Mais de mil de presos fugiram de prisão na RDC após ataque | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 20.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Mais de mil de presos fugiram de prisão na RDC após ataque

Mais de mil presos, incluindo alegados membros das Forças Democráticas Aliadas (ADF), escaparam da prisão de Beni, no leste da República Democrática do Congo (RDC), após um ataque atribuído àquele grupo armado.

Cidade de Beni (foto de arquivo)

Cidade de Beni (foto de arquivo)

"A prisão de Kangbayi foi atacada pela ADF", disse à agência de notícias France-Presse (AFP) o presidente interino da câmara de Beni, Muhindo Bwakanamaha.

"Apenas cerca de 100 dos 1.455 reclusos não saíram da prisão", acrescentou aquele responsável. "Dois prisioneiros foram mortos a tiro e muitos dos 1.300 detidos desapareceram após o ataque, que foi levado a cabo pelos rebeldes ADF por volta das 04:30", disse a polícia no Twitter.

Dezenas de soldados e polícias estavam hoje de manhã a garantir a segurança do estabelecimento prisional, enquanto as autoridades locais visitavam o local, informou um correspondente da AFP. 

Dois veículos blindados da Missão das Nações Unidas no Congo (Monusco) foram colocados no local.

Aumentam receios de mais insegurança

Os residentes locais que estavam junto à prisão disseram temer um recrudescimento da "insegurança" após esta fuga espetacular, de acordo com testemunhos recolhidos pela AFP.

Os membros das ADF são acusados de serem responsáveis pelo massacre de mais de mil civis na região de Beni, desde outubro de 2014.

Só desde novembro do ano passado já mataram centenas de civis, altura em que o exército congolês anunciou uma ofensiva contra as suas bases e líderes na floresta e na selva em redor de Beni.

As ADF são originalmente compostas por rebeldes muçulmanos ugandeses que estão presentes na RDc desde 1995. Há anos que não atacam o vizinho Uganda, vivendo do tráfico na região.

Alguns dos seus ataques foram reivindicados pelos jihadistas do Estado Islâmico, desde abril de 2019, sem que haja, no entanto, provas concretas de qualquer filiação real.

As fugas não são raras nas prisões sobrelotadas da RDC, a maioria das quais foram construídas durante a era colonial (antes de 1960).

Leia mais