Carlos Correia: Morreu o ex-PM guineense e dirigente do PAIGC | Guiné-Bissau | DW | 14.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Carlos Correia: Morreu o ex-PM guineense e dirigente do PAIGC

O antigo primeiro-ministro guineense e dirigente do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) Carlos Correia morreu este sábado (14.08) vítima de doença, anunciou, em comunicado, o partido.

Carlos Correia intervindo num congresso após a independência da Guiné-Bissau

Carlos Correia intervindo num congresso após a independência da Guiné-Bissau

Carlos Correia, com 87 anos, foi dos primeiros dirigentes do PAIGC a receber formação superior ainda durante a luta pela independência.

O engenheiro agrónomo foi primeiro-ministro da Guiné-Bissau entre 1991 e 1994, entre 1997 e 1998, em 2008 e entre 2015 e 2016.

"O nosso partido viu sucumbir aquele que ficará na memória dos militantes e coletiva dos guineenses como uma das maiores referências e reserva moral", salienta o PAIGC.

"Exemplo de nacionalismo"

Segundo o partido, Carlos Correia foi um "exemplo de nacionalismo e patriotismo, baseado no rigor, responsabilidade e transparência, em tudo".

"Na política, com uma fidelidade, sinceridade e lealdade distintas. Na governação, com rigor e honestidade singulares", sublinha o PAIGC.

No comunicado, o PAIGC apela a todos os seus militantes, responsáveis e dirigentes para "render tributo e homenagem aquele que ficará eternamente como um herói da causa do partido e da Guiné-Bissau".

Umaro Sissoco Embaló lamenta morte

Numa mensagem divulgada à imprensa, o Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, lembrou hoje o antigo primeiro-ministro Carlos Correia como um "patriota" e um "dedicado servidor" do Estado.

"Na sua longa carreira política, Carlos Correia distinguiu-se como patriota, figura pública respeitada e dedicado servidor do Estado guineense", sublinha o chefe de Estado guineense.

O chefe de Estado refere também que recebeu a notícia com "profunda consternação" e endereçou as "mais sentidas condolências à família enlutada".

Artigo atualizado às 16h30 do Tempo Universal Coordenado (UTC) com a mensagem do Presidente guineense.

Assistir ao vídeo 08:42

Carlos Correia e o "Massacre de Pidjiguiti"

Leia mais