Crianças de rua de Kinshasa no Festival de Cinema de Berlim | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 23.02.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Crianças de rua de Kinshasa no Festival de Cinema de Berlim

"Maki'La" é o primeiro filme da realizadora Machérie Ekwa Bahango. Retrata a vida difícil das crianças de rua na capital da República Democrática do Congo. A estreia foi no Festival de Cinema de Berlim, a Berlinale.

Machérie Ekwa Bahango é um nome a reter. Com apenas 24 anos, a realizadora veio à capital alemã assistir à estreia mundial do seu primeiro filme, "Maki'La" no Festival de Cinema de Berlim. Na sala esgotada da Academia das Artes, o público acolheu calorosamente a longa-metragem que retrata a vida difícil das crianças de rua de Kinshasa, na República Democrática do Congo.

Bahango conta a história de Maki, de 19 anos, que abandona o seu marido por causa da violência e das eternas discussões. Mas quando desenvolve uma relação de amizade com a jovem Aicha, o marido ciumento persegue as duas pelas ruas de Kinshasa.

200 mil crianças de rua 

"Queria fazer um filme sobre um tema que tem impacto na sociedade", afirma a realizadora em entrevista à DW. "Conheci um grupo de crianças de rua de quem me tornei muito amiga, e aprendi que temos os mesmos sonhos. O meu filme rende-lhes homenagem."

Deutschland Regisseurin Machérie Ekwa Bahango auf der Berlinale

Realizadora Machérie Ekwa Bahango aprendeu sozinha a fazer filmes

"Maki'La" não retrata apenas o lado duro e violento da vida na rua, mas também do amor e da amizade. No entanto, não esconde a realidade, que torna os 200 mil jovens e crianças que vivem nas ruas da capital congolesa vítimas e perpetradores de violência, violações roubos e droga.

Autodidata

A realizadora Machérie Ekwa Bahango é uma autodidata. Aprendeu a fazer filmes na Internet e foi também aqui que conseguiu os primeiros contactos com potenciais colaboradores. Levou três anos para concluir a sua primeira obra com a ajuda do pai, que lhe emprestou o capital inicial. Aos poucos conseguiu convencer produtores a investir no projeto. A estreia mundial em Berlim foi um alívio.

Ouvir o áudio 02:31

Crianças de rua de Kinshasa na Berlinale

"Mas não me teria sentido tão aliviada sem a receção calorosa do público alemão", diz. "Estava muito nervosa quando vi tanta gente. A sala estava cheia, não havia um lugar. Fiquei à espera de ver pessoas sair a meio do filme, mas todos ficaram até ao fim."

O despertar do cinema congolês?

A história de Bahango parece mais algo que acontece em Hollywood do que no Congo, que praticamente não tem uma indústria cinematográfica. Mas Bahango acredita no seu país e nos jovens que, como ela, têm a paixão pelos filmes e considera que, juntos, serão capazes de fazer produções congolesas sobretudo para um público congolês. A jovem realizadora diz que ficou profundamente marcada pela experiência dos últimos três anos.

"Nem sei como dizer obrigada à minha equipa", comenta. "Os técnicos e os atores trataram-me com um carinho enorme. Apesar do filme ter demorado três anos a realizar, todos estiveram sempre à minha disposição. Faria qualquer coisa por eles."

Nota-se que fica comovida quando pensa na sua equipa. Mas também é evidente o orgulho de ter provado que vale a pena lutar pelos seus sonhos.

Leia mais