1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Foto: Koki Kataoka/dpa/picture alliance
SaúdeChina

China relaxa medidas contra Covid-19 após manifestações

tms | com agências
28 de novembro de 2022

Pequim relaxou algumas medidas da sua política de "zero Covid" após uma onda de protestos pelo país. Manifestantes pediram a demissão do Presidente Xi Jinping devido à rigidez do Governo no controlo da pandemia.

https://p.dw.com/p/4KBpy

As autoridades chinesas flexibilizaram, esta segunda-feira (28.11), algumas medidas no âmbito do combate à Covid-19. No entanto, garantiram que a estratégia "zero casos" da doença se mantém.

As declarações vêm na sequência das manifestações que exigiram a demissão do Presidente Xi Jinping, na maior demonstração de oposição ao Partido Comunista em décadas.

O porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Zhao Lijian, acusou "forças com motivações ocultas" de "estabelecerem uma ligação" entre um incêndio mortal na cidade de Urumqi, no noroeste da China, e as medidas de bloqueio impostas no âmbito da estratégia de "zero casos" de Covid-19.

Sob a "liderança do Partido Comunista Chinês e (com) o apoio do povo chinês, a nossa luta contra a Covid-19 vai culminar em sucesso", assegurou Zhao, em resposta à vaga de protestos ocorrida nos últimos dias.

China | Proteste gegen Chinas Null-Covid-Politik
Várias pessoas foram detidas nas manifestações em várias cidades chinesasFoto: HECTOR RETAMAL/AFP/Getty Images

Manifestações

As manifestações começaram na última sexta-feira (25.11) e espalharam-se por várias cidades, incluindo Xangai, centro financeiro do país, onde um repórter da emissora britânica BBC foi agredido, detido e logo depois libertado – uma agressão classificada como "inaceitável" pelo Governo do Reino Unido.

Em Pequim, centenas de moradores deixaram as suas casas em protesto contra as medidas de prevenção epidémica vigentes na China.

Em algumas cidades, os manifestantes lançaram palavras de ordem contra o Presidente Xi Jinping e o seu partido comunista.

China Protest gegen Covid-Politik in Shanghai
Polícia nas ruas de Xangai para controlar os protestosFoto: DW

Incêndio

Os cidadãos culparam os bloqueios na cidade de Urumqi pelo atraso nos esforços de socorro durante o incêndio que resultou em 10 mortos. Imagens postas a circular nas redes sociais mostram que o camião dos bombeiros não conseguiu entrar inicialmente no bairro, já que o portão de acesso estava trancado, e que os moradores também não conseguiram escapar do prédio, cuja porta estava bloqueada.

As autoridades negaram algumas das alegações sobre o incêndio, apontando que certas imagens difundidas 'online' de portas trancadas são falsas, de acordo com a agência noticiosa oficial Xinhua.

A mesma fonte reconheceu que houve problemas no acesso dos bombeiros, mas culpou os carros estacionados em frente ao bairro.

Tote bei Wohnungsbrand in Xinjiang
Incêndio num edifício em Urumqi deixou pelo menos 10 mortosFoto: UGC/AP/dpa/picture alliance

Relaxamento de medidas

Depois deste episódio em Urumqi, mas sem mencionar o incêndio, o Governo da cidade de Pequim disse que deixará de trancar os portões para bloquear o acesso a condomínios onde forem confirmados novos casos de Covid-19.

Além disso, a metrópole industrial e comercial de Guangzhou, o maior foco da última vaga de infeções na China, anunciou que alguns residentes já não serão obrigados a submeter-se a testes em massa.

Urumqi, onde ocorreu o incêndio, e outra cidade na região de Xinjiang, no noroeste do país, anunciaram que os mercados e outros negócios em áreas consideradas de baixo risco de infeção reabririam esta semana e que o serviço público de autocarros seria retomado.

People ride past barriers set up along a road in Shanghai
Governo prometeu aliviar bloqueios no âmbito da sua estratégia de combate à Covid-19Foto: Casey Hall/REUTERS

"Zero Covid"?

A estratégia "zero Covid", que visa isolar todas as pessoas infetadas, ajudou a manter os números de casos da China mais baixos do que em outros países, como os Estados Unidos. Mas tem confinado milhares de pessoas às suas casas durante até quatro meses, e alguns queixam-se da falta de alimentos e de material médico fiável.

O partido no poder prometeu no mês passado aliviar a estratégia, alterando a quarentena e outras regras. Mas a aceitação pública está a desgastar-se depois de um pico de infeções ter levado as cidades a reforçar os controlos.

De acordo com dados da Comissão Nacional de Saúde, a China bateu no sábado o número recorde de infeções, detetando quase 40.000 novos casos, embora mais de 90% se tratem de casos assintomáticos. Nesta segunda-feira, o número de novos casos diários aumentou para 40.347, incluindo 36.525 sem sintomas.

Covid-19: Vacina chinesa faz avançar imunização no Chade

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado