Banco Mundial pede a Luanda mais investimento nos angolanos | Angola | DW | 02.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Banco Mundial pede a Luanda mais investimento nos angolanos

Governo deve investir nas pessoas para assegurar empreendimentos futuros no país. É o que defende o diretor regional para África do Banco Mundial, que faz balanço positivo da primeira visita que fez a Angola.

Porto de Luanda (Foto ilustrativa)

Porto de Luanda (Foto ilustrativa)

"Para o crescimento do país e diversificação da economia, nem sempre temos que investir em estradas, eletricidade e construção de escolas (...) precisamos sempre investir no homem porque se tivermos que atrair investimentos no futuro ou agora terão que usar o capital humano para que possam ser implementados no terreno".

Esta foi uma das mensagens transmitidas por Jean-Christophe Carret, diretor regional para África do Banco Mundial, ao Governo angolano durante a sua primeira visita a Luanda, que terminou esta quinta-feira (01.10).

O diretor regional para África do Banco Mundial, que fez um balanço positivo da visita de quatro dias, passou em revista com o Governo angolano a parceria existente entre as partes, "para perceber o que funciona, o que não funciona tão bem e o que ainda pode ser feito".

"Numa só palavra redefinimos as estratégias na parceria entre o Governo de Angola e o Banco Mundial", referiu.

Viver do lixo em Angola

Setor social e apoio técnico

Jean-Christophe Carret, que disse ter ficado impressionado com a liderança do Ministério das Finanças, disse que os assuntos discutidos centraram-se em dois temas, nomeadamente o setor social e o apoio técnico do Banco Mundial para acelerar as reformas que vêm sendo implementadas pelo país para a diversificação da economia e menos dependência do setor petrolífero.

"Acho que há uma visão clara do Governo sobre o que quer fazer e quando há uma visão clara é fácil para o Banco Mundial sugerir possíveis projetos, o diálogo à volta de importantes reformas", frisou.

O responsável destacou que a questão principal que o trouxe a Angola foi a redefinição de estratégias, "num mundo que se encontra cada vez mais em mudanças".

Atual contexto

Relativamente ao contexto atual, Jean-Christophe Carret salientou que o Banco Mundial está nesse momento a proceder à adaptação do seu posicionamento sobre a pandemia e os seus efeitos colaterais, com a realização de ajustamentos graduais.

Questionado se o Banco Mundial, apoia a retirada do subsídio aos combustíveis, processo para o qual Angola se prepara, o diretor regional para África do Banco Mundial disse que aquela instituição bancária está a apoiar na implementação desse desiderato.

"Para o efeito, há que se pensar e tem estado a ser implementado um programa que visa a alocação de recursos para os mais vulneráveis, o Kwenda, falámos sobre isso ao longo da minha visita e nas rondas efetuadas falou-se bastante sobre esse projeto, que vai certamente aliviar a carência dos que mais necessitam nesta altura", disse.

João Lourenço: "Investimento alemão é bem-vindo em Angola"

Expetativas

Por sua vez, a ministra das Finanças de Angola, Vera Daves, disse que o novo diretor do Banco Mundial deslocou-se ao país para se apresentar e também conhecer a carteira de projetos existentes. "Saber o conjunto de constrangimentos que os beneficiários desses projetos entendem que podem ser superados e quais são as expetativas relativamente à parceria entre o Governo de Angola e o Banco Mundial", disse.

Vera Daves salientou que a parceria com o Banco Mundial está dividida em dois pilares. O primeiro relacionado com projetos e financiamento de projetos, que estão a avançar a ritmo normal, nos domínios da agricultura familiar, educação e saúde.

"Temos um outro pilar, não menos importante, que está relacionado com a implementação de reformas e assistência técnica, neste domínio temos o Banco Mundial a apoiar-nos com o repensar do setor de águas, como é que as empresas do setor de águas se tornam mais eficientes", disse a ministra.

A governante angolana adiantou que o Governo angolano trabalha com o Banco Mundial no mesmo exercício relativo ao setor das telecomunicações, para que se torne mais aberto e "pujante" com o envolvimento de agentes económicos privados.

"Estamos também a contar com assistência técnica do Banco Mundial para a inclusão financeira, assistência na implementação do programa de privatizações, é o nosso consultor estratégico", acrescentou.

Leia mais