Europeias: A ″onda verde″ de uns, os problemas de outros | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 27.05.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Europeias: A "onda verde" de uns, os problemas de outros

Os eleitores da União Europeia foram a votos. E, nestas eleições, os chamados "partidos tradicionais" temiam que uma "onda populista" inundasse o Parlamento Europeu. Mas a onda de que se fala agora é a "onda verde".

Há uma "onda verde" a espalhar-se pela Europa. Os Verdes são uns dos grandes vencedores destas eleições europeias. Passam a ter 70 assentos no Parlamento Europeu, contra os atuais 52. E veem a sua voz reforçada, como potenciais aliados dos partidos mais votados - os conservadores do Partido Popular Europeu e os sociais-democratas.

A alemã Ska Keller, cabeça de lista dos Verdes europeus, ficou radiante com os resultados:

"Estamos muito satisfeitos com a confiança que os eleitores depositaram em nós. Para nós, é uma tarefa enorme e uma grande responsabilidade," avaliou.

Ouvir o áudio 03:37

Europeias: A "onda verde" de uns, os problemas de outros

Aquecimento global em foco

O combate às alterações climáticas foi uma questão que marcou a campanha para as europeias.

Isto, numa altura em que se tem espalhado também uma "onda verde" um pouco por todo o mundo, com as chamadas "Sextas-feiras pelo Futuro". Centenas de milhares de estudantes de mais de 120 países têm ido para as ruas protestar contra o que dizem ser a inércia dos políticos para reduzir as emissões de carbono e combater os efeitos do aquecimento global.

O sucesso dos Verdes na Europa deve-se igualmente à subida do partido na Alemanha. A percentagem dos Verdes alemães, em relação às últimas eleições, quase duplicou, para 20,5%. Os Verdes foram o segundo partido mais votado na Alemanha - um resultado histórico. Para isso, tiveram a ajuda da juventude. Um em cada três jovens alemães votou nos Verdes.

O partido pede, a longo prazo, uns "Estados Unidos da Europa" - o oposto do que pedem os populistas de extrema-direita da Alternativa para a Alemanha (AfD, na sigla em alemão) que lutam por uma Europa de pátrias soberanas e querem acabar com o Parlamento Europeu. A AfD ficou em quarto lugar e envia 11 deputados para Estrasburgo.

Sociais-democratas sob pressão

Já os sociais-democratas alemães do SPD, que estão no Governo com a chanceler Angela Merkel, tiveram um domingo eleitoral para esquecer. Uma grande maioria dos alemães está insatisfeita com o Executivo de Merkel, confirmou uma sondagem recente. E, este domingo (26.05), nas europeias, o Partido Social-Democrata da Alemanha (SPD, na sigla em alemão) teve uma queda vertiginosa de mais de 11 pontos, para 15,8%. Perdeu ainda, em eleições estaduais, o seu bastião de Bremen, no norte, onde o SPD ficou mais de 70 anos em primeiro lugar, até agora.

Deutschland | PK Andrea Nahles (SPD) | Europawahlen 2019 (Getty Images/AFP/T. Schwarz)

Andrea Nahles

Por isso, cresce a pressão sobre a líder do partido, Andrea Nahles, para mudar de estratégia.

"Estes resultados decepcionam-nos bastante. Pela primeira vez, ficamos em terceiro lugar numas eleições a nível nacional, atrás dos Verdes. Aos Verdes, digo: Parabéns. E para nós, SPD, digo: cabeça levantada, aceitamos este desafio," pontua Nahles.

É preciso analisar os resultados, diz o deputado do SPD com raízes senegalesas Karamba Diaby.

"Vemos claramente que temos de acentuar temas sobre o futuro, como as alterações climáticas ou as energias renováveis. Vemos muitos jovens empenhados neste tema," defende.

E, se o SPD mudar de estratégia, a questão que se coloca é se aumentarão as dissonâncias dentro do Governo alemão, entre sociais-democratas e conservadores.

Nem tanto à direita

Entretanto, na União Europeia respirou-se um pouco de alívio.

Apesar de o Parlamento Europeu ficar mais fragmentado depois desta eleições, os populistas de direita não avançaram tanto como os partidos tradicionais temiam, refere o especialista em assuntos europeus Janis Emmanouilidis.

Europawahl l Frankreich - Präsident Macron gibt seine Stimme ab (Getty Images/AFP/L. Marin)

Presidente francês, Emmanuel Macron, a votar

"Já sabíamos que não conseguiriam uma maioria, mas talvez tenham tido um resultado mais fraco do que se esperava," considera o estudioso.

Os populistas conquistaram cerca de 20% dos votos.

Ainda assim, em França, o partido de extrema-direita União Nacional venceu as europeias.

O partido de Marine Le Pen ficou nove décimas acima do partido do Presidente Emmanuel Macron.

Em Itália, o partido de extrema-direita de Matteo Salvini também foi o mais votado.

Os eleitores da União Europeia foram a votos - a maior parte deles, no domingo (26.05) - nestas que eram tidas como umas eleições decisivas sobre o futuro da Europa.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados