Bélgica vai devolver restos mortais de Patrice Lumumba | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 11.09.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Bélgica vai devolver restos mortais de Patrice Lumumba

Ministério Público da Bélgica anunciou que vai devolver à família os restos mortais do líder congolês Patrice Lumumba, assassinado em 1961. Familiares apelam às autoridades para a celeridade no processo.

O anúncio desta quinta-feira (10.09) surge depois de, em junho deste ano, a família de Lumumba ter pedido à justiça belga a devolução de um dente, que alegadamente pertence ao líder congolês, e que foi apreendido à família de um polícia belga que terá ajudado a fazer desaparecer o corpo, nunca encontrado, deste que foi o primeiro primeiro-ministro da antiga colónia belga, após a independência em 1960.

Em entrevista à DW, Juliana Lumumba, uma das filhas do líder congolês, mostra-se satisfeita: "Para mim é uma grande vitória! Porque finalmente, 60 anos depois, os restos mortais do meu pai, que morreu pela independência do seu país e pela dignidade do povo negro, regressarão à terra dos seus antepassados. Isso é bom!".

No entanto, Juliana Lumumba disse: "até agora apenas lemos a declaração nos meios de comunicação social. Estamos à espera que a decisão [das autoridades belgas] nos seja oficialmente comunicada e de saber em que condições exatas os restos mortais nos serão entregues".

Kongo Leopoldville | Verhaftung | Patrice Lumumba

Patrice Lumumba foi morto por separatistas, mas muitos ainda culpam a CIA e a Bélgica

Nova página

Também para François Lumumba, filho mais velho de Patrice Lumumba, esta é uma decisão que "abre uma nova página entre o povo belga e o congolês", mas que exige o envolvimento das autoridades de ambos os países. "Cabe agora às autoridades congolesas envolverem-se no repatriamento dos restos mortais ao seu país natal. E aos nossos amigos belgas fazerem com que estes cheguem o mais depressa possível a Kinshasa", apelou.

No que depender do Governo congolês, garante André Lite, ministro dos Direitos Humanos, Lumumba terá finalmente direito a um enterro digno. "É uma questão que será abordada pelo Governo. Quando chegar a altura, o Governo tomará uma posição, mas poderia até dizer que é evidente, pois Emery Patrice Lumumba merece-o".

Assistir ao vídeo 01:50

Patrice Lumumba e o movimento anti-colonialista na RDC

A satisfação é notória também nos círculos políticos da República Democrática do Congo (RDC). Lambert Mende, antigo porta-voz do Governo de Joseph Kabila, fala de uma "restituição simbólica", mas que permitirá aos congoleses fazer o luto deste que é considerado um herói do continente africano.

"Sinais como este estão carregados de um significado simbólico, que não só é reparador, mas também serve de base para o normalizar da situação. Porque enquanto o corpo - ou pelo menos uma parte dele - não estiver connosco, congoleses, não podemos dizer que realmente fizemos o luto do desaparecimento de Emery Patrice Lumumba". 

Patrice Lumumba tornou-se o primeiro primeiro-ministro do Congo independente a 30 de junho de 1960, mas foi destituído  cerca de três meses depois, já com o país mergulhado numa guerra civil. Foi assassinado a 17 de janeiro de 1961, mas o seu corpo nunca foi encontrado, pois terá sido destruído com ácido.

Leia mais