Merkel afirma que Alemanha vive fase mais difícil da pandemia do coronavírus | NOTÍCIAS | DW | 09.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Merkel afirma que Alemanha vive fase mais difícil da pandemia do coronavírus

A chanceler alemã Angela Merkel reconheceu neste sábado (9.1) que país enfrenta fase mais difícil da pandemia da Covid-19 e pediu cumprimento das novas restrições, para recuperar controle da propagação do coronavírus.

Deutschland Berlin | Angela Merkel, Bundeskanzlerin

A chanceler alemã, Angela Merkel.

Em sua habitual mensagem em vídeo divulgadas aos sábados, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, pediu à população para ser paciente, prudente e atenciosa com as outras pessoas diante da segunda onda de contágio, que ela chamou de "perigosa". "Quanto mais consistentemente aplicarmos as medidas hoje, mais cedo poderemos controlar (a pandemia) e menos tempo teremos para viver com essas restrições", declarou a chefe de governo.

Merkel e os chefes dos 16 governos regionais concordaram na última terça-feira (5.1) em prorrogar até o final de janeiro as atuais restriçlões à vida pública e à atividade económica no país, bem como em apertar algumas delas. Lazer, cultura, gastronomia e esportes permanecerão fechados, como acontece desde novembro, assim como escolas e empresas não essenciais, inativas desde dezembro.

Symbolbild I Verlängerung des Lockdowns in Deutschland

Encontros privados foram reduzidos aos coabitantes mais uma pessoa de fora da casa.

Encontros privados

Além disso, os encontros privados foram reduzidos aos coabitantes mais uma pessoa de fora da casa, e a mobilidade nas áreas com maior incidência acumulada é limitada a um raio de 15 quilômetros ao redor da cidade de residência.

A chanceler reconheceu que as medidas são "duras" e "drásticas", afetando profundamente o dia a dia, mas são "necessariamente obrigatórias", dada a evolução da pandemia no país. Nas últimas 24 horas, a Alemanha registrou 24.694 novas infecções e 1.083 mortes por Covid-19, um dos números mais altos desde o começo da crise sanitária global.

O objetivo, reiterou a líder, é reduzir a incidência acumulada em sete dias para um máximo de 50 casos por 100 mil habitantes, em comparação com os atuais 153,9 por 100 mil.

Vacina é uma esperança

Merkel também falou da esperança que a chegada da vacina representa mesmo reconhecendo que a campanha de vacinação teve um início lento, como tem sido denunciado por setores críticos. O ritmo vai acelerar com o passar dos dias e a chegada de mais doses, prometeu o chanceler, que enfatizou que o que é importante é que haverá o suficiente para todos na Alemanha.

"A cada mês mais pessoas poderão ter acesso à vacina, e eventualmente todos aqueles que quiserem podem ser vacinados", disse ela, especificar datas.

O Ministro da Saúde, Jens Spahn, declarou que, até meados do ano, os imunizantes contra a Covid-19 estarão disponíveis para todos os que desejarem.

Com relação à polêmica dos últimos dias na Alemanha sobre a conveniência de obter vacinas através da Comissão Europeia em vez de sozinha, Merkel defendeu a sua posição. "Nenhum país pode estar seguro quando seus amigos e vizinhos não estão", argumentou.

Assistir ao vídeo 01:39

A vacina da BioNTech funciona contra nova variante da Covid-19?

Leia mais