, os resultados provisórios destes eleições presidenciais na Guiné-Bissau, disse à DW África a porta-voz, Felisberta Moura Vaz. Segundo a CNE, a votação decorreu sem incidentes que possam comprometer o processo. As missões de observação da CPLP e da União Africana relataram também que as eleições tiverem lugar num clima ordeiro e pacífico, apenas com "pequenos problemas".

19:50 O chefe da missão de observadores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) às eleições presidenciais de hoje na Guiné-Bissau, Oldemiro Balói, considerou que o processo de votação foi "tranquilo, pacífico e ordeiro", salvo "raríssimas exceções". Em declarações à agência Lusa e à RTP minutos antes do encerramento das urnas, às 17:00 locais (mesma hora em Lisboa), o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros moçambicano referiu que "as urnas abriram a horas, o processo esteve muito bem organizado".

De acordo com Oldemiro Balói, a missão da CPLP não tem conhecimento de "quaisquer atos de violência por parte dos eleitores" nem de "nenhum ato de repressão por parte das autoridades policiais", que se "mantiveram quietas nos seus postos, garantindo a tranquilidade necessária".Questionado sobre que tipo de irregularidades foi detetada, Oldemiro Balói referiu a contestação sobre a posição das cabines de votação com as pessoas a reclamarem "mais privacidade", porque isso "podia dar azo a que as pessoas pudessem fotografar os votos para fins inconfessáveis".

19:30 Prossegue a contagem e afixação, nas respectivas mesas de voto, das atas sínteses da votação desde domingo na Guiné-Bissau e na também na diáspora. Entretanto, o chefe da missão de observação eleitoral da União Africana às presidenciais da Guiné-Bissau, Rafael Branco, fez hoje um balanço positivo do dia eleitoral, considerando que é uma "festa da transparência".

Numa primeira avaliação feita aos jornalistas após o encerramento de uma mesa de voto em Kuntum 3, no círculo eleitoral 28, em Bissau, o antigo primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe considerou que o dia foi "bastante positivo"."Eu falo do que vi aqui em Bissau e é uma avaliação muito positiva e é uma festa da transparência como estamos a testemunhar", afirmou Rafael Branco.

Rafael Branco referia-se à contagem de votos já em curso naquela mesa, onde foi assistir ao encerramento das urnas, o que aconteceu às 17:00 locais (mesma hora em Lisboa). "De maneira calma, os escrutinadores estão a trabalhar sob o olhar atento dos representantes dos candidatos, da população em geral, e eu acho que isto é uma festa da transparência", salientou.

Rafael Branco disse também que os observadores da União Africana visitaram ao longo do dia 165 assembleias de voto e que os relatos estão todos dentro da mesma linha.

18:28 Cidadãos transmitem em direto no Facebook a contagem dos votos. Albano Barai é um deles.

18:17 Termina a votação sem incidentes e, neste momento, faz-se a contagem dos votos um pouco por todo o país e também na diáspora.

Cape Verde Mbala Fernandes (DW/B. Darame)

Embaixador da Guiné-Bissau em Cabo Verde, Mbala Fernandes

18:00 Começa o encerramento das urnas nas eleições presidenciais guineenses. Neste momento, várias assembleias de voto estão a preparar a contagem dos votos para afixação das atas sínteses, relatam rádios do país. 

17:49 A Comissão Nacional de Eleições da Guiné-Bissau reafirma, na sua segunda avaliação ao processo de votação, que tudo continua a decorrer com toda a normalidade, em todo o território nacional, bem como na diáspora e sem incidentes. A porta-voz da CNE, Felisberta Moura Vaz, sublinha que houve apenas uma situação que interrompeu a votação, no círculo 12, mesa 2, em Djabicunda, na região de Bafatá, leste da Guiné-Bissau. Mas diz que a situação foi ultrapassada e os eleitores continuam a votar.

"O funcionamento das mesas da assembleia de voto está a decorrer com total normalidade", afirma a CNE, quando falta uma hora para o fecho das urnas. A Comissão Nacional registou também a "afluência massiva2 às urnas, pelo que antevê que a taxa de participação será "positiva".  A CNE não confirmou as denúncias, feitas nas redes sociais, de tentativa do enchimento de urnas no interior do país. 

17:08 A Comissão Nacional de Eleições (CNE) fará, dentro de instantes, o segundo balanço do processo de votação. Na sua primeira avaliação, a porta-voz da CNE, Felisberta Vaz, garantiu que o processo de votação estavaa  decorrer com normalidade e que apenas se registou um problema com a tinta indelével, que já foi ultrapassado.

17:05 A votação decorre com normalidade em Portugal, quando faltam pouco menos de duas horas para o fecho das urnas.

Assistir ao vídeo 02:44

Votação dos guineenses na diáspora em Portugal

16:36 O chefe do Governo, Aristides Gomes, considerou que, após as eleições, "o trabalho tem de continuar" para se criem "as condições que permitam a rutura com a instabilidade política".

Assistir ao vídeo 00:52

Presidenciais não resolvem problemas do país “de forma mágica” - PM

16:09 Em em Portugal, a votação para as eleições presidenciais na Guiné-Bissau decorria a meio do dia de hoje sem registo de problemas na região de Lisboa, com Amadora a registar a maior afluência, segundo os responsáveis eleitorais. "A mesa com maior afluência é a mesa da Amadora. Percorremos as mesas [da região de Lisboa] e logo de manhã havia cento e tal pessoas para votar", disse Mário Silva, responsável consular.

15:25 O candidato às presidenciais apoiado pelo Partido de Renovação Social (PRS) e Assembleia do Povo Unido - Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), Nuno Nabiam apelou, hoje aos guineenses para votarem, porque só os votos elegem o futuro Presidente. "Acabei de votar em Bissorã. Apelo à calma em todo o país e para que as pessoas votem, porque só com o veredicto das urnas podemos eleger o Presidente", afirmou Nuno Nabiam, contactado pela agência Lusa por telefone.

O candidato, que é também vice-presidente do parlamento do país, votou em Bissorã, a cerca de 74 quilómetros a norte de Bissau. "O país encontra-se numa situação difícil e só com os votos podemos resolver os problemas da Guiné-Bissau e criar um clima de paz e estabilidade. O Presidente tem de ser votado pelo povo e é o veredicto das urnas que nós queremos", disse Nuno Nabian, acrescentando que a sua candidatura está tranquila e a esperar o resultado do escrutínio.

Guinea-Bissau | Nuno Gomes Nabiam

Nuno Gomes Nabiam

15:05 O chefe da missão de observadores da União Africana (UA), Rafael Branco, considerou que as eleições presidenciais de hoje na Guiné-Bissau estão a decorrer de forma livre e pacífica."Até ao momento, o relato que temos é que as coisas estão a decorrer normalmente, as pessoas estão a votar pacificamente, livremente e o processo eleitoral corre bem", disse o ex-primeiro-ministro são-tomense, em declarações à agência Lusa.

Guinea-Bissau |

Rafael Branco, chefe da missão de observação da UA

Rafael Branco referiu que a UA tem observadores "em todo o território da Guiné-Bissau" e que a missão fará uma avaliação mais completa da forma como decorreram as eleições hoje à noite, tendo previsto apresentar o relatório final na terça-feira (26.11).

14:49 O candidato às presidenciais do Movimento para a Alternância Democrática (MADEM-G15), Umaro Sissoco Embaló, pediu aos guineenses para irem votar e "deixarem os boatos", sublinhando que espera que tudo continue a correr bem. Umaro Sissoco Embaló votou em Gabu, no nordeste do país, a cerca de 200 quilómetros de Bissau, onde está recenseado e nas eleições legislativas de 10 de março foi eleito deputado, mas regressou à capital guineense onde fez declarações aos jornalistas.

 14:37 A Célula de Monitorização Eleitoral da Sociedade Civil guineense, no seu primeiro balanço, constatou que 91,43% das assembleias de voto abriram à hora prevista e que das 275 mesas visitadas, 251, correspondentes a 89,65%, tiveram todos os materiais e apenas 8,57%, não tinham os materiais completos. 

14:09 Antes de depositar o voto na urna, o candidato às presidenciais do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Domingos Simões Pereira, apelou aos guineenses que exerçam o seu direito de voto.

Assistir ao vídeo 00:31

Domingos Simões Pereira apela à afluência às urnas

13:40 Num vídeo publicado na página de Facebook da Célula de Monitorização do Processo Eleitoral, Domingos Simões Pereira destacou o trabalho daquela plataforma de observação do escrutínio.

13:11 A porta-voz da Comissão Nacional de Eleições da Guiné-Bissau, Felisberta Vaz, adianta que o processo de votação está a decorrer com normalidade e que apenas se registou um problema com a tinta indelével, que já foi ultrapassado. "Não deve constituir nenhum alarm,e pois existem outros mecanismos de controlo e de segurança do voto do eleitor para não permitir a duplicidade do voto", afirmou Felisberta Vaz, que é também secretária-executiva adjunta da CNE guineense. 

"Não há nenhuma perturbação no terreno ou incidentes dignos de registo", salientou a porta-voz da CNE. 

Wahlen in Guinea-Bissau

A tinta indelével é usada para diminuir a probabilidade de um eleitor votar mais do que uma vez

Felisberta Vaz apelou também a todos os presidentes das mesas das assembleias de voto para não impedirem os fiscais dos candidatos de assumirem o seu lugar na mesa por "terem chegado atrasados". 

13:09 Uma encarregada da Delegação da União Europeia na Guiné-Bissau visitou a Célula de Monitorização Eleitoral da Sociedade Civil na capital guineense. A plataforma visa monitorizar as eleições presidenciais através da recolha de informações. A estrutura é integrada pela Plataforma Política das Mulheres, Rede da Paz e Segurança para as Mulheres no Espaço dos Estados CEDEAO, Rede Oeste Africana para Construção da Paz, Federação de Associações para Defesa e Promoção dos Direitos das Pessoas com Deficiência, com parceria da Humanité & Inclusion, e o Grupo de Organizações da Sociedade Civil para as Eleições. 

12:54 O sociólogo Miguel de Barros tem acompanhado o sufrágio e publicado informações com regularidade no Twitter. O investigador informa que a Célula de Monitorização da Sociedade Civil visitou 275 assembleias de voto, sendo que a maioria (91%) iniciou funções à hora prevista. Regista-se até agora uma "boa participação" no pleito.

12:40 O primeiro-ministro guineense, Aristides Gomes, votou na mesa 1, ao lado da sua residência, no círculo 24, em Bissau. O chefe de Governo entrou em funções em junho, mas foi demitido no final de outubro por José Mário Vaz - decisão amplamente criticada pela comunidade internacional.

Aristides Gomes considerou que as eleições presidenciais são importantes, mas não irão resolver os problemas do país "de forma mágica". "Não são as eleições que irão resolver o problema de uma forma mágica, mas são um ato muito importante porque vão permitir instalar um Presidente que irá contribuir, em princípio, para a estabilização do nosso país", comentou o primeiro-ministro.

12:25 Membros de organizações da sociedade civil estão a acompanhar o escrutínio em todo o país a partir da Célula de Monitorização Eleitoral em Bissau. A rede conta com 422 observadores em todas as regiões da Guiné-Bissau.

12:15 O Presidente cessante, José Mário Vaz, votou esta manhã num círculo eleitoral junto ao Palácio da República, em Bissau. Depois de depositar o voto na urna, José Mário Vaz enalteceu as "liberdades de imprensa, de expressão e de manifestação alcançadas no seu mandato". 

De acordo com José Mário Vaz, as vozes internas e externas que se elevaram contra ele "não conseguiram mudar o destino" do país. Sobre se aceitaria os resultados em caso de derrota, José Mário Vaz disse que o poder é do povo e que só se não fosse democrata é que recusaria os resultados.

Guinea-Bissau Bissau Wahlen Präsidentschaftskandidat José Mário Vaz (DW/B. Darame)

José Mário Vaz

12:10 Gabriel Fernando Indi, do Partido Unido Social Democrático (PUSD), um partido extra parlamentar, votou no círculo eleitoral 24, mesa 1, junto à sede do FC União Desportiva Internacional de Bissau, na capital guineense. Gabriel Indi é um dos 12 candidatos presidenciais.

 Gabriel Indi PUSD Guinea Bissau

Gabriel Indi (PUSD)

11:50 O correspondente em Bissau, Iancuba Dansó, informa que Domingos Simões Pereira, candidato apoiado pelo Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), votou perto da sua residência em Bissau, no bairro de Luanda.

O candidato presidencial asseverou que as eleições devem servir para virar a página para a Guiné-Bissau encontrar estabilidade. "Que estas eleições sirvam para um virar da página, que a Guiné-Bissau encontre a normalidade constitucional e a partir dessa normalidade constitucional possa construir a paz, a estabilidade e o desenvolvimento", afirmou.

Domingos Simões Pereira PAIGC Guinea Bissau

Domingos Simões Pereira, candidato do PAIGC

Domingos Simões Pereira apelou também aos guineenses para exercerem o seu direito de voto e a sua obrigação cívica. Quando questionado sobre uma eventual segunda volta, Simões Pereira disse que vai aguardar pelos resultados da Comissão Nacional de Eleições (CNE) e, caso haja uma segunda volta, estará pronto para enfrentá-la.

11:45 O ex-primeiro-ministro guineense, Carlos Gomes Júnior, já votou em Bissau. O candidato independente disse estar confiante na vitória, depois de exercer o seu direito de voto no centro da capital guineense, Bissau. 

"Estou confiante na vitória para tirar o país da situação de miséria que está", afirmou aos jornalistas Cadogo, nome pelo qual é conhecido o antigo primeiro-ministro guineense, depois de exercer o seu direito cívico. 


O antigo presidente do PAIGC é um dos candidatos independentes que disputam a corrida à Presidência da República.

11:42 A Célula da Monitorização Eleitoral da Sociedade Civil recebeu esta manhã a visita do Presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE), José Pedro Sambú, num momento em que está a ser preparada a primeira comunicação pública sobre a abertura das urnas.

 

11:12 O candidato Umaro Sissoco Embaló, suportado pelo MADEM-G15, líder da oposição, acaba de votar em Gabú, no leste da Guiné-Bissau.

Umaro Sissoco Embaló Wahlen in Guinea Bissau

Umaro Sissoco Embaló votou em Gabú

O general na reserva concorre à sua primeira eleição presidencial no país. Sissoco foi primeiro-ministro da Guiné-Bissau em 2016. Sissoco Embaló é uma das pessoas que assinou um acordo entre vários candidatos contra Domingos Simões Pereira, apoiado pelo Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC).

O acordo prevê o apoio ao candidato que passe a uma eventual segunda volta, prevista para 29 de dezembro, contra Domingos Simões Pereira.  
 

10:33 A ministra guineense da Função Pública, Fatumata Djau Baldé, visitou esta manhã as equipas da Célula de Monitorização Eleitoral da Sociedade Civil e deu conta de algumas queixas de falta de material, bem como atrasos na abertura das mesas de voto.

09:15 Milhares de pessoas já exerceram o seu direito de voto nas primeiras duas horas de votação. Na cidade de Bissau, praticamente não há transito. 

Assistir ao vídeo 00:52

Já se vota na Guiné-Bissau

08:50 O sociólogo Miguel de Barros informa ainda que mais 3.700 assembleias de voto abriram a tempo e sem incidentes relevantes. O investigador fala ainda num alto grau de participação e civismo dos que se dirigiram à mesa de voto.

07:50 No Twitter já começam a surgir algumas fotos da corrida às urnas. O sociólogo e investigador Miguel de Barros refere que há 422 monitores da sociedade civil a acompanhar o pleito a nível nacional. 

07:30 Fonte da Comissão Nacional de Eleições (CNE) adiantou à agência de notícias Lusa que deverá fazer um primeiro balanço da votação a meio da manhã, cerca das 10h00.

07:22 O gabinete da Organização das Nações Unidas (ONU) na Guiné-Bissau explicou, na sua página do Facebook, como se conseguiu distribuir o material de votação, incluindo os boletins de voto, pelas localidades mais remotas do país.

07:15 O correspondente da DW África em Bissau, Iancuba Dansó, informa que os primeiros minutos do início da votação decorrem com aparente tranquilidade na capital guineense. O povo guineense vai poder votar ao longo de 10 horas. As urnas encerram às 17h00.

07:05 Cinco coisas a saber sobre as eleições deste domingo (24.11):

- A campanha eleitoral foi marcada pelo facto de o Presidente da República, José Mário Vaz, nomear um novo Governo, uma medida recusada pela comunidade internacional, que exigiu ao chefe de Estado que se limitasse aos seus poderes de gestão sem interferir na ação governativa;

 - Concorrem nestas eleições 12 candidatos, entre os quais José Mário Vaz (Independente), Domingos Simões Pereira (PAIGC), Umaro Sissoco Embaló (MADEM-G15), Nuno Nabian (APU-PDGB e PRS) e Carlos Gomes Júnior (Independente);

- Na reta final da campanha, vários candidatos anunciaram um acordo contra Domingos Simões Pereira (PAIGC). Esse acordo prevê o apoio ao candidato que passe a uma eventual segunda volta, prevista para 29 de dezembro, contra Domingos Simões Pereira;

Guinea-Bissau Domingos Simões Pereira, Vorsitzender PAIGC

Domingos Simões Pereira, candidato presidencial apoiado pela PAIGC

- O processo eleitoral conta com a observação de 23 representantes da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), 54 da União Africana (UA), 60 da Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO) e 47 dos Estados Unidos da América;

- Durante o dia, 6.500 elementos das forças de segurança e defesa vão garantir a segurança da votação em todo o país.

07:00 As urnas já abriram na Guiné-Bissau. Mais de 760 mil eleitores são chamados a votar nas eleições presidenciais na Guiné-Bissau para escolher, entre 12 candidatos, quem irá suceder a José Mário Vaz, que se recandidata ao cargo. A Comissão Nacional de Eleições (CNE) da Guiné-Bissau garantiu, na sexta-feira (22.11), que estão reunidas as condições para que a votação para as presidenciais decorra com tranquilidade e "sem sobressaltos".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados