Julgamento de ex-ministra: ONG acusa tribunal de violar liberdade de imprensa | Moçambique | DW | 17.03.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Julgamento de ex-ministra: ONG acusa tribunal de violar liberdade de imprensa

Jornalistas impedidos de gravar imagens e sons pelo tribunal durante julgamento da ex-ministra do Trabalho, Helena Taipo. Esta é acusada de corrupção e o MISA acusa o tribunal de "atropelo grave" à liberdade de imprensa.

Mosambik Maria Helena Taipo ehemaliger Arbeitsminister

Helena Taipo, ex-ministra do Trabalho de Moçambique

O Instituto de Comunicação Social da África Austral (MISA), organização não-governamental, acusou o tribunal que julga um caso de corrupção que envolve a antiga ministra do Trabalho, Helena Taipo, de "grave atropelo", por impedir a captação de imagem e som.

"O MISA Moçambique entende que esta postura do tribunal, para além de violar a liberdade de imprensa e o direito à informação proclamados no artigo 48 da Constituição da República de Moçambique, representa um grave atropelo ao princípio da publicidade das audiências", refere um comunicado de imprensa do MISA.

Na nota, o MISA avança que o Tribunal Judicial da Cidade de Maputo proibiu os jornalistas de filmarem e gravar o julgamento do caso em que a antiga ministra do Trabalho e mais dez arguidos são acusados de desvio de mais de 113 milhões de meticais (1,6 milhões de euros) do Estado.

Jornalistas retirados do tribunal

Segundo a organização, o tribunal começou por pedir a retirada dos jornalistas da sala de audiências, na terça-feira (15.02), primeiro dia do julgamento, tendo depois permitido o seu regresso "mediante negociações".

Assistir ao vídeo 04:54

A corrupção em Moçambique e a "síndrome do segundo mandato"

As "negociações" impunham que não podiam ser captadas imagem e som durante os trabalhos.

"O MISA apela, por isso, a que o tribunal reconsidere a decisão restritiva por si tomada e reponha a lei, a bem da transparência do julgamento e do direito à informação dos cidadãos, legal e constitucionalmente consagrados", lê-se no texto.

Os limites da cobertura jornalística dos julgamentos em Moçambique é matéria de grande controvérsia.

Alguns juízes assumem que a lei apenas permite a tomada de notas, outros aceitam a gravação e som para transmissão em diferido e outros a entendem que é autorizada a transmissão em direto das audiências de julgamento.

O juiz do caso das dívidas ocultas, considerado o maior julgamento na história de Moçambique, permitiu a transmissão em direto das audiências, defendendo o direito do povo à informação.

As acusações

O Tribunal Judicial da Cidade de Maputo começou na terça-feira a julgar a antiga ministra do Trabalho Helena Taipo e mais 10 arguidos por alegada participação no desvio de 1,6 milhões de euros do Estado.

A antiga ministra, mandatária desde 2005 a 2015, da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), e outros 10 suspeitos são acusados de ter desviado aquele montante das contas da Direção do Trabalho Migratório (DTM), uma das entidades na altura tuteladas por Taipo.

A antiga ministra é ainda acusada noutro caso de ter recebido cerca de 100 milhões de meticais (1,4 milhões de euros) de subornos em 2014.

Os alegados subornos corresponderiam a contrapartidas pelo favorecimento de empresas de construção civil e do setor gráfico em contratos com o Instituto Nacional de Segurança Social (INSS), entidade que a então ministra também tutelava.

Assistir ao vídeo 03:23

Moçambique: Liberdade de imprensa em perigo

Leia mais