Covid-19: Confinamento social pode evitar morte de 65 mil moçambicanos | Moçambique | DW | 02.04.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Covid-19: Confinamento social pode evitar morte de 65 mil moçambicanos

Cumprir as medidas de prevenção contra a Covid-19 é crucial, conclui um estudo realizado antes do início do estado de emergência. Se o contacto social não diminuir, até 65 mil moçambicanos poderão morrer da doença.

A equipa de resposta à Covid-19 do Imperial College, em Londres, publicou um relatório na semana passada que conclui que "ações rápidas, decisivas e coletivas podem salvar milhões de vidas" durante o combate ao novo coronavírus.

A equipa chefiada pelo professor Neil Ferguson realiza modelos sofisticados sobre a progressão da pandemia de Covid-19 e construiu um modelo baseado na redução do contacto social. O estudo demonstrou que, se os governos impuserem restrições rígidas, os números de mortes e de infeções por coronavírus serão bastante mais baixos do que se nada for feito. Se nenhum governo agir, mais de 7 mil milhões de pessoas em todo o mundo serão infetadas e 41 milhões morrerão.

Covid-19 pode matar até 65 mil moçambicanos

O modelo de Ferguson revelou números alarmantes para Moçambique. Se o Executivo não fizesse nada para limitar o contacto social – ou se as medidas implementadas não forem cumpridas - entre 61 e 65 mil moçambicanos poderiam morrer de Covid-19.

O estudo mostra ainda que 94% da população de Moçambique poderá ficar infetada com o novo coronavírus e que, no pico, 190 mil pacientes vão precisar de camas hospitalares, dos quais 32 mil vão precisar de cuidados críticos. Estes números ultrapassam largamente a capacidade dos serviços de saúde locais.

Assistir ao vídeo 02:32

Moçambique: Professor sai às ruas para sensibilizar pessoas contra Covid-19

O Presidente Filipe Nyusi decretou o estado de emergência em Moçambique durante todo o mês de abril. À semelhança do que vigora na vizinha África do Sul, uma das restrições às liberdades individuais que pode ser invocada é a "obrigação de permanência em local determinado".

Antes, o Governo moçambicano já tinha anunciado algumas medidas de restrição de contacto social, como o fecho das escolas e a suspensão da emissão de vistos - o que poderá ajudar a baixar os números do modelo matemático da equipa do Imperial College.

Como reduzir estes números?

A resposta passa pelo isolamento social. Segundo o modelo de Ferguson, reduzir os contactos sociais em Moçambique para 45% diminui a taxa de infeção de coronavírus para 63% da população, um número já bem abaixo dos 94% de infetados previstos se nada for feito. No entanto, se os contactos sociais reduzirem para estes 45%, as mortes cairiam apenas para 48 mil, um número ainda alto quando comparado com os iniciais 61 a 65 mil.

Se o Governo moçambicano conseguir reduzir os contactos sociais em 75% mas esperar demasiado tempo para implementar este tipo de medidas, a mortalidade desce para os 30 mil e a taxa de infeção baixa para os 37%. No pico da epidemia no país, a procura hospitalar seria então de 84 mil.

O modelo sugere que, se a resposta for rápida, apenas 11% da população será infetada e haverá 9 mil mortes. A procura hospitalar máxima seria de 19 mil pacientes, dos quais 3.500 precisariam de cuidados intensivos.

A equipa de Ferguson conclui, portanto, que os governos têm de agir rapidamente para suprimir ao máximo os contactos sociais. Só assim será possível controlar a epidemia do novo coronavírus e não sobrecarregar os serviços de saúde locais.

Porque descem os números com o isolamento social?

Com base nos dados da Europa, cada pessoa com Covid-19 infeta três outras pessoas - geralmente antes de apresentarem sintomas - e a taxa de mortalidade diária dobra a cada três dias.

A única possibilidade de travar este crescimento exponencial é impedir que pessoas com a doença infetem outras pessoas. Isso significa reduzir rapidamente os contactos sociais. A resposta passa ainda por testar e isolar quem tem a doença e rastrear as pessoas com quem tiveram contactos.

Retornados da África do Sul fora do modelo

A África do Sul decretou um recolher obrigatório de três semanas a partir da meia-noite de sexta-feira passada (27.03) e milhares de moçambicanos retornaram a Moçambique da África do Sul. 

Joseph Hanlon, editor do artigo que publicou o estudo de Ferguson na newsletter "Mozambique News Reports & Clippings", questiona o impacto dos moçambicanos que regressaram da África do Sul: "Alguns já foram infetados e não sabemos para onde foram, mas provavelmente a maior parte foi para as áreas rurais."

Os números oficiais são reais?

À DW África, Hanlon reforça que os modelos são baseados em várias suposições e que há variáveis que faltam. "Moçambique tem um nível muito alto de HIV, o que provavelmente aumentará a taxa de mortalidade. Até agora, não temos sentido o espalhamento geográfico - ele está concentrado em Maputo."

A equipa de resposta à Covid-19 do Imperial College alerta que pode estar a subestimar o impacto nos países de baixos rendimentos com serviços de saúde pobres "que serão rapidamente sobrecarregados". Alerta ainda que modelos de computador não são previsões precisas e contêm sempre suposições. Neste caso, baseiam-se em experiências distantes como as da China e da Europa, portanto África pode apresentar resultados diferentes.

O modelo de Ferguson lista os resultados para cada país, incluindo Moçambique, tendo em conta dados do Banco Mundial e outras informações sobre rendimentos, serviços de saúde, perfis de idade ou tamanho da família, por exemplo. Reconhece-se também que o contacto social varia consoante os países e, portanto, para Moçambique, baseia-se em constatações de um estudo recente no Zimbabué. O modelo analisa a evolução da doença nos próximos 250 dias.

A vizinha África do Sul contabiliza mais de 1.300 casos e cinco mortes por Covid-19. Moçambique totaliza dez positivos e nenhuma morte.

Hanlon questiona a veracidade dos números oficiais de Moçambique. "Até agora, são basicamente urbanos - e não há muitos testes. Portanto, o número deve ser muito maior."

Modelo de Ferguson influencia Reino Unido

As projeções do relatório de 16 de março sobre a Grã-Bretanha foram tão chocantes que obrigaram o primeiro-ministro Boris Johnson a reverter totalmente a política do Reino Unido. Os britânicos estão em confinamento obrigatório há mais de uma semana.

Contudo, a medida não foi implementada cedo o suficiente. Johnson e o ministro da Saúde, Matt Hancock, divulgaram na sexta-feira passada (27.03) que testaram positivo para a Covid-19. O príncipe Carlos, herdeiro da coroa britânica, também está infetado. O Reino Unido regista esta quarta-feira (01.04) mais de 25.000 casos de infeção e 2.352 mortes pelo novo coronavírus e é o sexto país com mais mortos pela pandemia.

Leia mais