Cabo Delgado: Falta de apoios limita ajuda alimentar humanitária a deslocados | Moçambique | DW | 01.12.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Cabo Delgado: Falta de apoios limita ajuda alimentar humanitária a deslocados

Segundo a Rede de Alerta Antecipado de Fome, existem cerca de 935 mil deslocados e famílias anfitriãs em Cabo Delgado, Niassa e Nampula a necessitar de ajuda alimentar humanitária "pelo menos até março de 2022".

A falta de apoios continua a limitar a ajuda alimentar humanitária aos deslocados de guerra em Cabo Delgado, norte de Moçambique, refere o mais recente sumário da Rede de Alerta Antecipado de Fome (rede Fews, sigla inglesa).

"Devido à falta de recursos, o Programa Alimentar Mundial (PAM) continua a fornecer rações semestrais equivalentes a 39% da energia diária" de cada pessoa, havendo uma possibilidade de serem retomadas ajudas a 100% "no mês de janeiro", refere a organização que apoia as ações de agências governamentais e humanitárias.

A atualização consultada, esta quarta-feira (01.12), pela Lusa aponta para 935.000 deslocados e famílias anfitriãs em Cabo Delgado, Niassa e Nampula a necessitar de ajuda alimentar humanitária "pelo menos até março de 2022".

"A maioria dos deslocados internos ainda não consegue produzir a sua própria comida e depende da ajuda humanitária e do apoio das comunidades anfitriãs para obter alimentos", lê-se no documento.

Ntele Montepuez Neuansiedlung

Há cerca de 935 mil deslocados e famílias anfitriãs a precisar de ajuda em Cabo Delgado, Niassa e Nampula

A situação de fome em Cabo Delgado é a mais grave em Moçambique, sendo que no resto do país, além de bolsas de pobreza em diversos locais - agravadas em zonas urbanas devido à crise provocada pela covid-19 -, há boas perspetivas gerais de produção agrícola. 

"No geral, as previsões nacionais e internacionais antecipam uma precipitação dentro da média sazonal em todo o país, apoiada por um fraco [fenómeno meteorológico] La Niña", lê-se no sumário, acrescentando que a 20 de novembro "o início das chuvas ocorreu em grande parte da província de Maputo e partes das províncias da Zambézia e Tete". 

Ocorrência de ciclones

No entanto, as mesmas condições poderão fazer com que o número de ciclones a atingir o país na época chuvosa, que vai até abril, fique acima da média.

"É provável o desenvolvimento de oito a 12 eventos ciclónicos (tempestades tropicais e ciclones), dos quais quatro a seis podem se tornar ciclones tropicais" e alguns destes podem chegar à costa moçambicana, detalha.

O governo lançou oficialmente a campanha agrícola 2021/2022 a 12 de novembro, prevendo que "as principais culturas alimentares, comerciais e a produção de gado aumentarão entre 4% a 29% em comparação com o ano anterior, devido a uma previsão de chuvas sazonais favoráveis e investimentos governamentais como o programa Sustenta", conclui.

O conflito em Cabo Delgado já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, de acordo com as autoridades moçambicanas.

Assistir ao vídeo 02:12

Aldeia 3 de Fevereiro: Novas esperanças para deslocados em Cabo Delgado

Leia mais