Gigantes farmacêuticas fazem parceria para vacina contra coronavírus | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 17.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Gigantes farmacêuticas fazem parceria para vacina contra coronavírus

Após polémica sobre alegada tentativa de Trump comprar para os Estados Unidos a exclusividade sobre a pesquisa da alemã CureVac, outras empresas alemã e norte-americana anunciam parceria para vacina contra o coronavírus.

A BioNTech da Alemanha vai usar a sua plataforma de desenvolvimento de medicamentos em colaboração com a norte-americana Pfizer para descobrir uma vacina potencial contra o novo coronavírus. O anúncio foi feito esta terça-feira (17.03).

As duas empresas assinaram uma carta de intensões para a distribuição da vacina fora da China. Nas próximas semanas, vão finalizar os termos financeiros e detalhes sobre desenvolvimento e fabricação. 

O acordo acontece dias depois de o Presidente Donald Trump ter alegadamente tentado comprar a exclusividade da vacina para os Estados Unidos a outro laboratório alemão – o CureVac. 

Corrida por uma vacina

US-Präsident Donald Trump (picture-alliance/AP Photo/A. Brandon)

Trump teria feito oferta à CureVac por exclusividade

A parceria entre a BioNTech e a Pfizer surge após uma alegada oferta do Governo norte-americano à alemã CureVac para que a empresa reserve uma eventual descoberta da vacina para os Estados Unidos - o que foi desmentido pelo laboratório alemão.

A notícia foi publicada pelo jornal alemão Welt am Sonntag, citando fontes próximas ao Governo alemão.

O diretor executivo da CureVac, Daniel Menichella, terá participado numa reunião na Casa Branca com Trump no início do mês, onde estavam integrantes da força tarefa do Governo norte-americano para o combate ao coronavírus e representantes da indústria farmacêutica dos Estados Unidos. 

Segundo a reportagem, Menichella teria recebido uma oferta em dinheiro pela exclusividade aos Estados Unidos de uma eventual descoberta da empresa.

O jornal publicou ainda que a chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, estaria a discutir com a CureVac a necessidade de a vacina ser igualmente utilizada na Europa, assim que estiver pronta.

Pode haver exclusividade?

Segundo um comunicado da CureVac, citado pela agência AFP, Menichella confirmou a sua presença na Casa Branca no dia 3 de março a convite de Trump para discutir "estratégias e oportunidades para um desenvolvimento rápido de uma vacina" contra o novo coronavírus.

"Para que fique claro sobre o coronavírus: a CureVac não recebeu uma oferta do Governo dos Estados Unidos ou de entidades com ele relacionadas, antes, durante ou desde a reunião com a força tarefa da Casa Branca", escreveu Menichella na conta da empresa na rede social Twitter.

O Governo da Alemanha rechaçou qualquer possibilidade de os Estados Unidos adquirirem os direitos exclusivos de uma vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pela CureVac. "Os nossos laboratórios estão a trabalhar para conseguir uma vacina para todos, sem exclusividades", esclareceu a porta-voz do Governo alemão, Ulrike Demmer

A Comissão Europeia disponibilizou uma linha de financiamento de até 80 milhões de euros para que a CureVac siga a trabalhar numa vacina contra o novo coronavírus.

Leia mais