Covid-19: Moçambique anuncia primeiro caso da doença | Moçambique | DW | 22.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Covid-19: Moçambique anuncia primeiro caso da doença

Trata-se de um cidadão moçambicano, com mais de 75 anos, que recentemente esteve no Reino Unido. Anúncio foi feito há pouco pelo ministro da Saúde, Armindo Tiago, em Maputo. País tem poucos ventiladores mecânicos.

O ministro da Saúde de Moçambique, Armindo Tiago, anunciou este domingo (22.03) o primeiro caso de infeção pelo novo coronavírus no país confirmado pelas autoridades.

Trata-se de "um moçambicano, com mais de 75 anos, que voltou de uma viagem ao Reino Unidos em meados deste mês", referiu, em conferência de imprensa, em Maputo.

"Trata-se de um caso importado", realçou.

A infeção foi confirmada no laboratório do Instituto Nacional de Saúde (INS) nas últimas 24 horas.

O doente tem sintomas ligeiros, está em isolamento domiciliário e sob acompanhamento clínico pelas autoridades de saúde do país, realçou o ministro.

"Como mandam as regras da Organização Mundial de Saúde (OMS), decorre um rastreio de contatos" mantidos pelo portador do vírus, para "monitorização e avaliação de eventuais cadeias de transmissão do vírus".

Até este domingo (22.03), único caso confirmado de covid-19 relacionado a Moçambique era o do médico moçambicano residente em Espanha e que se encontra em tratamento nos hospital do país europeu.

Hospital Central de Maputo - Zentralkrankenhaus Maputo (DW/J. Beck)

Hospital Central de Maputo

Capacidade limitanda do sistema de saúde

Moçambique tem 34 ventiladores funcionais no sistema público de saúde, disse no sábado o ministro do setor, Armindo Tiago.

A população moçambicana deverá chegar este ano aos 30 milhões de habitantes, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

"Em termos de ventiladores, o país usa neste momento, nos diferentes hospitais, cerca de 24 ventiladores que estão funcionais no sistema público", referiu, ao ser questionado pelos jornalistas sobre os meios disponíveis para atender a eventuais casos severos de doença respiratória provocada pelo novo coronavírus.

Mosambik Armindo Tiago, Gesundheitsminister (DW/D. Anacleto)

Armindo Tiago

"[Na sexta-feira (20.03)] conseguimos tirar do porto de Maputo dez ventiladores adicionais que vão ser distribuídos pelos hospitais que não têm", acrescentou.

O ministro da Saúde fez ainda referência a uma parceria já estabelecida com o setor privado, em que "existem ventiladores que na eventualidade de eclosão [da covid-19] também poderão ser usados para salvar vidas".

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que 5% das pessoas que foram infetadas com covid-19 "necessitarão de terapia intensiva" e a maioria destas "necessitará de ventilação mecânica", sendo que "o diagnóstico mais comum em pacientes com covid-19 severa é pneumonia grave".

Diagnóstico e isolamento

Armindo Tiago disse que "o diagnóstico do novo coronavírus está disponível em todas as unidades sanitárias do país" e que há condições para o isolamento nas capitais provinciais e nalguns distritos.

Referiu ainda que, no caso de sintomas gripais, existem em Moçambique quantidade suficiente de medicamentos para tratar 3.000 doentes.

O ministro da Saúde anunciou na última semana em entrevista ao jornal O País que o país dispõe de 2.000 'kits' para diagnosticar o novo coronavírus, acrescentando que "a capacidade e preparação para a covid-19 vai aumentando, de forma progressiva, em função do plano de contingência" do Estado.

Coronavirus in Äthiopien Addis Ababa Mann mit Schutzmaske (AFP/M. Tewelde)

Mais países africanos anunciaram novos casos e mortes devido ao coronavírus

Covid-19 confirmada em três países dos PALOP

A confirmação de uma infeção em Moçambique soma-se aos dois casos registados em Angola e três registados em Cabo Verde - na ilha da Boa Vista, que se encontra em quarentena.

Assim, três dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) têm casos registados da covid-19.

Apenas a Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe ainda não confirmaram infetados pelo coronavírus em seus territórios.

Casos mais recentes em África

O primeiro caso da covid-19 no Uganda foi anunciado, este domingo (22.03), pela ministra da saúde, Jane Ruth Aceng. No sábado (21.03), o Zimbabué confirmou o segundo caso de covid-19. Também a Eritreia confirmou, no final do sábado, o primeiro caso da doença.

A República Democrática do Congo (RDC) anunciou, no sábado (21.03), a primeira morte devido ao novo coronavírus em Kinshasa.

Burkina Faso, Gabão e Maurícias também já registaram mortes devido à doença.

Entretanto, Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS) , advertiu que os números oficiais provavelmente não refletem o quadro real no continente africano.

Assistir ao vídeo 00:36

Como manter as mãos limpas para evitar o coronavírus

Leia mais