Manifestantes marcham contra a banalização da criminalidade em Angola | Angola | DW | 16.06.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Manifestantes marcham contra a banalização da criminalidade em Angola

Dezenas de angolanos protestaram contra a violência e a "banalização da criminalidade" no país, este sábado (16.06) em Luanda. Manifestantes exigiram medidas claras para reduzir onda de assaltos e assassinatos em Angola.

Angola Demo in Luanda (DW/B. Ndomba)

Dezenas de manifestantes marcharam contra a criminalidade em Luanda

A caminhada em "silêncio", promovida pelo Observatório para Coesão Social e Justiça, juntou na tarde deste sábado (16.06), dezenas de cidadãos que marcharam do Largo do Porto de Luanda até à Praça do Baleizão, localizada na baixa da cidade de Luanda.

Os manifestantes exibiam cartazes com vários dizer como "Quero trabalho para eu deixar de roubar" e "Desmantelamento imediato dos esquadrões da morte", entre outros.

A manifestação foi uma das poucas autorizadas pelo Governo Provincial de Luanda no centro da cidade nos últimos anos e foi acompanhada de perto pela polícia.

Os participantes da marcha contra a "violência e a banalização da criminalidade" em Angola apontam como solução para o fim deste conflito social a implementação geral de uma política de coesão social, que tutela o exercício dos direitos fundamentais básicos, entre os quais, a educação, a saúde, a habitação, o emprego e "fundamentalmente a igualdade de oportunidades".

Angola Demo in Luanda (DW/B. Ndomba)

Manifestantes apresentaram suas demandas em cartazes

O ato contra ações criminosas em Angola aconteceu semanas depois de um agente do Serviço de Investigação Criminal (SIC) ter morto a queima roupa um jovem, acusado de ser delinquente.

Para além disso, a capital angolana continua a registar vários casos chocantes de crimes diversos. Por isso, estes cidadãos decidiram marchar para exigir das autoridades que tome medidas claras para reduzir a onda de assaltos e assassinatos no país.

No comunicado final, os manifestantes apelaram à união dos cidadãos "para combater a violência de forma coerente e pacífica, dentro dos princípios de Estado de Direito, baseando-se nas normas vigentes, incentivar a transmissão de valores e princípios morais que despertem a juventude e a futura geração - sobretudo o critério da resolução dos conflitos sociais pela via não violenta - e fomentar o desenvolvimento de um Estado", lê-se no documento lido pelo advogado Zola Bambi, coordenador do Observatório para a Coesão Social e Justiça.

Os manifestantes repudiaram de forma "arrepiante" a natureza dos crimes, que na sua maioria acontecem em plena luz do dia, em assaltos a mão armada a "residências, estabelecimentos comercias, agências bancárias, roubos com violência acentuada, raptos, violações sexuais, torturas, homicídio e ocupação ilegal de terras".

Angola Demo in Luanda (DW/B. Ndomba)

Marcha foi acompanhada pela polícia

Desemprego na base do problema

Albano Capiñala, um dos participantes da marcha, disse à DW África que o desemprego é um dos grandes factores que levam os jovens a abraçar a delinquência.

"A base da criminalidade é o desemprego. Os jovens recorrem a isso [o crime] por falta de orientação. Então, a polícia não deve responder da mesma maneira violenta. O Governo deve estar mais aberto para as políticas destinadas à juventude. E, quando isso acontecer, a polícia terá pouco trabalho," considerou o jovem que condena a ação do SIC que executou um cidadão na via pública.

Oliveira Carlos também aponta a falta de emprego e formação como gatilho da criminalidade.

"Precisamos que o Governo crie novas políticas que possam empregar mais jovens. Em Viana, um empresário reuniu-se com alguns jovens delinquentes para saber a razão das suas ações e os mesmos foram unânimes em dizer que precisam de emprego em troca da delinquência e isso quer dizer que há fome. E quando trata-se da questão da barriga, não há quem resista", afirmou o jovem angolano. 

Leia mais